A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

02/09/2014 13:46

Seguradora vai pagar reparo na ponte do Rio Paraguai atingida por barco

Caroline Maldonado
Seguradora vai custear reparo da ponte (Foto: Diário Corumbaense)Seguradora vai custear reparo da ponte (Foto: Diário Corumbaense)

Serão pagos pela seguradora da concessionária Porto Morrinho os custos de reparo da ponte atingida por um barco empurrador, há uma semana, na região de Porto Morrinho, em Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande. Segundo o diretor técnico da concessionária, Wolney Freire, o laudo preliminar dos técnicos que fizeram vistoria no local será entregue pela perícia ainda nesta semana.

Veja Mais
MPF cobra providências urgentes para reparo de ponte no Rio Paraguai
Nova vistoria vai avaliar situação da ponte sobre o Rio Paraguai em outubro

De acordo com Wolney, o laudo será discutido em reunião com a Seop (Secretaria de Estado de Obras Públicas e de Transportes) para que sejam definidos os próximos passos. “A concessionária não tem obrigação contratual de reparar a ponte, mas como a empresa tem apólice com a seguradora de risco operacional que cobre esse dano, nós já acionamos o seguro, que vai fazer o reparo necessário na ponte”, explicou o diretor técnico.

Com base nas informações passadas pelos técnicos que vistoriaram a ponte, a concessionária adiantou que no acidente com o empurrador paraguaio foram danificados o apoio da estrutura do pilar T4 e o outro extremo, no pilar T6. Esse último é o mesmo que foi afetado quando a ponte foi atingida pelo barco empurrador Doña Carmen, também de bandeira paraguaia, que transportava 16 barcaças de farelo de soja, em 2011.

Na avaliação da concessionária, o acidente da semana passada foi pior do que o de 2011, porque o barco atingiu um pilar secundário que não é de navegação, portanto não tem capacidade para suportar impacto tão forte. Naquela data, relata Wolney, a estrutura foi restabelecida por um grupo de especialistas, um deles o calculista, com especialização em estruturas danificadas, Fernando Relvas, que participou da última vistoria nessa semana.

A inspeção subaquática, deve acontecer apenas a partir do fim de outubro por conta da cheia do Rio Paraguai. Segundo a concessionária já foram pedidas à fábrica as peças, que estarão prontas em 20 dias e serão utilizadas na manutenção do pilar atingido.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions