A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

13/03/2015 15:46

Usina vai negociar prazos e garante pagamento a proprietários de terras

Caroline Maldonado
Odebrecht informou que vai cumprir os contratos, efetuando pagamentos em prazos a serem negociados (Foto: Divulgação)Odebrecht informou que vai cumprir os contratos, efetuando pagamentos em prazos a serem negociados (Foto: Divulgação)

O grupo Odebrecht Agroindustrial, que comanda a Usina Santa Luzia, em Nova Alvorada do Sul, a 120 quilômetros de Campo Grande, informou que vai negociar prazos para o pagamento de parcelas que deveriam ser repassadas, há três dias, a proprietários que arrendam cerca de 80 mil hectares para plantio de cana-de-açúcar.

Em nota, o grupo não revela o valor das parcelas, mas garante que buscará alinhamento e consenso entre as partes, mantendo a relação de confiança e parceria de longo prazo já estabelecida. Segundo a presidente do Sindicato Rural de Nova Alvorada do Sul, Telma Menezes, o valor referente aos pagamentos pendentes é de aproximadamente R$ 1,5 milhão e essa é a primeira vez que ocorre atraso.

A Odebrecht complementa que "os parceiros agrícolas são peças fundamentais para a operação e como sempre foi feito, desde a fundação da empresa em 2007, todos os contratos serão cumpridos em sua integralidade".

Em Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, proprietários que arrendam mais de 50 mil hectares para outra usina do grupo já estão preocupados com os próximos pagamentos. Segundo o presidente do Sindicato Rural do município, Valdeci Pelizer, não houve atraso nas parcelas que ocorrem em datas variadas, mas o pessoal da empresa que gerencia os arrendamentos informou que não haverá pagamento nos próximos 120 dias. Valdeci tenta agendar uma reunião com o superintendente da Odebrecht no município, Luiz Paulo Santana, para ter uma informação oficial.

Motivos – Segundo a Odebrecht, a safra atual tem sido desafiadora e, desde 2008, o setor sucroenergético enfrenta desafios cada vez maiores por várias razões, que passam por fatores climáticos e ausência de políticas públicas de longo prazo para a matriz energética brasileira.

A empresa afirma que, mesmo com as dificuldades, segue com a visão estratégica de que o etanol, combustível brasileiro de fonte renovável, é um negócio de grande potencial para o país. Em nota, a Odebrecht sustenta que tem criado oportunidades para aumentar a competitividade do negócio, bem como otimizar a sua necessidade de capital de giro.

Apuração no HR conclui que não houve 'falha ética' em mortes no local
Uma investigação interna realizada pela direção do HR (Hospital Regional) de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande para apurar a mo...
Carreta da Justiça oferecerá serviços a partir do próximo dia 13
Carreta da Justiça, programa do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) que oferece serviços do judiciário de forma gratuita, chegará ao mun...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions