A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


31/03/2014 10:03

Mãos dadas e mãos atadas

Reinaldo Rosa

NOVA ONDA - A migração da Amplitude Modulada para faixa de FM é um avanço para ouvintes mais exigentes em se tratando de qualidade de som e de empresários que aplicam neste item. Viciados sintonizadores das ondas hertzianas -ninguém vive sem rádio- festejarão a 'novidade' por algum tempo.

CAIXINHA, OBRIGADO - Por parte de empresários locais a nova fase representa aplicação de recursos em equipamentos e profissionais exigidos pelo setor. Sem perda de tempo e capital - inicial ou não -, o tempo é de colheita. O argumento de 'aplicação de recursos para melhoria de qualidade da emissora' atualmente é usado na busca de 'parcerias' público-privadas.

MESMICE CONTÍNUA - Caso seja conseguido o intento dos proprietários de emissoras, será apenas mais um capítulo do modus operandi praticado há anos. É remota a opção pela qualidade ao ouvinte. Novidade sonora sem nenhuma preocupação em fazer do rádio um equipamento de crescimento cultural e educacional da população. Rádio não é caixinha de música.

ESTAÇÃO PRÓPRIA - Jovens plugados 24 horas em celulares com gravações de músicas (independentemente da qualidade, isso é outra discussão) não sintonizam rádios por sentirem-se pouco motivados para tal. É uma comunidade que poderia aumentar audiência radiofônica caso houvesse visão empresarial voltada para os reais objetivos deste veículo.

INEBRIAR - Informação de qualidade, a matéria aprofundada, a reportagem interessante, a análise que ajude ouvintes no seu dia a dia, a tomar decisões, fazem parte de jornalismo pouco explorado em emissoras locais. As poucas e atuais atrações do setor são acanhadas; pela exiguidade de espaço e certa censura interna por parte dos proprietários. Amigos são para essas coisas.

SEM PEDIDOS DE OUVINTES - A migração de faixas, ao que parece, por motivações de bastidores, apresentará poucas modificações no crescimento da qualidade aos ouvintes. Programações viciadas, viciantes e insossas são o que descortina do novo cenário.

MERCADO ABERTO - Informação em tempo real acessada por quem tem menos de trinta anos; universitários voltados na busca do saber têm na internet inesgotável fonte de consulta. Apenas o rádio poderia fazer-lhe concorrência caso o jornalismo fosse melhor observado por donos de rádios. Há diferença entre a palavra 'donos' e 'empresários' do setor.

LIÇÃO DE VIDA - "(Informação) de qualidade é, antes de mais nada, uma questão de foco. É preciso declarar guerra ao jornalismo declaratório e assumir, efetivamente, a agenda do cidadão. Nosso papel é ouvir as pessoas, conhecer suas queixas, identificar suas carências e cobrar soluções dos governantes. O jornalismo de registro, pobre e simplificador, repercute o Brasil oficial, mas oculta a verdadeira dimensão do País real. Precisamos fugir do espetáculo e fazer a opção pela informação. Só assim, com equilíbrio e didatismo, conseguiremos separar a notícia do lixo declaratório". (Carlos Alberto Di Franco, em artigo de O Estado de São Paulo)

Caso da primeira-dama hackeada passou batido
EMPODERADO II – Talmir Nolasco, outro personagem histórico do rádio de MS, ‘deu um tempo’ aos microfones. Depois de atuar na campanha eleitoral do PS...
Rádio local disputa espaço com futebol na TV fechada
EMPODERADO – Personagem da história do rádio sul-mato-grossense, Nivaldo Mota atualmente dedica o talento em outras ondas. Em tempo real, entrevista ...
TV e federação também bagunçam o futebol local
ISTO É PLANEJAMENTO – Cronista esportivo informa a próxima rodada do campeonato sul-mato-grossense de futebol: “...caso não haja alterações durante a...
Nas rádios, só 'programação sertaneja' parece obrigatória
VOCÊ SABIA? – Através do convênio MEC-Abert é estabelecido o tempo de veiculação de conteúdo educativo obrigatório na programação das emissoras. Segu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions