A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

24/07/2014 17:47

Secretaria de Educação nega corte de ponto de professores em greve

Caroline Maldonado
Professores fizeram novo manifesto hoje (Foto: Divulgação/Simted)Professores fizeram novo manifesto hoje (Foto: Divulgação/Simted)

A secretária de Educação de Dourados, Mariniza Mizoguchi, nega ter feito ameaças de corte de ponto e contratação de professores substitutos, em virtude da greve dos servidores que já tem 9 dias e adesão de pelo menos 90% dos funcionários das escolas municipais da cidade, que fica a 233 quilômetros de Campo Grande.

Veja Mais
Servidores discordam de reajuste e acampam em frente a prédio público
Com greve, 6 escolas fecham e 3.507 alunos ficam sem aula

O Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) fez denuncia ao MPE (Ministério Público Estadual) afirmando ter recebido um ofício da secretaria com a ameaça de contratação de substitutos. Na segunda-feira (21), a Câmara Municipal aprovou reajuste de 8,31% para professores e de 6,15% para funcionários administrativos a partir de julho. Os retroativos de abril, maio e junho serão pagos em agosto, setembro e outubro, segundo o projeto.

O sindicato, no entanto, segue com as reivindicações do piso de 20h e a inserção do pessoal de administrativo no plano de carreira. Nesta manhã, os servidores fizeram manifesto em frente a Prefeitura, mesmo sabendo que o prefeito, Murilo Zauith (PSB), está em viagem no Paraguai.

Segundo o presidente do Simted, João Vanderley Azevedo, a ausencia do prefeito não interfere a agenda da greve e a movimentação é necessária justamente para que ele aceite se reunir com os grevistas quando retornar à cidade. “Não vamos recuar, porque isso é algo que o prefeito prometeu em abril. Ele disse que faria em 2016, mas depois voltou atrás, então não vamos esperar o tempo passar, queremos que ele se comprometa a atender nossas reivindicações”, disse João.

Para a secretaria, a greve é uma manobra política do sindicato e não há como conceder o piso de 20h, que significaria dobrar o salário, na opinião dela. “Nós gastamos R$ 11 milhões com salários. Desses, R$ 7,0 milhões são recursos federais e para complementar a Prefeitura dá R$ 3 milhões, ou seja, mais do que exige a lei. A lei diz que o município deve dar 25% e nós aqui entramos com 34%”, justificou a secretária.

Lojas vão estender horário de atendimento durante o mês de dezembro
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...
Esposa é presa ao tentar entregar pão recheado com maconha para detento
A esposa de um detento de Itaquiraí, distante 410 km de Campo Grande, foi presa na tarde de ontem (7) tentando entregar um pão recheado com maconha p...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions