A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

22/11/2011 11:40

Superintendente da PF está na região em que acampamento de índios foi atacado

Marta Ferreira
Cinco dias depois, índio que era liderança em acampamento continua desaparecido. (Foto: Divulgação Cimi)Cinco dias depois, índio que era liderança em acampamento continua desaparecido. (Foto: Divulgação Cimi)

O superintendente da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul, Edgar Paulo Marcon, foi para a região onde o índio guarani-kaiowá Nísio Gomes está desaparecido desde sexta-feira, quando, segundo a comunidade onde ele vivia, em um acampamento, mais de 40 pistoleiros atacaram o local.

Veja Mais
Após declarações de fazendeiro, Cimi pede intervenção federal em MS
Índia afirma que homens ofereceram carona para aldeia um dia antes de ataque

Marcon está em Ponta Porã, onde deve se reunir com o procurador da República Thiago dos Santos Luz, responsável pelo caso no MPF (Ministério Público Federal). O superintendente da PF também poderá ir à área onde houve o ataque.

A investigação da Corporação, que começou a ser feita por policiais de Ponta Porã, foi concentrada em Campo Grande, na delegacia de Defesa Institutcional, que cuida de casos envolvendo populações indígenas.

O chefe da unidade, Alcídio de Souza, já está na região desde o fim de semana, após o ataque vir a público.

O Campo Grande News apurou que a Polícia recomendou ao filho de Nísio Gomes, Valmir Gomes, que não se manifeste mais sobre o caso. Ele já foi ouvido.

O relato dos índios atribui o ataque a pistoleiros contratados por

fazendeiros, em razão da disputa de terras. Eles dizem que os homens

tiraram em Nísio e levaram o corpo dele na caçamba de uma camionete. Também afirmam que uma e dois adolescentes estão desaparecidos.

Ontem, o presidente do Sindicato Rural de Aral Moreira, Osvin Mittanck, afirmou que um dia antes, o dono da área onde os índios estão haviam entrado na Justiça pedindo a desocupação da terra, que está em estudo para ser demarcada como aldeia. Eles estão no lugar há 10 dias e vinham relatando ameaças anteriormente.

A PF e o MPF (Ministério Público Federal) investigam o caso. O acampamento, que começou com cerca de 60 índios, aumentou para em torno de 150 após o episódio de sexta-feira.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions