A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

05/08/2012 14:54

Preso em Coxim homem procurado por sequestrar e matar empresário em Rondônia

Mariana Lopes

O crime aconteceu em outubro de 2010, quando Ivanildo Basto Alencar, de 37 anos, e mais quatro comparsas executaram o ex-gerente do Banco Beron, depois de pegarem R$ 28 mil e dois cheques em branco com a esposa dele

Ivanildo foi preso na noite deste sábado, quando descia de uma van em frente à casa da esposa dele, em Coxim (Foto: Edição de Notícias/Paulo César)Ivanildo foi preso na noite deste sábado, quando descia de uma van em frente à casa da esposa dele, em Coxim (Foto: Edição de Notícias/Paulo César)

Foi preso na noite de ontem (4), em Coxim, Ivanildo Basto Alencar, de 37 anos, mais conhecido como Ceará, acusado pelo sequestro e morte do empresário Sérgio Ferreira Prado, conhecido como Paulinho Beron, em outubro de 2010, em Vilhena (RO).

Segundo a Polícia Militar, Ceará estava escondido em Dourados e foi preso assim que desceu de uma van, em frente à casa da esposa dele. O Serviço de Inteligência da PM estava monitorando a região há pelo menos 10 dias.

Junto a mais quatro comparsas, Ceará sequestrou o ex-gerente do Banco Beron, que ficou três dias nas mãos dos bandidos. Depois de pegarem R$ 28 mil e dois cheques em branco, ele foi executado com cinco tiros de revólver calibre 38.

De acordo com a Polícia Civil de Vilhena, no dia do crime Paulinho ligou para esposa dele, que morava em Colorado o Oeste, informando que havia comprado terras em Pimenta Bueno, também em Rondônia, e a orientou para entregar R$ 30 mil que estavam no cofre a uma pessoa que estava indo para a residência do casal.

Após um dos integrantes do grupo pegar o dinheiro e os cheques, os bandidos executaram Paulinho, que foi encontrado com os pés e as mãos amarradas com fitas adesivas. A camionete da vítima, uma S-10, foi queimada pelos assassinos.

Ceará foi encaminhado a 1ª Delegacia de Polícia e deve ser transferido para Rondônia. Em janeiro deste ano, os quatro comparsas dele foram condenados a cerca de 25 anos de prisão cada por envolvimento no crime.

Estão presos Fábio Domingos Cabral, de 24 anos, o Chacal; Cléberson Vieira da Silva, de 22 anos, o Clébinho; José Cleiton Vieira da Silva, de 30 anos; e Eupídio Modesto Filho, de 27 anos, o Negão, que teria articulado o crime de dentro da prisão. (Com informações do Edição de Notícias)




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions