A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

16/08/2013 17:13

TCE suspende licitação em Corumbá por suspeita de direcionamento

Lidiane Kober

Por suspeita de direcionamento, o conselheiro do TCE/MS (Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul), Ronaldo Chadid, suspendeu a licitação nº 118/2013, na modalidade pregão presencial, da Prefeitura de Corumbá e cancelou sessão pública, prevista para esta sexta-feira (16).

A decisão leva em conta representação apresentada por Nelson Wilians & Advogados Associados, com sede em São Paulo (SP). A empresa aponta a existência de indícios de direcionamento em razão de previsão no item 5.1.3 do edital. A cláusula exige atestado de aptidão técnica no Conselho Regional de Contabilidade e de comprovação de responsabilidade no Conselho Regional da Classe.

O objetivo da licitação é a contratação de consultoria de prestação de serviços especializados para levantamento de todos os créditos e débitos do município a fim de reduzir ou compensar o montante com a Receita Federal.

Na denúncia, a empresa argumenta que “o objetivo da licitação não seria contratar exclusivamente com escritório de contabilidade, mas sim, com pessoa jurídica de consultoria especializada em redução e recuperação de créditos previdenciários”.

Para o conselheiro do TCE, “há indícios que a restrição à qualificação técnica e o registro no Conselho Regional de Contabilidade seria restritivo à competitividade”. Ele destacou ainda que o anexo I, A, fl. 41, traz a informação de que a administração municipal já apurou o montante inscrito em dívida na ordem de R$ 13.286.230.

“Causa, portanto, estranheza, que a prefeitura realize licitação para levantamento de débito previdenciário já apurado, o que, por si só leva a nulidade do próprio procedimento licitatório”, comentou.

Para melhor análise da representação, Chadid determinou que prefeito de Corumbá, Paulo Duarte (PT), remeta ao TCE cópia integral do procedimento licitatório e que informe se há servidores públicos contadores e procuradores jurídicos, em que número e há quanto tempo atuam no município.

Além disso, o conselheiro pede ao prefeito para informar se anteriormente houve procedimento administrativo ou ações judiciais de recuperação ou compensação de créditos previdenciários, detalhando o modo da apuração e os valores eventualmente compensados ou recuperados. “Caso referido levantamento e procedimentos administrativos ou judiciais tiverem sido realizados por terceiros, remeta-se cópia dos contratos”, completou.

O conselheiro quer saber ainda como foram apurados os débitos previdenciários previstos no edital e como se sabe se há créditos a serem compensados ou recuperados e, também, “que informe se os eventuais servidores contadores e procuradores jurídicos do município não possuem capacidade para apuração dos débitos e créditos previdenciários”.

Por último, Chadid determinou que, após o retorno com as justificativas e comprovação do cumprimento das medidas cautelares adotadas, os autos sejam encaminhados ao MPC (Ministério Público de Contas) para proferir decisão, recomendando a adequação do edital às exigências legais, e, na ausência de irregularidades, dar ciência da decisão à autoridade competente.

Jovem acaba espancado por bandidos ao tentar reagir a assalto em bar
Um jovem de 19 anos foi espancado por bandidos durante um assalto sofrido na madrugada deste sábado (25), em um bar de Três Lagoas (a 338km de Campo ...
Filho é preso em flagrante pela PM após espancar pais idosos
Um homem de 32 anos foi preso em flagrante na madrugada deste sábado (25) após espancar seus pais idosos, de 63 e 61, na região central de Paranaíba ...
Apuração no HR conclui que não houve 'falha ética' em mortes no local
Uma investigação interna realizada pela direção do HR (Hospital Regional) de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande para apurar a mo...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions