A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

04/11/2014 14:31

Tratorista acusado de matar estudante é condenado a 17 anos de prisão

Priscilla Peres
Julgamento ocorreu na quarta-feira da semana passada. (Fotos: Vilson Nascimento/A Gazeta News)Julgamento ocorreu na quarta-feira da semana passada. (Fotos: Vilson Nascimento/A Gazeta News)

O tratorista Ademilson Neto Maria, conhecido como “Faustão”, de 34 anos, foi condenado a 17 anos de prisão por matar Renato Nunes Pimentel, 30, em agosto do ano passado. Ele já está há um ano e três meses preso e o julgamento aconteceu no dia 29 de outubro, no Tribunal do Júri em Amambai - distante 360 km de Campo Grande.

Veja Mais
Pistoleiro executa morador em acerto de tráfico de drogas na fronteira
Boliviana indiciada após tragédia com voo da Chape pede refúgio em MS

Segundo informações do site A Gazeta News, Ademilson foi denunciado pelo MPE/MS (Ministério Público Estadual) pelo assassinato do aluno do curso de história da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), Renato Pimentel. O crime aconteceu durante uma caçada no rio Moroty.

Os dois e outras duas pessoas estavam caçando de barco, na região da Fazenda Alexandria, situada a cerca de 45 quilômetros de Amambai, com quatro armas de fogo. Em determinado momento, Ademilson teria atirado contra Renato à queima roupa.

A denúncia foi oferecida pelo Ministério Público, durante a sessão do Tribunal do Júri pelo promotor de Justiça, Dr. Eteócles Brito Mendonça Dias Júnior. Durante o julgamento, dois ocupantes do bote e testemunhas no caso, foram categóricas em afirmar que foi Faustão o autor do disparo que matou o universitário.

Após os disparos, Faustão procurou um funcionário da fazenda, supostamente para procurar ajuda. Segundo depoimento do funcionário durante o julgamento, Faustão teria chegado à sua casa sujo e molhado, dizendo que teria ocorrido uma explosão no bote, supostamente de uma das baterias que era usada para conectar o “cibié” utilizado para clarear as margens do rio durante a caçada, por conta disso o barco teria virado e ele (Faustão), conseguido retirar Wilsinho da água, porém Gordinho e Renato teriam caído no rio e desaparecido.

Versões apresentadas nos depoimentos afirmam que o próprio Ademilson Maria comandou, durante a madrugada e na manhã do dia 25, as buscas pelos rapazes desaparecidos. A versão de que teria ocorrido os disparos só veio a surgir depois que Gordinho foi localizado pelo seu tio no dia seguinte.

O corpo do estudante Renato Pimentel, que também já havia cumprido pena por tráfico de drogas, foi encontrado uma semana depois boiando no rio Moroty, a cerca de 300 metros do local que havia caindo na água na noite do dia 24 de agosto de 2013.

Preso logo após o episódio, Ademilson Maria, o Faustão, nunca assumiu a autoria do crime, mas também nunca acusou nenhum dos outros indivíduos que estavam no barco com ele. Ao final prevaleceu a tese defendida pelo Ministério Público e Ademilson Maria acabou condenado por homicídio qualificado contra Renato Pimentel, porte ilegal de arma de uso restrito por conta da pistola calibre 9 milímetros e pela tentativa de homicídio contra Anderson Santos.

Boliviana indiciada após tragédia com voo da Chape pede refúgio em MS
A boliviana Celia Castedo Monasterio, indiciada pelo Ministério Público de seu país por ter autorizado o plano de voo da Chapecoense, com saída em Sa...
Hospital Universitário de Dourados alerta para golpe do falso médico
Falso médico estaria agindo em nome do HU-UFGD (Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados) e nesta segunda-feira entrou em co...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions