A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


06/11/2013 09:01

O realista radialista

Reinaldo Rosa

BRANDÃO RIDES AGAIN - Matéria -extensa e esclarecedora- veiculada nos telejornais da TV Morena marca o fim do estaleiro do jornalista Nélio Brandão. Juntamente com Lígia Sabka e equipe, ele avisa que "ainda vem muito pela frente, é só aguardar", antecipa. A investigativa só colhe resultados se contar com fontes confiáveis.

Veja Mais
Horário engessado limita noticiário de emissora
Crise afeta dízimo e vida de TVs de evangélicos

REDE DE INTRIGAS - Devidamente autorizada pela justiça, a Polícia Federal acumula cerca de mil e duzentas horas de escutas telefônicas em seus arquivos. Segundo Nélio, todo o rebu que movimentaram matérias -e consequências- especiais "é só 20% do que ainda vai ao ar". Indigesta alquimia de molho de barba anunciada.

COMUNITÁRIAS - Criadas como órgão de maior aproximação com a comunidade, as chamadas Rádios Comunitárias mais parecem irmãs menores das rádios comerciais. O alcance é limitado, mas a gana financeira é crescente. E constante.

RÁDIO GRIFE - O leitor Alessandro Fernandes questiona sobre a ausência de parcerias com emissoras como Band FM, Jovem Pan e outras do território nacional. Malfadadas experiências mostraram que a programação dirigida aos mais diferentes rincões do país dificilmente consegue bons resultados. Não há espaço para noticiosos regionais e, para ficar sabendo do que acontece em São Paulo, Rio de Janeiro e adjacências basta o Jornal Nacional. Como, também, sugere comentário de Ramão Cabreira.

QUE ELITE? - Tema abordado pelo radialista Arthur Mário na rede social teve maior presença de público que o jogo entre Ubiratan e Operário. Nos campo das discussões o futebol do Estado não sai da série A. Ao menos isso.

FALA POVO - "A coluna "pré-seleciona" as críticas que recebe. Fato não? Então que tal começar com a disposição dessa coluna publicar as próprias observações contrárias escritas na mesma? Faça o que falo, mas não faça o que mando? Essa premissa ou colocação já foi faz tempo. Vamos colocar em prática a sugestão acima? Grato". Ricardo Piazza

R DO R - Caro Ricardo Piazza. Invariavelmente, este subtítulo (R DO R) refere-se a esclarecimentos de pontos de vista contrários manifestados por leitoras e leitores. Sou espectador privilegiado que emite opiniões que, nem sempre -ou necessariamente- têm de obter aval de quem 'visita' esta página. Ela é feita por todos nós. Um abraço e lembranças ao Wilson.

FALA POVO II - "Há uma penca de profissionais cuja a atuação se pauta pelo recebimento de verba públicas para o desempenho de funções. Não critico o lado tomado por profissionais numa disputa politica, por exemplo. O que é condenável é a troca do dinheiro que pertence ao povo, para definir opinião. A venda do espaço publicitário é legal. Até para o capeta. Correto. O lado escolhido pelos profissionais ou "proficionau" também não faço objeções. É questão de consciência de cada um. Mas vender sua opinião por verba pública, num país sério, deveria ser explicitado em ação penal, com possibilidade concreta de prisão sem direito a fiança, pois não é só a verba que é roubada. Mas a opinião e a informação pública". Ely Leal

FALA POVO III - "Ao comentário do Ely Leal quanto ao pagamento de "profissionais" seria possível acrescentar, se, além de espaço em rádio e TV, a verba pública também não poderia estar pagando locutores, motoristas, cinegrafistas, repórteres, recepcionistas, produtores, zeladores e congêneres para preencher esses espaços?". Avelino Neto

Homenagem da coluna aos radialistas do Estado pelo Dia do Radialista.

Transcrição de texto de Hélio Ribeiro, o poder da comunicação.

Eu sou o rádio.

Meu nome é rádio.

Minha mãe é dona ciência. Meu pai é Marconi. Sou descendente longevo do telégrafo. Sou pai da televisão. Fisicamente sou um ser eletrônico. Meu cérebro foi concebido e formado por válvulas. Minhas artérias são fios por onde correm o sangue da palavra. Meus pulmões são tão fortes que consigo falar com pessoas dos mais distantes pontos deste pequeno planeta chamado terra. Minha vitamina tem o nome de quilowatts. Quanto mais quilowatts me dão, mais forte fico e mais longe eu chego. Hoje, graças às baterias que me alimentam eu posso levar informações os contrafortes das cordilheiras, às barrancas dos rios; ao interior de veículos que trafegam no centro nervoso das grandes cidades, à beira plácida dos lagos, às cabeceiras dos doentes nos hospitais, aos operários nas fábricas; aos executivos nos escritórios, aos idosos que vivem só e às crianças que só vivem. Eu falo aos religiosos aos ateus, freiras, prostitutas, aos atletas, torcedores, presos e carcereiros, banqueiros e devedores. Falo a estudantes e professores. Seja você quem for, eu chego lá onde quer que você esteja. Ao meu espírito resolveram chamar ondas; eu caminho invisível pelo espaço para oferecer ao povo a palavra; palavra nossa de cada dia. Mas estou sempre sujeito a cair em tentação e às vezes não consigo me livrar de todo o mau. Onde nasci, meu pai me disse que eu tinha uma missão; ajudar a fazer um mundo melhor. Entrelaçando os povos de todas as partes deste planeta.

Meu nome é rádio; eu não envelheço; me atualizo. Materialmente sou aperfeiçoado a cada dia que passa; as grandes válvulas de meu cérebro foram substituídas por minúsculos componentes eletrônicos. Os satélites de comunicação, gigantescos engenhos girando na órbita deste planeta permitem, hoje, que eu seja mais universal, mais dinâmico e menos complicado como o meu pai Marconi queria que eu fosse.

Minha forma técnica tem sido aperfeiçoada a milhares de anos luz. Mas eu acho que, no todo, meu conteúdo precisa ser burilado, melhorado e aperfeiçoado. Tenho noção mas eu já perdi a conta do número de pessoas que eu ajudei ensinando o caminho, devolvendo a esperança, anulando as tristezas, conseguindo remédio, sangue, achando documentos perdidos, divulgando nascimentos e passamentos. Mas não sou tão velho assim como possa estar parecendo. Na verdade, um dos meus principais interesses é fazer com que as pessoas vivam mais alegres. Por isso passo grande parte de meu tempo ensinando as pessoas a cantar e dançar. Minha grande vontade é de ser amigo; sempre. O amigo que todos gostariam ter. Útil nas horas certas, alegre nas brincadeiras e responsável. Sempre. No esporte, estou sempre em cima do lance; nos dois lados da bolinha de tênis ou de voleibol. E lá vem bola, na área do futebol; jogou na cesta, tô lá; nadou, pulou, saltou, girou, gritou, gol.

Pode ser no pequeno clube de periferia ou nos grandes estádios olímpicos. Tenho noção da minha força política. Com uma notícia que dou eu posso ajudar a eleger o diretor de um clube ou derrubar um presidente. Entendo minha grande responsabilidade de agente acelerador das modificações sociais. E morro de medo que me transformem um mentiroso alienador. Sem querer ser vaidoso eu posso até afirmar que se eu não tivesse nascido o mundo não seria o mesmo. _

Meu nome é rádio. Eu não quero ser mal entendido; eu sou apenas um instrumento que, para fazer tudo isso que eu disse que faço eu preciso de uma equipe de seres humanos. Humanos. Que não tenham medo do trabalho, que entendam de alegrias, emoções, fraternidade, que saibam sentir o pulso do campo e o coração das grandes cidades e que tenham a noção básica de que tudo aquilo que fazemos é para conquistar ouvidos e melhorar pessoas. O que jamais conseguiremos se nos esquecermos de que a minha existência se deve ao número daqueles que me ouvem; o rádio vale pelo volume e qualidade de seus ouvintes. Poderia fazer muito mais. Mas às vezes falta dinheiro para fazer tudo que quero.

Eu sei que posso realizar o sonho de meu pai Marconi e mudar o mundo para melhor. Outro dia, fiquei muito triste quando ouvi um tal de Hélio Ribeiro dizer que eu, o rádio, sou a maior oportunidade perdida de melhorar o mundo. Eu sou apenas um instrumento. Preciso de gente que me entenda, que me respeite e me ajude a cumprir a minha missão. Ah! Com muita alegria. Se possível. Parte inferior do formulário.

Horário engessado limita noticiário de emissora
PLANO DE VOO – Segunda-feira, às 4h10, o ‘Plantão da Globo’ anuncia a queda do avião com a delegação do Chapecoense. Um minuto após, volta a exibição...
Crise afeta dízimo e vida de TVs de evangélicos
MILAGRE ECONÔMICO – Com a crise econômica nos últimos anos, os fiéis de igrejas evangélicas sumiram dos templos e murchou a principal fonte de pagame...
Jornalismo local está cada vez mais nas redes sociais
ASSISTINDO AGORA – Uma semana do novo ‘Tribuna Livre’, na Capital FM, com transmissão, também pelo Youtube. A novidade ainda não empolgou a linha de ...
Rádios locais praticamente ignoram produção premiada
FAMOSO QUEM – Almir Sater e Renato Teixeira estão incluídos em pequeno nicho de emissoras de Mato Grosso do Sul que executam suas músicas na programa...



Emissora penduradas em: Cbn, Band, Transamérica, Globo e outras, para mim é nada mais nada menos que sinal de incompetência, administrativa local, um empresário de rádio que compra uma o concessão de rádio, e pendura a mesma em programação de um outro estado,lavando as mãos com os problemas locais e regionais, para mim fazer isso, e o mesmo que pega a sua rádio e arrendar a mesma para para um segmento religioso qualquer, deixando profissionais de sua cidade e de seu estado, sem emprego, Poooxa vamos deixar de demagogia barata, esses caras que escrevem aqui essas asneiras, não entendem nada de rádio, ou da grandeza dele, não sou da área mas admiro o trabalho desse jovens e veteranos profissionais do rádio, e suas diferencias. Band, globo, Cbn, tão nem ai pra nós do interior do Brasil.
 
marconi Suassuna em 06/11/2013 20:47:08
Sou da cidade de Presidente Prudente, moro aqui atualmente, e várias emissoras de rádio em P.Pte têm parceria com emissoras de São Paulo (Jovem Pam -a melhor-, Rádio Globo e Rádio Bandeirantes), e a programação é excelente. Há espaço para a programação local e nacional. Principalmente no esporte, em que tanto P.Prudente como C.Grande são fracos e, portanto, não há muito que se falar, aproveita-se muito a programação de centros maiores, com várias transmissões ao vivo de jogos e programas esportivos excelentes. Os donos das emissoras locais de C.Grande precisam abrir os olhos para esse aspecto.
 
Sergio Antonio Marangoni em 06/11/2013 14:20:08
Já faz um tempinho que solicitei ao colunista onde encontro os comentários deixados e publicados ,mas até agora não me disseram, no concorrente consigo ver todos os comentários que ja fiz desde 2007 até os dias atuais ,seria bom que aqueles que acessam o CN tivessem a chance de poder achar os comentários que fez,pois a participação de quem deixa postada publicamente sua opinião é ponto a favor da empresa e dos colunistas ,outras pequenas imperfições existem mais hj estou muito ocupado para enumerá -las outro dia volto para dizer ,abraço a todos ,mesmo aqueles que fazem radio e televisão,tem muita coisa errada ,mas tem muito que se aproveita.
 
roberto wolf em 06/11/2013 13:00:11
Li. Reli. E li uma outra vez... E não encontrei o que serviu de mote ao título "O realista radialista".

Como minha inteligência é pouca, pergunto: o título é, por si só, todo o corpo da matéria?
 
Eraldo Maciel em 06/11/2013 12:43:06
Um belo texto, porem, o pai do radio é Nikola Tesla, hungaro, fez a primeira transmissão de ondas de radio em 1894.
 
Daniel borges em 06/11/2013 10:03:40
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions