A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


13/01/2016 11:46

Finalidades da comunicação de interesse público

Reinaldo Rosa
Xuxa na Record: problemas com a audiência? (Foto: Reprodução)Xuxa na Record: problemas com a audiência? (Foto: Reprodução)

QUEM QUER DINHEIRO – A comunicação falada e televisada serve aos mais desencontrados interesses de alguns privilegiados. Misto de radialista e eterno candidato a algum cargo eletivo, Marçal Filho oferece dinheiro para (in)felizardos premiado em seu programa de rádio, na Grande Dourados. Poucos votos, meu pirão primeiro.

Veja Mais
O espaço do futebol de MS nas emissoras locais
Pautas importantes passam batidas em noticiários locais

CAMUFLAGEM – No particular horário político fora de hora, o apresentador jura que o disputado dinheiro “é uma gentileza” de patrocinador do programa. Ao que parece, em Dourados, comerciante de pequeno porte não tem do que reclamar. Crise? Que crise?

TÁ NA CARA – No site da ’94 FM Dourados’ a editoria é feita especialmente para alienados e (e) leitores sem noção. Dez notícias estampadas na primeira página têm o título ‘polícia’. Desgraças periféricas de Dourados; Grande Dourados; Brasil e do mundo, têm especial destaque. Em tempo: são repercutidas no programa do ‘voz de veludo’, como diria um blogueiro local.

ALÔ VOCÊ – Abrindo o programa com cinco minutos de mensagem bíblica seguida de músicas sertanejas, o apresentador já indica a que segmento de ouvintes a atração se destina. Aumente o som que o inebriante Marçal Filho chegou.

DAQUI PRALI – Em Campo Grande, o deputado – e também eterno candidato a algo - Maurício Picarelli faz o mesmo. Há tempos. Editoria de notícias policialescas e tragédias familiares tem público certo. E fieis eleitores.

NOTA DENTRO – Jornalismo da TV Morena atende aos reais interesses do telespectador. Reportagens mostrando condições e precariedades de estradas estaduais são bem-vindas em qualquer tempo; com ou sem chuvas.

FAÇA QUE REFAÇO – Nas imagens ficam claras intenções de empresários apreciadores da economia burra. Casquinha de asfalto sobre terra não tem vida longa. Programados reparos não faz mal a nenhum empreiteiro; é pedra sob pedra. Simples assim.

ATACAREJO OUT – Retransmissoras de Campo Grande, que têm apenas um informativo, ficam em posição privilegiada. Determinadas matérias não precisam ser reprisadas em outros horários da grade jornalística. Lei do menor esforço.

NÃO TÁ NA HORA - 345 mil telespectadores em um universo de mais de 20 milhões (em São Paulo) assistiram ao ‘Programa da Xuxa’, na rede Record, nesta segunda-feira. Desde a estreia, em agosto de 2015, com cenário colado ao estilo de Hebe Camargo e joguinhos calcados em Silvio Santos de outrora, a atração da rainha tinha tudo para dar errado. E está dando.

VC NA COLUNA – “Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje chamo isso de amadurecimento”. CDA/BYYC

O espaço do futebol de MS nas emissoras locais
TABELINHA – Consagrado cronista esportivo de Campo Grande ‘veste uniforme’ para entrar em campo. Durante (longuíssimos) dois meses, radialistas do mu...
Pautas importantes passam batidas em noticiários locais
FILHOS DA PAUTA – Muitos pauteiros de plantão não dedicaram uma linha para assunto digno de discussão. No país que tem a Educação cantada em prosa e ...
Férias de notícias nas rádios é mudança certa de estação
RETROSPECTIVA E PERSPECTIVA – Melhor spot de rádio em 2016, mensagem do 'paraguaio' para marca de tereré continua líder neste início de ano. QUE M – ...
Crise nos presídios e a crônica policial fora de contexto
BANDIDO BOM, BANDIDO MORTO – Redes de TV exibiram farto material sobre mortes em presídios de Manaus e Roraima. Ministro da Justiça convoca reunião d...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions