A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

18/07/2014 20:02

Secretaria diz que professores que faltarem terão desconto nos salários

Alan Diógenes
Secretária de Saúde informou que os professores que faltarem as aulas, terão desconto na folha de pagamento. (Foto: A. Frota/Dourados Agora)Secretária de Saúde informou que os professores que faltarem as aulas, terão desconto na folha de pagamento. (Foto: A. Frota/Dourados Agora)

A Secretaria de Educação de Dourados e o Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) estão longe de entrar em um acordo e os professores ainda estão de greve. Metade das escolas do município também estão sem aulas, desde o retorno das férias ontem (18).

Veja Mais
Greve continua e cinco escolas funcionam sem quadro completo de professores
Poucos professores aderem a greve e maioria das escolas funciona normalmente

Em entrevista cedida ao site Dourados Agora, nesta sexta-feira (18), a secretária de Educação Marinisa Mizoguchi disse que os professores que não compareceram para ministrar as aulas terão desconto pelos dias não trabalhados. “Se os profissionais não estão em sala de aula, não estão trabalhando e se não trabalham não tem o direito de receber", explicou.

A secretaria informou ainda que já está sendo tomada outras medidas, como por exemplo, contratar professores para lecionarem no lugar dos grevistas. Outra medida que a secretaria pode tomar em relação à situação é entrar com uma ação na Justiça contra a greve.

Na manhã de ontem (17) o Simted fez uma denúncia ao MPE (Ministério Público Estadual) em relação a orientação da Secretária de Educação de contratar substitutos durante o período de greve, conforme comunicado n◦ 883/2014. Segundo o sindicato, tal solicitação contraria a lei de greve que veda além da rescisão de contrato de trabalho durante a greve, a contratação de trabalhadores substitutos, no caso de serviços não considerados essenciais, ou seja, que podem sofrer interrupção durante o ano letivo, como a educação.

De acordo com o sindicato o posicionamento da secretária, além de ser ilegal, é imoral. Agora os integrantes do entidade aguarda o posicionamento do Ministério Público sobre o fato.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions