A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

20/05/2015 07:54

Sem-terra bloqueiam cinco trechos de três rodovias federais em MS

Caroline Maldonado

Integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) bloqueiam cinco trechos na manhã de hoje (20), segundo a PRF (Polícia Rodoviária Federal). Equipes da polícia acompanham as manifestações e orientam os viajantes a buscar rotas alternativas nessa manhã, já que a previsão de liberação dos trechos é as 12h.

Veja Mais
Reforma agrária para, número de sem-terra triplica e já soma 29 mil famílias
Grupo de sem-terra bloqueia duas rodovias no 8º dia de protesto

Aproximadamente, 50 manifestantes colocaram fogo em pedaços de madeira e pneus, no km 138 da BR-267, próximo ao trevo de acesso a Angélica. Outro grupo está no Km 408 da Br-262, próximo a Palmeiras, distrito de Dois Irmãos do Buriti. Por lá, são cerca de 60 pessoas que impedem o trânsito, conforme a PRF.

Os manifestantes bloqueiam também dois trechos da BR-163, sendo o km 104, próximo a Naviraí e o km 411, na região de Anhanduí. Outro grupo está na BR-060, entre Sidrolândia e Campo Grande.

No dia 1º de maio, integrantes do MST começaram as manifestações. Cerca de 700 pessoas saíram em marcha de Anhanduí e chegaram no dia 5 em Campo Grande. Na manhã seguinte, 400 integrantes de movimentos sindicais rurais ocuparam a sede do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Campo Grande.

Eles fizeram ainda bloqueios em rodovias, reivindicando a retomada da reforma agrária. Alguns manifestantes disseram que o superintendente do Incra deveria ser um funcionário público e não alguém que ocupa cargo de confiança. Eles pedem ainda a melhoria estrutural do órgão. Há pouco mais de duas semanas, o advogado Celso Cestari, 65 anos, pediu demissão do cargo de superintendente regional do Incra, alegando “outros problemas pessoais”. Atualmente, exerce o cargo, interinamente, o ouvidor do Incra no Estado, Sidnei Ferreira de Almeida.




O Incra é outro cabaré, um processo de cadastro de imóvel rural, leva de 30 a 90 dias para ser realizado, isso mesmo depois que informatizaram o sistema, fato que ocorreu a partir de março de 2015, segundo funcionários do órgão não tem gente suficiente no setor de cadastro.
 
juvenul em 20/05/2015 12:15:46
Sras. e Srs !
Brasileiros e brasileiras pagadores de impostos escorchantes, cidadãos de bem!
"- Equipes da polícia (PRF) acompanham as manifestações e orientam os viajantes a buscar rotas alternativas nessa manhã, já que a previsão de liberação dos trechos é as 12h"
Pasmem !
Chegamos ao fundo do poço. As autoridades se omitem diante da sublevação da lei e da ordem. Segundo a Constituição Federal ( se é que existe), é garantido o direito sagrado de ir e vir do cidadão brasileiro! Mas para essa turma de baderneiros, isso não faz a menor diferença. A PRF tão efetiva na manifestação dos caminhoneiros deveria agora mostrar toda a sua capacidade de persuasão. Mas se omitem, assim como as autoridades do Estado e do governo federal se omitem! Queremos uma ação rápida e enérgica! Chega! Basta
 
Barbarossa em 20/05/2015 10:30:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions