A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

08/08/2011 17:13

Servidores da Receita em Corumbá são acusados de desviar contrabando

Viviane Oliveira

Eles cobraram US$ 5 mil para desviar as mercadorias

O MPF (Ministério Público Federal) moveu ação de improbidade administrativa contra particulares e funcionários da Receita Federal por cobrarem US$ 5 mil para desviar mercadorias contrabandeadas em Corumbá, cidade distante 419 quilômetros de Campo Grande.

Eles são acusados de desvio de uma carga de perfumes apreendida no Posto Esdras. A mercadoria, avaliada em pouco mais de 56 mil reais, estava destinada à destruição quando foi desviada e entregue ao importador dos produtos.

De acordo com as investigações iniciadas na Operação Vulcano, realizada pela Policia Federal em 2008, o pagamento da propina ocorreu para que os perfumes retornasse para o comprador original da carga, um comerciante do estado de SP.

No entanto, os servidores, responsáveis pela destruição da mercadoria, deixaram que ela fosse retirada da Receita Federal por terceiros.

Eles afirmaram oficialmente que os perfumes haviam sido destruídos. Um auditor-fiscal, um analista tributário e quatro particulares teriam participado do esquema de desvio.

O ministério pediu à Justiça que os seis envolvidos tenham seus bens bloqueados, e que devolvam o valor das mercadorias desviadas, além do pagamento de 100 mil reais por dano moral coletivo. A ação também requer que os funcionários públicos sejam condenados à perda do cargo. O processo corre em segredo de justiça, por isso os nomes não foram divulgados.

Na semana passada outra denúncia envolvendo servidores da Receita Federal foi divulgada. O MPF ofereceu denúncia à Justiça contra o ex-inspetor da Receita Federal em Corumbá, Paulo Eduardo Borges, por fraude em licitação, ocorrida em 2005, em contrato com a construtora Encon, para obras de reforma no Posto Esdras, na fronteira com a Bolívia, e no prédio da Inspetoria. Paulo Eduardo é acusado de fraudar 11 milhões.

Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Em oito dias de atendimentos da Carreta da Justiça em Taquarussu - município localizado a 332 km de Campo Grande -, o projeto do TJ-MS (Tribunal de J...
Sidrolândia comemora aniversário com 'balada cristã' e jogos do Operário
Sidrolândia - cidade localizada a 71 km de Campo Grande - completa no domingo (11) 63 anos de emancipação e vai receber várias atrações para comemora...



Isso sempre teve, existiu. Eles cobram uma taxa dos sacoleiros pra facilitar suas passagens na fiscalização, fazem vistas grossas. Bastam perguntar para qualquer sacoleiro que eles respondem. Só agora descobriram ou desejaram denunciar?
 
JULIO LOPES em 09/08/2011 08:27:34
Estranho como protegem estas pessoas, tudo bem que esta em segredo de justiça, mas deveriam colocar os nomes destas pessoas na midia para que eles tivessem pelo menos um constrangimento, se tivesse sido o "Zé" que tivesse roubado uma lata de leite para dar para seus filhos com certeza estaria estampado nas capas dos principais jornais do país, mas o Brasil é isso ai, os caras ficam protegidos´...........
 
Anilto Soares em 09/08/2011 06:08:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions