A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

15/10/2011 16:07

Soldado que matou comandante da PM é transferido para Presídio Militar

Paulo Fernandes
Após briga domiciliar, soldado matou o comandante da PM de Cassilândia (Foto: Divulgação)Após briga domiciliar, soldado matou o comandante da PM de Cassilândia (Foto: Divulgação)

Apontado como o assassino do comandante da Polícia Militar de Cassilândia, tenente Mário José Eufrásio da Silva, o soldado Adriano Paulo da Silva, de 34 anos, foi transferido no início da tarde para o Presídio Militar em Campo Grande.

Veja Mais
Justiça determina instalação de rede de esgoto em Nova Alvorada do Sul
Pistoleiro morre baleado durante confronto com a polícia do Paraguai

Um inquérito militar será instaurado e encaminhado para a Justiça. Ainda não está claro sobre qual instância julgará o soldado, se será a Justiça Comum ou a Militar. O soldado não estava de serviço quando cometeu o crime.

Segundo a chefe da sessão comunicação social da PM, Major Sandra Regina Alt, a própria Justiça Militar poderá declinar de julgar Adriano Paulo da Silva e o caso seguir para a Justiça Comum.

O prazo para o inquérito ser concluído é de 40 dias, podendo ser prorrogado por mais 20. No entanto, esse período sofre uma redução pelo fato de o réu estar preso, explicou a PM.

Já a Polícia Civil de Cassilândia afirma que o soldado responderá pelo crime na Justiça Comum e irá a júri popular.

Um policial disse que a transferência de Adriano para o Presídio Militar teve o objetivo de proteger a integridade física do acusado. “Ele provavelmente não ficaria vivo em meio a presos comuns”, afirmou. O crime revoltou a população.

O comandante da PM foi morto na madrugada deste sábado com três tiros à queima-roupa. Adriano Paulo da Silva foi preso em flagrante.

Tudo começou quando o soldado se envolveu em uma ocorrência de violência doméstica com a esposa. Militares em plantão foram acionados para irem à casa do soldado.

Só que o clima ficou tenso e o comandante da unidade foi chamado para ajudar a acalmar o subalterno. Mesmo em férias, Eufrásio foi ao local, desarmado, e acabou morto pelo subalterno.

Justiça determina instalação de rede de esgoto em Nova Alvorada do Sul
A Sanesul e a prefeitura de Nova Alvorada do Sul - cidade localizada a 120 km de Campo Grande - terão que criar no município rede coletora e estação ...
Médico nega que tenha abandonado pacientes e diz que foi autorizado a sair
O médico Carlos José da Costa Duran, de 41 anos, nega que tenha abandonado o plantão no hospital e maternidade Idimaque Paes Ferreira, o único em Rio...



Caro Adriano seria bom se houvesse um planeta onde pudessemos buscar médicos, advogados, professores, políticos, juízes, padres, pastores... que não roubassem, não matassem, não se corrompessem, mas feliz ou infelizmente todas essas pessoas saem do seio de nossa sociedade. Não é hora de fazer acusações generalizadas de cunho pessoal, ore por essa familia e ajude a melhorar nossa sociedade.
 
Antonio Edson em 18/10/2011 10:12:32
leia a biblia, e mais facil cria a paz do que a guerra
maria estevão prata mg
 
estevão santos em 16/10/2011 10:54:26
este e o prepparao pisicologico dos nossos "herois" da rua . triste mas é a verdade !!!
 
marcos ivan em 16/10/2011 10:18:06
Lamentável situação. Perda irreparável, para as famílias policiais militares e para a Corporação. Quanto ao crime sempre será de competência da Justiça Comum, por ser crime Doloso contra vida. Questão pacífica na justiça brasileira, embora o crime independe de atribuição específica para apuração, sendo de atribuição de apurar tanto a Polícia Militar por meio de IPM e a Polícia Civil pelo IP.
 
VALDECIR ESCALHAR em 16/10/2011 04:27:45
Que tragedia, este soldado é uma vergonha pra farda, que Deus traga conforto a familia do oficial morto. A justiça precisa punir rigorosamente este bandido fardado que tirou a vida do oficial e provavelmente faria o mesmo a própria esposa. Coisa triste.
 
Luis Henrique em 16/10/2011 01:50:39
pois é, agora vai ter churrasquinho, futebol, dentre outras coisas, enquanto a familia do nobre cmte chora o pesar, brasil sil sil !!!!
 
jose carlos em 15/10/2011 09:32:29
Peço a Deus que conforte a dor dessa família,e ao Estado que reveja o conceito polícia e arma de fogo,pois no momento da briga é um casal em desavença,e quando aciona a polícia o causador do fato é um policial e se encontra armado e não aceita ser preso e é onde acontece tal fatalidade.Temos que dar mais auxilio a essa bela classe de profissionais. O governo tem que dar mais atenção aos policiais.
 
LUIZ CARLOS SANTOS MESSIAS em 15/10/2011 09:17:17
Mas o camarada era policial ou bandido travestido de policial... Pelo amor de DEUS já que pelo amor dos homens não ha condição
 
Zeca Collares em 15/10/2011 08:28:42
É coisa de maus policiais praticarem esse tipo de crime, atirar em um desarmado.
 
Ademir do Espírito Santo Mansilha em 15/10/2011 06:05:28
Preliminarmente... com tristeza li a notícia que envolve integrantes da gloriosa PM/MS.
Que o fato sirva de alerta para que, qualquer êrro de comportamento de um policial, seja adotado algum tipo de avaliação psicológica.
Será que o acusado já não apresentava algum tipo de desiquilíbrio incompatível?
Policial tem de provar que tem equilíbrio emocional... se não tiver... não pode ser policial.
 
Nivaldo Silva em 15/10/2011 05:30:40
Lamento a postura desta equipe de PM's de Cassilândia/MS que atendeu esta ocorrência de violência doméstica, ou seja, percebe-se que não tiveram pulso para atender a situação como o caso exigia, talvez o corporativismo falou mais, e optaram em chamar o Comandante (para morrer), porque certamente se fosse um cidadão civil eles teriam algemado e encaminhado para a Polícia Civil.
 
Marcelo Mendes em 15/10/2011 05:04:03
Não tem jeito, polícia é polícia. e é gente assim que diz nos proteger!
 
Adriano Silva em 15/10/2011 04:16:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions