A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

13/10/2015 09:58

Prefeitura faz acordo com MPF e terá de regularizar atividades em hospital

Município pode ser multado em R$ 50 mil se descumprir acordo que determina contratação de enfermeiros através de concurso público

Helio de Freitas, de Dourados
Hospital de Itaporã, administrado pela prefeitura, terá de contratar responsável técnico e mais enfermeiros (Foto: Divulgação)Hospital de Itaporã, administrado pela prefeitura, terá de contratar responsável técnico e mais enfermeiros (Foto: Divulgação)

Acordo entre o Coren/MS (Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul) e a Prefeitura de Itaporã, cidade a 227 km de Campo Grande, prevê a regularização das atividades do Hospital Municipal Lourival Nascimento da Silva. Entre as medidas, o município terá de aumentar o número de enfermeiros no hospital por meio de concurso público.

Intermediado pelo MPF (Ministério Público Federal) e homologado pela Justiça Federal, o acordo prevê multa de até R$ 50 mil se a prefeitura descumprir as determinações.

Além de realizar concurso, a prefeitura terá de solicitar ao conselho o certificado de responsabilidade técnica de enfermagem (documento que regulariza as atividades de enfermagem em hospitais), implementar o SAE (Sistematização de Assistência de Enfermagem) – método que organiza as rotinas de trabalho – e oferecer suporte para que enfermeiros não exerçam funções fora de suas atribuições.

Conforme a assessoria do MPF, o SAE deverá ser implantado em até seis meses, sob pena de multa. A ausência do certificado de responsabilidade técnica de enfermagem também pode gerar penalidade. Se profissional for flagrado fora de sua função, a multa será de R$ 500 por evento.

Caso a contratação de enfermeiros através de concurso não seja realizada (uma vaga em 2016, uma em 2017 e duas em 2018), a prefeitura será multada em R$ 50 mil. As novas vagas deverão ter remuneração adequada à realidade local.

Irregularidades – Conforme o MPF, em 2013 o Conselho Regional de Enfermagem fez inspeção no hospital e identificou as irregularidades no. A equipe local tinha apenas quatro enfermeiros com formação de nível superior, enquanto treze seriam necessários para atender a legislação. Foi verificado ainda que mesmo com um número baixo de profissionais, eles tinham de exercer função de outras profissões, como dispensação de medicamentos e auxiliar cirurgias.

“O certificado de responsabilidade técnica, que foi exigido pelo Conselho em diversas oportunidades, nunca foi providenciado pelo hospital. O documento indica quem é o profissional responsável no local e dá segurança às atividades de enfermagem. A ausência do SAE também foi identificada. A negligência ao método pode gerar desorganização e diminuição da qualidade dos serviços de enfermagem”, afirma o MPF.

Justiça absolve professor condenado a 61 anos por abuso sexual
O TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) absolveu o professor André Félix dos Reis, que havia sido condenado a 61 anos de prisão por estup...
Bêbada, mulher ameaça jogar própria filha na frente de veículos em avenida
Uma mulher de 26 anos, em visível estado de embriaguez, ameaçou matar a própria filha, de 4, jogando a criança na frente de veículos que passavam em ...
Jovem acaba espancado por bandidos ao tentar reagir a assalto em bar
Um jovem de 19 anos foi espancado por bandidos durante um assalto sofrido na madrugada deste sábado (25), em um bar de Três Lagoas (a 338km de Campo ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions