A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


05/06/2013 14:45

Seria esta a rádio que merecemos?

Reinaldo Rosa

HÁ VAGAS – Boa (?) notícia para quem –ainda- sintoniza a faixa de Amplitude Modulada, em Campo Grande. Vêm aí mais vereadores para ocuparem espaços que não lhes pertencem. Na falta de determinação da futura sede que os abrigará, alguns montam seus ‘gabinetes de trabalho’ na rádio Difusora.

Veja Mais
Profissionais de rádio se aventuram na internet
Horário engessado limita noticiário de emissora

SHOW DA MANHÃ – A partir das sete horas, aos sábado, a emissora contempla seus ouvintes com verdadeiro show de músicas gospel (dane-se quem não goste); ‘recramações’ e anseios do povo. Até às oito horas, comando do vereador Coringa; de oito as dez, vereador Bueno e seu linguajar característico de apresentador da roça.

DESGRAÇA POUCA – Descontente com apartes da tribuna da Câmara municipal, mais um vereador, de codinome Carlão, resolveu, também, aplicar parte da verba de divulgação de atividades parlamentares. Onde? Na ‘rádia’. A partir de dez hora e, até ao meio dia, o caro edil falará sobre o que anda fazendo. Assim, o ‘show da manhã’ de sábado da Difusora completa-se.

RUIM SEMPRE PODE PIORAR – Difusa em suas ações, como o próprio nome indica, a emissora abre espaço para a diversidade dos sexos. Levantando a bandeira de defensora de pobres e oprimidos, vereadora Graziele Machado repicará sua voz aos mais longínquos rincões através das potentes ondas do rádio. Na chamada AM Oficial (Difusora, claro) a parlamentar já negocia seu futuro aconchego. No ar, em breve. Aguentemos. Ou não.

PERGUNTAR NÃO OFENDE – Ao tabelar o preço do aluguel do espaço a ser ocupado, além do fiador, ela (a emissora) questiona sobre o número da DRT dos futuros apresentadores? Acho que não; a dispensa de avalista é compensada pela garantia da verba de divulgação das atividades de invasores parlamentares.

ORA, A LEI – Associações representativas de jornais e de jornalistas discutem, há tempos, regras que regularizem o desempenho da atividade da comunicação. Um dos objetivos –em respeito à sociedade como um todo- é que comunicadores sejam devidamente habilitados para tal. Simples assim.

OUVIDOS MOUCOS – Dirigentes de emissoras que se submetem às exigências do Ministério das Comunicações sobre concessões para exploração de radiodifusão conhecem a legislação correspondente. Ou deveriam conhecer. Em nome da publicidade fácil ficam na base do ‘hãm?’.

SINDICATOS DA TERRA DO NUNCA – Entidades representativas dos verdadeiros –e habilitados- profissionais de comunicação jogaram a toalha. Sindicato dos Jornalistas Profissionais do MS identifica os fora-da-lei e confessa impotência ante o delito; o de Radialistas idem. Fazer o quê, né?

ACALANTO – Aos profissionais que, de fato e de direito- poderiam estar na atividade radiofônica, resta o conformismo ante o desalento de saber que colegas seus, na direção de emissoras, praticam esse ‘crime doloso’. Quando há intenção de matar as regras que deveriam respeitar.

DIRETO DE SAMPA – Peço desculpas aos leitores deste espaço pelos atrasos; em São Paulo tudo é muito corrido e o tempo escasso. Programações musicais das rádios dedicam poucos minutos para a publicidade (interessantíssimas) e os noticiosos duram, em média, até três horas.

VIVENDO APRENDENDO – Na Band News; Boechart como âncora; Rui Castro, do Rio de Janeiro, como correspondente; boletins do Macaco Simão; esporte com Milton Neves.... É mole um informativo assim? Abraços e até a volta às nossas Morenas.

Profissionais de rádio se aventuram na internet
RÁDIO PRA QUEM QUISER – Amor ao rádio provoca mudança de tratamento no segmento; profissionais fora do escasso mercado radiofônico local ‘fundam’ as ...
Horário engessado limita noticiário de emissora
PLANO DE VOO – Segunda-feira, às 4h10, o ‘Plantão da Globo’ anuncia a queda do avião com a delegação do Chapecoense. Um minuto após, volta a exibição...
Crise afeta dízimo e vida de TVs de evangélicos
MILAGRE ECONÔMICO – Com a crise econômica nos últimos anos, os fiéis de igrejas evangélicas sumiram dos templos e murchou a principal fonte de pagame...
Jornalismo local está cada vez mais nas redes sociais
ASSISTINDO AGORA – Uma semana do novo ‘Tribuna Livre’, na Capital FM, com transmissão, também pelo Youtube. A novidade ainda não empolgou a linha de ...



A falta de qualidade no que é exibido nas rádios acabou por destruí-las, o que sobrou foi herdado por pessoas que comercializam a opinião dos mais humildes.
 
Rodrigo Lerias em 06/06/2013 13:52:58
Que injustiça atribuir as rádios o enxame de políticos que infestam os meios de comunicação, se tudo a eles pertence, se não como se explica veículos de chapa branca? e a televisão está também infestada de políticos tapeando as velhinhas com programas de medicina, populistas, sorteios de sacolão, etc. tudo para garantir votos. E na tv os erros são grosseiros com apresentadores em nível nacional dizendo Ispanha, futibol , iscola, e uma infinidade de absurdos que se ouve. Contem quantos erros durante o jornal nacional e verão que as rádios AM nem servem para referencia em erros e abusos dos políticos.
 
Horlando P. de Mattos em 06/06/2013 12:00:28
..."É que eu moro em Paris...não sabia que tinha rádio em Campo Grande"...
 
Marco Aurélio Gonçalves Chaves em 06/06/2013 10:03:24
Meu preclaro amigo Flávio Márcio... fazer o que? Diante disso tudo que está acontecendo, o que nós profissionais ou ex-profissionais e pobre mortais podemos fazer diante dos caras que têm grana pra pagar os horários? Olha... eu sou do tempo em que para ser locutor, tinha que no mínimo, mas o básico mesmo, como dizem hoje, o "basicão" (rsssrs), saber as concordâncias verbais, saber coletivos, além é claro de ter uma boa dicção , no popular: uma boa voz! Hoje, pra trabalhar nas "RÁDIAS" - como frisou o colunista - basta apenas falar errado, tipo: O PESSOAL CHEGRAM... AGORA EM CAMPO GRANDE SÃO MEIO DIA!.. e saber dar boas gargalhadas.. esses por um salário mínimo, com certeza estarão ou estão empregados... como digo sempre e eu na praça dando milho aos pombos... mas valeu Flávio!
 
Gilson Giordano em 06/06/2013 07:50:57
As rádios viraram verdadeiros palanques de políticos em campanha permanente e a justiça eleitoral não vê isso?.
 
Delavi Cicon em 05/06/2013 21:14:45
e o resto deputado Picarelli todas as tardes na FM 97, na FM 97 tambem um vereador, cobrindo o horário do Prefeito todos os dias, na FM 97 aos sábados vereador Wanderlei Cabeludo, então danem-se nós pobre mortais e burrais
 
clelia lucia machado em 05/06/2013 16:51:04
é lamentavel esta situação. quem é formado não tem espaço
 
NELSON BATISTOTE em 05/06/2013 16:41:45
Já se foi o tempo em que ouvir as rádios de Campo Grande era para descontração, lazer e informação. Hoje em dia é palanque político ou mesmo púpito para pregação religiosa, e pior ainda, são as informações de cunho tendencioso dos mais variados tipos. Os profissionais da comunicação, esses estão sendo enterrados, pois o que estão assumindo, tirando o políticos e os religiosos, já mencionados, os que correm por fora, são de um mal gosto na forma e no conteúdo em se comunicar com os ouvintes. No meu caso, com 10 minutos e tentando todas as rádios de campo grande, acabo por desistir de ouvir mais alguma coisa e mudo para opção CD ou AUX . Eu acho que não estou sozinho nesse procedimento e sugiro realmente que os VERDADEIROS profissionais da comunicação façam alguma coisa pra melhor.
 
Flávio Márcio em 05/06/2013 16:26:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions