A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Janeiro de 2017

02/03/2013 12:34

Prefeitura é acusada de forjar números da dengue e abandonar saúde em Bonito

Gabriel Neris e Aline dos Santos
Hospital Darci João Bigaton é alvo de reclamações dos moradores de Bonito (Foto: João Garrigó)Hospital Darci João Bigaton é alvo de reclamações dos moradores de Bonito (Foto: João Garrigó)

Passando por momento conturbado para escolher o próximo prefeito, o município de Bonito também é notícia pelo estado de calamidade da saúde pública. Moradores reclamam da demora nos atendimentos, da falta de médicos e acusam a secretaria municipal de forjar os números de casos registrados da dengue, tendo em vista que é uma cidade turística e a doença poderia afastar os visitantes.

A segurança Virgínia de Souza Tibúrcio, de 31 anos, moradora do Jardim Marambaia, conta que o filho de seis anos de idade e a vizinha estão com dengue. Ela reclama da situação do Hospital Darci João Bigaton, localizado no Jardim Andréa.

O filho Roberto reclamava de dor de cabeça e febre no último dia 18. O menino tem sopro no coração. A dor não passava, a temperatura da febre não diminuía e a segurança decidiu levar a criança ao hospital. “Só tinha um médico clínico-geral. Tinha muita gente doente na frente e demorou para atender ele com 37,5ºC de febre”. Ela conta que chegou ao hospital às 21h e saiu de lá à 1h da madrugada.

“Conseguir médico pediatra na cidade é complicado. São poucos pediatras e eles atendem só nos postos de saúde. Para ter uma consulta tem que agendar, vai de madrugada pega a senha, marca a consulta e volta daqui 20 dias”, relata a segurança que tem outros quatro filhos, de 3, 9, 12 e 14 anos.

Os casos de emergências são encaminhados para o hospital, mas a principal reivindicação é que só um médico no local. Quem tem condições de pagar um pediatra particular tem que desembolsar de R$ 180,00 a R$ 200,00.

No hospital também estava Elilene Ferreira do Nascimento, de 36 anos. A dona de casa aguardava desde as 11h40 às 13h para que atendessem a mãe dela, Marilene Ferreira do Nascimento, de 54 anos.

Ela conta que a mãe passou por uma pré-consulta, preencheu uma ficha e aguardava para ser chamada. “Só tem um médico e o atendimento demora bastante”, reclama. A mãe apresenta sintomas de dengue. Elilene conta que antes de ir ao hospital telefonou para os postos de saúde. “Fui informada que uns postos não tinham médicos e outros não tinham vagas”.

No hospital havia um ortopedista. O médico foi demitido e a falta do profissional prejudicou o atendimento a população. Os moradores afirmam que a demissão tem cunho político.

Edilene Romanosqui, de 40 anos, também diz que a demissão é relacionada à briga política. Ela estava com sintomas de dengue na semana passada e a filha de 16 anos também. “O atendimento demora bastante e nem tinha muita gente. Era enrolam mesmo”, afirma.

Quando foi atendida ela diz que o médico pretendia aplicar injeção de dipirona na veia. A reação foi imediata. “Ele me disse para procurar um médico, perguntei se não era médico. Ele disse que não, só estava ajudando”. Sem entender, a mulher foi embora com a filha.

Virgínia de Souza Tibúrcio e o filho de seis anos com sintomas de dengue (Foto: João Garrigó)Virgínia de Souza Tibúrcio e o filho de seis anos com sintomas de dengue (Foto: João Garrigó)

Em abril do ano passado universitária de 19 anos morreu em virtude de erro médico. Letícia Gottardi Côrrea era alérgica à dipirona, entretanto teria recebido duas injeções com o medicamento no mesmo hospital. Também há denúncia de que outras duas pessoas morreram, recentemente, vítimas de negligência médica.

A estudante de Odontologia começou a passar mal, com dor no estômago. Na primeira vez que foi ao hospital, a jovem foi medicada com o soro e o médico anotou atrás do prontuário que ela era alérgica à dipirona.

Ela foi levada novamente ao hospital. O sogro avisou a médica de que a paciente era alérgica. Em seguida, a paciente tomou uma injeção, com medicamento direto na veia. A estudante foi liberada, mesmo com o alerta do noivo da jovem, questionando se não era melhor que a paciente ficasse em observação.

De volta a casa, Letícia começou a se sentir sufocada. A família retornou ao posto, onde Letícia tomou uma segunda injeção e foi liberada. Em casa, a jovem começou a passar muito mal, sendo levada ao hospital, onde morreu.

A reportagem do Campo Grande News tentou entrevistar secretária de Saúde, Renata Gomes Xavier, mas sem sucesso. As ligações no telefone da secretária também não foram atendidas.

Vizinhos acionam a polícia depois que mulher é agredida por esposo violento
Mulher de 29 anos teve de ser encaminhada a uma unidade de saúde devido as agressões do marido, 37, que a feriu no rosto durante uma discussão esta t...
Jovem é preso em flagrante depois de ter incendiado a casa da mãe
Jovem de 19 anos foi preso depois de ter incendiado a casa da própria mãe, 43, esta tarde (21) no Jardim Brasilândia em Dourados, cidade a 233 quilôm...
Homem é preso ao ser flagrado transportando 191 quilos de maconha
Hellington Sant Ana Mota, de 33 anos foi preso acusado de tráfico de drogas por transportar 191 quilos de maconha no porta-malas de um carro. O flagr...



Não sou bonitense, mas sempre viajo para lá. A cidade precisa urgentemente de uma sacudida no sistema de saude que é precario. Haja vista que o hospital, tem um execelente prédio, que infelismente é subutilizado. Sorte do Prefeito é que ainda não ocorreu de uma turista estrangeiro morrer por falta de assistencia médica. Se isso acontecer será o caos em termos de publicidade negativa para a cidade que acolhe gente do mundo inteiro em busca das suas belezas naturais.
Se o novo prefeito disse que a sua administração focará a saude em primeiro plano, parabens, pois se a promessa for cumprida Bonito deixará de ficar encaminhando seus pacientes para tratamento na Capital.
 
Edno M. Ferreira em 04/03/2013 10:03:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions