A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

09/09/2015 09:37

Por mais segurança em aldeias, índios protestam em rotatória na MS-156

Terena e guarani-kaiowá se uniram em movimento realizado nesta quarta e cobram da Secretaria de Segurança Pública as promessas feitas em reunião, no dia 23 de julho deste ano

Helio de Freitas, de Dourados
Índios da reserva de Dourados protestam nesta quarta-feira na MS-156, pedindo mais segurança (Foto: Eliel Oliveira)Índios da reserva de Dourados protestam nesta quarta-feira na MS-156, pedindo mais segurança (Foto: Eliel Oliveira)

Índios da reserva mais populosa do Brasil, localizada em Dourados, a 233 km de Campo Grande, protestam nesta quarta-feira (9) por mais segurança. Pelo menos 300 pessoas das etnias terena e guarani-kaiowá estão concentradas na rotatória de aceso à área indígena, na MS-156, que liga Dourados a Itaporã. Eles estão bloqueando a rodovia por meia hora, liberam por mais meia hora e voltam a bloquear por outros 30 minutos. O movimento deve durar todo o dia.

Estudantes indígenas participam do movimento com faixas, cobrando segurança e pedindo um basta à violência. Se não forem atendidos, os índios prometem bloquear a rodovia “por tempo indeterminado” na semana que vem.

O terena Sílvio de Leon, vice-capitão da aldeia Bororó, disse ao Campo Grande News que o objetivo é cobrar do governo de Mato Grosso do Sul e demais autoridades o cumprimento de promessas feitas na reunião realizada no dia 23 de julho deste ano, na Escola Tengatuí Marangatú, com o secretário adjunto de Segurança Pública, Helton Fonseca Bernardes, com representantes das polícias Civil e Militar e com o procurador da República Marco Antonio Delfino de Almeida.

Recado ao governo - “Estamos fazendo um protesto pacífico para avisar que se não formos atendidos com segurança permanente para nossas aldeias, vamos bloquear a rodovia por tempo indeterminado. Depois daquela reunião com o secretário de Segurança, nada mais aconteceu”, afirmou Sílvio de Leon. Segundo ele, o movimento de hoje é apenas um recado ao governo.

Na sexta-feira (4), o comandante da Polícia Militar em Dourados, tenente-coronel Carlos Silva, informou que o sistema de segurança nas aldeias de Dourados está pronto, mas depende da assinatura de um convênio com o Ministério da Justiça.

Segundo oficial, o objetivo é fazer rondas frequentes na reserva indígena, da mesma forma que acontece nos bairros de Dourados, para coibir a violência, furtos, roubos e o tráfico de drogas. Carlos Silva disse que os veículos que serão usados como viaturas para rondas nas aldeias já estão em Campo Grande, aguardando a presença de um representante do ministério para a liberação.

Indígena de 21 anos é assassinado com facada no peito em aldeia
Um indígena de 21 anos foi morto no início da noite desta sexta-feira (20) após ser atingido com uma facada no peito, na aldeia Amambai, em Amambai -...
Homem com facão faz três pessoas da mesma família como reféns em casa
Três pessoas foram feitas reféns em uma casa na rua Rio de Janeiro, Centro de Sidrolândia - cidade localizada a 71 km de Campo Grande -, na manhã des...
UEMS recebe a partir de segunda-feira congresso de pesquisadores negros
A UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) de Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - recebe entre segunda-feira (23) e sáb...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions