A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

31/07/2014 08:58

Por mais investimento na educação, indígenas mantém bloqueio na MS-156

Viviane Oliveira
O protesto começou ontem na MS-156, que liga Dourados ao município de Itaporã. (Foto: Marcos Ribeiro)O protesto começou ontem na MS-156, que liga Dourados ao município de Itaporã. (Foto: Marcos Ribeiro)

Os indígenas mantém nesta manhã (31), bloqueio na MS-156, que liga Dourados ao município de Itaporã. A mobilização acontece no ponto que dá acesso a aldeia Jaguapiru. A comunidade protesta por mais investimentos na educação na reserva. Eles dizem que faltam até salas de aula, o que prejudica o atendimento à demanda de centenas de alunos.

Veja Mais
Professores indígenas bloqueiam MS-156 em forma de protesto
Morre menina de 11 meses ferida após carro da família capotar em rodovia

O manifesto é também um movimento de apoio às reivindicações que levaram o Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) a iniciar uma greve geral no dia 15 deste mês, que afeta toda a rede municipal de ensino de Dourados. Apenas ambulâncias estão sendo autorizadas a passar, e o grupo disse que não vai sair da rodovia até que o prefeito Murilo Zauith (PSB), se posicione com relação às reivindicações por melhorias na educação da reserva.

Na manhã desta quinta-feira, lideranças realizam uma assembleia para discutir os rumos da manifestação, mas garantem que nada muda até que a gestão municipal se manifestar sobre as reivindicações.

Segundo informações do gabinete da Prefeitura, o prefeito está em viagem a Campo Grande. A data de retorno não foi informada. Ontem, o secretário municipal de governo, José Jorge Filho, se manifestou sobre a mobilização indígena dizendo “não compreender” o bloqueio, pois na última segunda-feira Zauith se reuniu com lideranças e ouviu todas as reivindicações. Ele disse ainda que não há o que fazer de imediato, justamente, porque o prefeito está em viagem.

O município de Dourados tem hoje 800 crianças fora da escola nas séries iniciais, na Reserva Indígena. Os dados são de profissionais da Educação Escolar Indígena do Município que participam dos protestos na rodovia, de acordo com o site Dourados Agora. 

Na semana passada, um grupo de indígenas das aldeias Jaguapiru e Bororó liberaram, depois de 4 dias de protesto, o trecho da Perimetral Norte que liga a avenida Guaicurus e a MS-156, em Dourados. A manifestação começou no domingo (20), após atropelamento da indígena Lenilza Nunes, que morreu no dia seguinte no hospital. As comunidades reivindicavam redutores de velocidade e a implantação de placas informando que nas margens da rodovia estão situadas aldeias indígenas.

Eles só liberaram a pista, após reunião com o governador André Puccinelli (PMDB), que prometeu instalar redutores de velocidade no local para evitar novos acidentes. O atropelamento da indígena foi o estopim para os índios terem bloqueado a estrada em forma de protesto. (Com informações, também, do site Dourados News).

Morre menina de 11 meses ferida após carro da família capotar em rodovia
Sofia de Almeida Flores, de 11 meses de vida, morreu na madrugada de hoje (5) em Dourados, a 233 km de Campo Grande, após ficar ferida em acidente oc...
Homem de 33 anos é morto com golpes de facão e foice em fazenda invadida
Um homem de 33 anos foi morto a golpes de facão e de foice durante uma briga envolvendo índios na fazenda Novilho, município de Caarapó, a 283 km de ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions