A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

27/03/2015 19:13

Segurança critica termo “milícia” e diz que ideia é integrar polícias

Assessora informou que projeto é equipar um grupo da polícia que já existe no Bolsão e pagar diária para policial trabalhar na folga

Helio de Freitas, de Dourados

A Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul rebateu o uso do termo “milícia” para definir o grupo que será formado no município de Chapadão do Sul por policiais de folga, recebendo diárias pagas pelo Conselho de Segurança da cidade. Segundo a assessoria da pasta, o projeto em discussão naquela cidade está de acordo com a proposta de integração das polícias, defendida pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Veja Mais
Com apoio da Câmara, milícia armada vai cuidar da segurança de moradores
Reinaldo diz que não vai hesitar em sacrificar obras para investir em segurança

Ao Campo Grande News, a Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública) informou que na tarde desta sexta-feira ocorreu uma reunião na Capital para discutir as medidas que serão adotadas na cidade do Bolsão. Ressaltou que não se trata de milícia e que isso nada tem a ver com segurança pública. A proposta é de integração entre as polícias para reforçar a segurança no município.

Conforme o governador já expôs, a ideia é o policial quando estiver de folga poder trabalhar e o Conselho de Segurança pagar para ele uma diária, como acontece em Costa Rica. Em Chapadão do Sul já existe o COB (Comando de Operações do Bolsão), um grupo especializado da polícia sul-mato-grossense, e a ideia inicial é reforçar esse grupo com os policiais de folga. 

Integração – Perguntado se a Sejusp conhece a proposta da Câmara de Vereadores de centralizar a atuação do COB na cidade – que passaria a se chamar “Caveirão”, segundo a ideia da presidente do Legislativo, Sônia Maran – a assessoria descartou essa centralização em Chapadão do Sul. “Não vai acontecer de centralizar na cidade, porque o comando é de operações no Bolsão, e sim reforçar as equipes que trabalham na cidade. Criar milícia não existe, mas sim a integração das polícias lá”.

Na reunião desta sexta-feira estavam presentes o superintendente de Segurança Pública, delegado Antonio Carlos Videira, o superintendente de Politicas Penitenciárias, Rafael Garcia Ribeiro, o superintendente de Políticas de Segurança Pública, coronel Luiz Carlos Garcia Gomes, a vice-prefeita da cidade, Elizabeth Buschmann Scheide (DEM), o juiz de Chapadão do Sul, Silvio Cezar do Prado, e a presidente da Câmara, Sônia Maran.

Segundo a Sejusp, os representantes da cidade apresentaram a proposta de parceria com o Conselho de Segurança da cidade, mas ainda não está decidido se o projeto será colocado em prática, pois depende do apoio de todas as forças policiais presentes na cidade.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions