A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

23/11/2011 16:35

Técnica vai prevalecer em apuração sobre ataque a índios, diz chefe da PF

Marta Ferreira, da Redação, e Nadyenka Castro, enviada a Ponta Porã

Superintendente da Corporação, que está na região Sul do Estado, comentou esta manhã o caso

O superintendente da PF, Edgar Paulo Marcon: investigação vai usar técnica para definir o que aconteceu em acampamento. (Foto: João Garrigó)O superintendente da PF, Edgar Paulo Marcon: investigação vai usar técnica para definir o que aconteceu em acampamento. (Foto: João Garrigó)

O superintendente da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul, Edgar Paulo Marcon, comentou no fim da manhã de hoje a investigação sobre o ataque sofrido pelo acampamento indígena Guaiviry, no Sul do Estado. Um dos líderes espirituais do acampamento, Nisio Gomes, sumiu desse esse dia e segundo os índios, foi assassinato por homens que invadiram o acampamento.

Para a PF, o guarani-kaiowá está desaparecido e foi levado vivo do acampamento, localizado em uma fazeda em estudo para ser demarcada como terra indígena, entre Aral Moreira e Amambai. Indagado sobre o porque dessa convicação, o superintendente explicou que uma das razões que levam à constatação é a quantidade de sangue encontrada no local.

De acordo com a avaliação policial, é pouco sangue para um local onde alguém tenha sido executado, mesmo que o corpo não tenha ficado presente. Mostras do sangue encontrado estão sendo periciadas, para identificar se é humano e de quem é.

Além disso, no local foram encontradas baladas de borracha, que não provocam ferimentos mortais. São balas do calibre 12, conforme o superintendente, comumente usadas, segundo ele.

Em meio ao conflito, a técnica- Em cenário de disputa histórica por terras entre índios e fazendeiros, uma apuração desse tipo se baseia em informação técnica, de acordo com o delegado.

Segundo ele, é dessa forma, conforme o superintendente, que a Corporação vai definir o que aconteceu na área.

A PF está na região desde o dia em que o ataque foi relatado, com apoio da Força Nacional de Segurança. Inicialmente, a apuração começou por Ponta Porã e depois foi centralizada pela Delegacia de Defesa Institucional, de Campo Grande.

O superintendente foi ontem para a região e hoje acompanha comitiva da SDH (Secretaria dos Direitos Humanos), ligada à presidência da República, que visita o acampamento dos índios.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions