A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

04/08/2014 14:22

Trabalhadores rurais sobrevivem a ataque de onça-pintada no Pantanal

Liana Feitosa
Vítimas receberam alta nesta manhã. (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)Vítimas receberam alta nesta manhã. (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)

Enquanto tiravam o gado de um arrendamento, dois trabalhadores rurais foram atacados por uma onça-pintada na fazenda onde trabalham na região do Castelo, no Pantanal de Corumbá, a 419 km de Campo Grande. No mesmo dia em que aconteceu o ataque, sexta-feira (01), foram internados no Hospital de Corumbá e receberam alta médica hoje (04), pela manhã, de acordo com o jornal Diário COrumbaense.

Veja Mais
Após ser atropelada na BR-158, onça segue em observação na Capital
Trabalhador rural fica em estado grave ao ser atropelado por trator no Pantanal

O primeiro a ser mordido pela onça foi Isac Araújo Pimenta de Lima, de 23 anos. Pelo menos 20 pontos foram necessários para reparar o corte na perna direita. O tio dele, Oséias Isaque Araújo, de 43 anos, foi ferido no braço direito, onde recebeu 20 pontos de sutura, e na perna direita, que foi submetida a cinco pontos.

“Fomos tirar o gado de um arrendamento e, chegando lá, tinha uns urubus numa área de mato e fui olhar porque sempre tem gado que morre. Desci do cavalo e falei pra ele [para o tio] que achava que era onça. Quando cheguei lá perto, ela saiu e veio em mim", contou Isac em entrevista ao jornal Diário Corumbaense. "Gritei que era onça mesmo, corri, pulei em uma árvore e ela veio e pegou minha perna. Ele viu, veio ajudar e ela atacou ele”, completa. “Ela mordeu e só furou [a perna]. Aparentemente o susto passou, agora vamos ver o tratamento”, conclui.

O tio de Isac, Oséias, não soube explicar como escaparam da onça. Na tentativa de salvar o sobrinho, acabou sendo vítima também. “Quando ele falou 'é onça', ela estava próxima e, assim que eu desci do cavalo, ele falou ‘vem ela, vem ela", explica. "Tinha uma árvore, ele saltou e ela veio correndo igual boi de lá, vi que ela veio com tudo. Ela pegou a perna dele, que gritou, pensei que ela iria matar. Se ele cai, ela vai pra cima dele. Quando eu cheguei, ela deu um tapa na minha mão e pegou a boca no meu braço, aí não vi mais nada. Só Deus mesmo”, lembra. A mordida “arrancou um ligamento”, que foi reconstituído pelos médicos.

Foi ajuda de Deus, conta vítima de ataque. (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)"Foi ajuda de Deus", conta vítima de ataque. (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)

Sem acreditar que escaparam das garras da onça, tio e sobrinho subiram no cavalo e correram em busca de socorro. "Na hora que ela bateu a boca eu golpeei o braço e escapei não sei como. Pegou uma unha dela na perna, conseguimos não sei como escapar e saímos ‘vazado’ a cavalo. Andamos uns quarenta ou cinquenta minutos para chegar até a sede e chamar um avião. Se desmaiasse, tinha morrido”, destaca Oséias. Apesar dos ferimentos e da dor intensa, a única alternativa foi cavalgar atrás de ajuda. “Não tinha jeito, tinha que ir. Ou montava a cavalo ou morria”, frisou.

Daqui até as próximas três semanas, as vítimas vão permanecer na casa de familiares até terem condições de retornar à fazenda. Por agora, só fica o susto. “É normal ela [a onça] chegar, comer a carniça e ir embora. Não fica assim cuidando, foi um caso a parte. O comportamento do animal ninguém sabe, cada um tem um jeito. Foi ajuda de Deus, vi aquele bicho ‘trompar’ em mim. Sorte que ela não veio atrás da gente, se viesse...”, finaliza.




Cada vez mais o homem invade o território do animal, as Apas que deveriam ser respeitadas nem sempre são ( não sei se é o caso), mas de qualquer forma o homem simples do campo tem a consciência de que o animal está ali apenas reagindo a presença humana, torço para a reabilitação de tio e sobrinho e um alô ai para a PMA, ir verificar as andanças dessa onça!
 
sandra regina lima fernandes em 04/08/2014 20:19:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions