A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

10/04/2015 18:35

Por unânimidade, TJ mantêm número de vereadores em município

Mariana Rodrigues

Por unanimidade, os desembargadores do Órgão Especial julgaram improcedente Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) ajuizada pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) em face da Câmara Municipal de Corumbá contra alteração na Lei Orgânica do Município, por meio da Emenda Constitucional Municipal nº 30/2011, que reduziu o número de cadeiras para a legislatura 2013 a 2016.

Veja Mais
Prefeitura retoma Instituto Mirim e muda diretoria no dia 15
Prefeituras tem até hoje para definir quais obras vão executar em 2015

Os desembargadores do Órgão Especial por unanimidade, julgaram improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade, ajuizada pelo PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) perante a Câmara Municipal de Corumbá - distante a 419 quilômetros de Campo Grande, contra a alteração na Lei Orgânica do Município que reduziu o número de cadeiras para a legislatura 2013 a 2016.

A sigla partidária alega que houve ofensa ao art. 29, IV, da Constituição Federal, que dispõe serem 17 e não 15 o número de vereadores para os municípios com mais de 80 mil habitantes e até 120 mil habitantes, como ocorre com Corumbá, que apresenta população de cerca de 104 mil habitantes.

O relator da Ação, desembargador Júlio Roberto Siqueira Cardoso, esclareceu a questão e citou o ministro Maurício Corrêa. “(...) A atuação legislativa deve realizar-se em harmonia com o interesse público, não se admitindo a edição de leis destituídas de certa razoabilidade, sob pena de restar caracterizado um excesso do poder, hipótese que, a meu ver, exemplificativamente ocorre com os Municípios que aprovam suas Leis Orgânicas com número de Vereadores incompatível com a proporção ditada pela Constituição Federal”.

Os candidatos A.M.G. e A.R.V., eleitos na 16ª e 17ª vagas, apontaram que têm direito líquido e certo de tomar posse de imediato no cargo de vereador do município de Corumbá, ante a prevalência da norma constitucional em face da municipal.

O desembargador Júlio Roberto Siqueira Cardoso, lembrou ainda que independentemente da calorosa discussão doutrinária sobre os efeitos de decisão proferida pelo STF (Supremo Tribunal Federal), em Recurso Extraordinário que resultou na criação da Resolução TSE nº 21.702/2004, os julgadores estão compelidos a seguir tal orientação, pois a Corte já se manifestou especificamente sobre o tema.

Pugna pela liminar a fim de que sejam suspensos, com efeitos atingem todos e retroage no tempo desde a data da publicação, os efeitos da lei impugnada. A Câmara Municipal de Corumbá afirmou não se encontrarem presentes os requisitos para a concessão da medida liminar, por não haver o risco do perecimento do direito. Liminar anterior foi indeferida e a Procuradoria-Geral de Justiça opinou pela improcedência da ação.

No entender do desembargador, o que antes ficava ao arbítrio do Legislativo Municipal passou a ser isonômico em todo o país.“O art. 29, inciso IV, alínea e da CF determina limite máximo de vereadores, que não deve ser ultrapassado, nada vedando que o número seja menor. Haver a emenda à Lei Orgânica do Município de Corumbá optado por alterar o número de vereadores de 17 para 15 está longe de ferir a CE ou a CF, vez que estas impõem a observância do limite máximo de 17 vereadores por município com mais de 80 mil habitantes até 120 mil habitantes”, esclareceu Cardoso.

“Se o número de vereadores previsto na Lei Orgânica do Município de Corumbá, equivalente a 15 cadeiras não extrapola a quantidade considerada razoável e proporcional ao número de habitantes, segundo o entendimento do Supremo Tribunal Federal. Deve a presente ação direta de inconstitucionalidade ser julgada improcedente”, concluiu.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions