A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

31/05/2013 11:57

Velório de terena morto em reintegração tem ritual, protesto e acusação

Aline dos Santos e Viviane Oliveira, de Sidrolândia
Em velório, índios voltaram a culpar policial federal por tiro. (Foto: Vanderlei Aparecido)Em velório, índios voltaram a culpar policial federal por tiro. (Foto: Vanderlei Aparecido)

Com ritual para expressar tristeza e angústia, o velório de Oziel Gabriel, de 35 anos, acontece na sua casa, na aldeia Córrego do Meio, a 25 km de Sidrolândia. O caixão foi colocado sobre uma mesa e levado para a pequena varanda do imóvel. O velório acontece em clima de indignação e gritos de “Justiça”.

Veja Mais
Índios dão 24h para família sair de fazenda invadida em Aquidauana
Velório de índio morto em confronto pode ser suspenso para nova autópsia

Irmão da vítima, Jabes Gabriel, de 41 anos, relata que estava a 200 metros de Oziel. Segundo ele, o disparo partiu de um policial federal. Integrante de comissão de demarcação de terra, o cacique Benício Jorge, 51 anos, expressa revolta. “Estamos revoltados com os governantes do nosso país. A morte vai fortalecer o nosso movimento. Que seja responsabilizado quem autorizou a entrada da Cigcoe e da Polícia Federal”, afirma.

A morte de Oziel repercutiu pelo país. Em geral, o tom das autoridades foi de lamento. “Vamos apurar com muito rigor o que houve. Se houve abuso, todos os responsáveis serão punidos”, declarou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

O deputado federal Fabio Trad (PMDB) disse que a morte da desocupação da fazenda Buriti, foi uma tragédia anunciada. O arcebispo de Campo Grande, Dom Dimas Lara, lamentou o conflito.” Infelizmente um problema conhecido no mundo inteiro”, comentou sobre a disputa entre índios e fazendeiros em Mato Grosso do Sul.

A ação na fazenda Buriti durou nove horas, das 6h às 15h. A reintegração de posse, determinada pela Justiça Federal, foi cumprida pela PF (Polícia Federal), com apoio da PM (Polícia Militar). O imóvel rural pertence ao ex-deputado Ricardo Bacha.

Os terenas atearam fogo a ponte e casas na fazenda Buriti. A PF apreendeu armas artesanais, facões e duas espingardas. A fazenda foi invadida pelos terenas em 15 de maio. No mesmo dia, saiu uma decisão para que os índios deixassem o local. Mas a reintegração não foi cumprida e no dia 18 a decisão acabou suspensa até quarta-feira, quando foi realizada audiência na Justiça Federal.

 




Circo. Palhaçada. Essas ongs malditas de teroristas disfarçados incentiva violencia e depois arma um circo em cima. O pessoal do cimi devia estar na cadeia, por incitação ao crime. Funai deveria fazer uma limpa no seu quadro funcional e tirar esses imbecis que tratam indio como bucha de canhão. E o min cardozo nem venha botar cula no cumprimento de uma ordem judicial. a funai é responsabilidade dele. ele é o culpado. esses indios que ali estão são tudo vagabundos. se fossem gente de bem, estariam trabalhando e cudando de sua vida, não fazendo arruaça. Terra eles tem, mas fazem o que com ela? NADA, vivem de bolsa isso bolsa aquilo, vivem bebados e cheirados e vem com esssa porcaria de direitos de oubar as coisas dos outros? vamos parar com essa palhaçada. cadeia na liderança do movimento.
 
zuneide ferreira em 31/05/2013 16:56:21
o governo esta esperando uma tragédia maior isso e o que vai acontecer as coisas so funcionam assim
 
joao de souza em 31/05/2013 12:59:49
Uma pergunta, o que a "Guarda Nacional" está fazendo aqui no Estado? ...
 
elcio nunes em 31/05/2013 12:44:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions