A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

11/07/2011 19:35

TJ manda prefeitura recontratar servidor demitido por ficar 90 dias parado debaixo de árvore

Paula Maciulevicius

Servidor da prefeitura foi exonerado indevidamente e ganhou na Justiça direito de voltar ao cargo e indenização de R$ 10 mil

A 4ª Turma Cível do Tribunal de Justiça, negou por unanimidade, a ação interposta pelo município de Camapuã, em cima da sentença de nulidade de ato administrativo com reintegração de posse em cargo público e ressarcimento de danos morais e materiais movida por um servidor do município.

A decisão determinou reintegração de posse do funcionário ao cargo de servente e condenou a prefeitura ao pagamento de todas as vantagens devidas desde a injustificada exoneração, além do pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 10 mil.

O servidor trabalhou por um período em regime de contratação na função de atendente e depois foi aprovado em concurso público e tomou posse no dia 3 de agosto de 1998, no cargo de servente do quadro de pessoal da prefeitura municipal de Camapuã.

Em 2004 ele foi procurado por um candidato a vereador para apoiá-lo durante a campanha eleitoral, porém já havia assumido compromisso com outro candidato. O servidor foi advertido para “andar na linha” e a partir daí uma começou uma perseguição por motivos políticos.

Depois de um período de férias, o servidor conta que ao retornar ao trabalho em dezembro de 2006, foi informado pelo secretário de Obras ele trabalharia mais no setor e teve o ponto cortado. O secretário no entanto, determinou que o funcionário deveria comparecer ao trabalho todos os dias, para ficar à disposição da Secretaria. O Secretário ordenou que ele cumprisse expediente diário aguardando debaixo de uma árvore, no pátio, até que decidissem sobre seu remanejamento.

A situação, segundo o servidor, durou por três meses e apesar de comparecer ao trabalho todos os dias, o Secretário pediu providências em razão de supostas faltas, que terminou com a instauração de Processo Administrativo e a injusta exoneração.

O relator do processo, desembargador Josué de Oliveira, observou que nos depoimentos dos principais acusadores, nem o acusado, nem o defensor foram intimados para comparecer na audiência. O que de acordo com ele, consiste no vício do processo administrativo conducente à sua nulidade, por não proporcionar ao acusado, sequer a oportunidade de defesa.

Motorista embriagado atropela ciclista e foge sem prestar socorro
Guinovaldo Aguiar Gama, de 53 anos, foi preso em flagrante depois de ter atropelado um ciclista na região central de Itaporã, 227 quilômetros de Camp...
Rapaz foge de policial a paisana e abandona mochila com 18 kg de droga
Homem fugiu deixando uma mochila com 18 quilos de maconha, depois de ser abordado esta manhã (10) por um policial a paisana na rodoviária de Ponta Po...
Marido agride mulher e tenta se enforcar em seguida, mas vai preso
Depois de agredir a esposa, de 45 anos, homem de 26, tentou se enforcar, mas acabou preso, esta noite (10) em Vicentina, a 255 quilômetros de Campo G...



Que pouca vergonha! Isto é o resultado do que eleitores mal informados e viciados merecem!!! Vamos buscar e lutar por uma democracia de verdade.
 
Cleonice da Costa Godinho em 12/07/2011 09:41:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions