A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

26/09/2014 12:54

Sobreviventes pedem que barco seja guinchado para por fim a agonia

Caroline Maldonado e Priscilla Peres, enviada especial a Porto Murtinho
Inconsoláveis, sobreviventes querem apenas que barco seja içado o quanto antes (Foto: Marcelo Calazans)Inconsoláveis, sobreviventes querem apenas que barco seja içado o quanto antes (Foto: Marcelo Calazans)

A espera só aumenta a agonia e os cinco sobreviventes paranaenses do barco-hotel naufragado no rio Paraguai pedem as autoridades que façam a remoção da embarcação que está a uma profundidade de 17 metros. Reunidos em Porto Murtinho, a 431 quilômetros de Campo Grande, os amigos não pretendem ir embora antes que todos os desaparecidos sejam encontrados.

Veja Mais
Ministério da Agricultura cede espaço para armazenamento de produtos rurais
Reestruturação em presídio inclui sala para "videoaudiências"

Como não há no município alguma máquina que possa quinchar o barco, dois dos sobreviventes se reuniram até com o juiz da cidade Cézar Fidel Volpe pedindo ajuda para solucionar a situação. Segundo o capitão tenente da Marinha, Alexandre Brandão, se fosse solicitada uma embarcação rebocadora de Corumbá, a 536 quilômetros do município, o veículo chegaria somente em quatro dias. A ideia então é conseguir um rebocador do Paraguai, mas nesse caso devem ser acertadas questões burocráticas, segundo o capitão.

Ontem (25), o candidato ao Governo Delcídio Amaral (PT), esteve no município e disse que tentaria viabilizar um rebocador para tirar o barco do fundo do rio, mas não disse de onde viria o barco.

Um dos sobreviventes, Márcio Ferreira Gameiro, 37 anos, contou que todos optaram pelo barco paraguaio e não um brasileiro, porque alguns deles eram amigos do dono da embarcação, Luiz Penayo. “O Luiz era conhecido de muitos anos então preferimos ir com ele e não uma embarcação do Brasil”, explicou.

Dificuldades – Os sobreviventes têm esperança de que os desaparecidos sejam encontrados coma remoção do barco. Valdecir Fernandes Freitas, 47 anos, conta que mesmo com as dificuldades e despesas para permanecer na cidade, os amigos ficarão no local até que a embarcação seja içada. “A agonia piora a cada dia. A gente não tem esperança de sobrevivente, mas somos todos amigos e queremos os corpos logo”, disse o paranaense.

As despesas com o avião que levou os três corpos já encontrados foi pago pelos amigos. O custo foi de R$ 12 mil. Na manhã de hoje, Delcidio colocou a FAB (Força Aerea Brasileira) a disposição para levar os corpos que forem encontrados. Para amenizar os prejuízos dos sobreviventes, a prefeitura de Porto Murtinho pagou a diária de ontem de Valdecir e os demais.

Dos 27 ocupantes do barco hotel Sueño del Pantanal que virou durante tornado na quarta-feira (24), 13 se salvaram, nove estão desaparecidos e cinco corpos foram encontrados; dos turistas paranaenses Sidinei Romano, Moacir Pompelo, Manuel Coelho Siena, Eloy Müller e Leandro Donizete. Dentre os ocupantes, 11 eram tripulantes e os demais turistas do Estado do Paraná. Equipes do Exército, Defesa Civil, Marinha do Brasil, Polícia Militar Ambiental e bombeiros das cidades de Porto Murtinho, Campo Grande, Dourados e Jardim ajudam nas buscas.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions