A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016


  • De olho na TV
  • De olho na TV

    com Reinaldo Rosa


25/11/2013 08:57

Vídeo Show Zeca Camargo

Reinaldo Rosa

MISTURA FINA - O 'modelo' de rádio exercido em Mato Grosso do Sul leva a situações inéditas. Para dizer o mínimo. Empresários da comunicação impõem velhas formas administrativas e, pelo escasso mercado de trabalho, radialistas desempenham funções de acordo com verdadeiro samba do doido.

Veja Mais
Profissionais de rádio se aventuram na internet
Horário engessado limita noticiário de emissora

CONCORRÊNCIA ASSIMILADA - Elson Pinheiro faz parte da equipe do Tribuna Livre, na FM Capital. Parte deste grupo, a Capital AM tem programas esportivos - com comentários e transmissões de futebol. O competente locutor citado faz a mesmíssima coisa na Difusora AM. Falta ética; e não é da parte dos profissionais.

SEM REGISTRO EM CARTEIRA - A prática de admissão de profissionais sem o devido registro em carteira os deixa leves e soltos para - até - atuar em emissoras diferentes ao mesmo tempo. A estranha forma de poder obriga radialistas se sujeitarem à procura de patrocínio (como se fossem vendedores de espaço) e produzir programas jornalísticos. Entenda quem puder.

COMODISMO RENDE - Lei das Concessões obriga emissoras reservarem espaços para noticiosos radiofônicos. Burlando a determinação, empresários colocam na programação pífios boletins informativos (com o DJ de plantão). Jornalismo -com uma hora de duração- só se for para interessados locadores. Seriedade empresarial guaicuru.

SEGUNDO DE FAMA - Goleada do Palmeiras em cima do Ceará, no sábado, serviu aos objetivos do 'Doutor" Francisco Cesário. Apareceu durante um segundo na Rede Globo. Caso a TV Guanandi tivesse maior - e verdadeira - parceria com a Band, tudo seria diferente.

AUDIÊNCIA CARA - Com salário -fora penduricalhos- calculado em R$ 500 mil mensais, Zeca Camargo conseguiu programa pessoal, na rede Globo. Seguindo o estilo Faustão, ele consegue aparecer mais do que os convidados na atração do início das tardes. Vai cansar a imagem.

LANCHINHO DA TARDE - Inexplicável a presença de auditório num programa que tradicionalmente era de bastidores da emissora. Ao personificar seu chato apresentador a produção perde a finalidade.

AMOR À VIDA - E desprezo à inteligência de aficionados em novelas Globais. Cesar (Antonio Fagundes) vai ficar cego graças às maldades da esposa; que irá traí-lo com Nino - com a presença do médico em casa - e, como cereja do bolo, a presença de Anitta em merchan da Grendene. Coloquemos aquela bolinha vermelha no nariz.

FALA POVO - "Tenho certeza que Ricardo Córdoba Ortiz e Lucio Maciel não autorizaram esse cidadão Cesar Moura DRT/MS 054 a falar em nome do Sindicato. Confesso que ao longo da minha carreira de radialista e depois jornalista profissional diplomado, não me lembro deste moço trabalhando em rádio como locutor ou outra função dentre as muitas em nossa profissão. Para falar dessa foram arrogante e incompreensível (Não entendi nada do que ele quis dizer) dá a impressão que ele tem uma vasta experiência. Menos Cesar, menos. Alô Ricardo Ortiz, Lucio Maciel". Ramão Duarte Cabreira

FALA POVO II - "Tenho sonho de ser radialista. Em São Paulo, tem curso profissionalizante de radialismo. Por que em Campo Grande, não tem?" Gilson de Oliveira Cano

R DO R - Curso profissionalizante em 'radialismo' existe em cidades nas quais profissionais de rádio são respeitados; em todas suas formas. Portanto, se acha que tem talento, aventure-se. 

Profissionais de rádio se aventuram na internet
RÁDIO PRA QUEM QUISER – Amor ao rádio provoca mudança de tratamento no segmento; profissionais fora do escasso mercado radiofônico local ‘fundam’ as ...
Horário engessado limita noticiário de emissora
PLANO DE VOO – Segunda-feira, às 4h10, o ‘Plantão da Globo’ anuncia a queda do avião com a delegação do Chapecoense. Um minuto após, volta a exibição...
Crise afeta dízimo e vida de TVs de evangélicos
MILAGRE ECONÔMICO – Com a crise econômica nos últimos anos, os fiéis de igrejas evangélicas sumiram dos templos e murchou a principal fonte de pagame...
Jornalismo local está cada vez mais nas redes sociais
ASSISTINDO AGORA – Uma semana do novo ‘Tribuna Livre’, na Capital FM, com transmissão, também pelo Youtube. A novidade ainda não empolgou a linha de ...



Gente, que coisa, meninos se comportem,as emissoras de rádio do Ms, tem bons profissionais, estive ai e gostei muito do que eu ouvi, rádio é isso mesmo em todo lugar do mundo, o rádio é mágico por causa disso. Em relação a bons ou más profissionais também é assim em todo lugar, o que temos que ver, além de ser bom ou mal profissional temos que observar se é bom ou mal caráter. Não importa se é ou não pós graduado,doutorado, especialista nisso ou naquilo, 10 20 ou 30 anos de profissão se for um mal caráter, se o nível de profissionais da cidade é tão ruim assim como falam, e tem profissionais, com tanto conhecimento diploma e tempo de serviço como li, fora do ar, alguma coisa de errado existe com o mesmo.Que tal rever opiniões ou conceitos. Abraços desta humilde locutora do (PR)
 
Cásia Moura Benites em 26/11/2013 22:46:58
Eli Leal,REPUTAÇÃO:Ato ou efeito de reputar; apreciação; prestígio(em resumo).Não me deves nada,como disse no outro comentário,conheço pessoas no meio e sei q esteve em algumas rádios pedindo uma colocação(pra ganhar o mísero salário) e teve o velho "tapinha nas costas"como resposta e o "qualquer coisa te ligo".È uma pena, pq se vc tiver com a mesma qualidade dos anos 90,faria a diferença positivamente.Por enquanto,tem ajudado pouco,usando termos como:ruindade geral, boboquinhas. Soa como despeito e por favor deixe o site da sua empresa na coluna, pra acompanharmos o seu trabalho,a única mídia digital q tenho visto o seu nome é aqui no CGNews. Me cansei de pessoas q comem "bife de fígado e querem arrotar tibone"(Ès assim?).Se te ofendi, me desculpe.Só acho q vc é melhor q isso. Boa sorte!
 
arlindo gaspar em 26/11/2013 22:02:27
Ramão, talvez tenha cometido um erro muito de grave de comunicação quando comentei aqui neste espaço sobre algumas pessoas que usurpam de profissões regulamentadas, e com tudo você só leu depois de publicada em outra janela da coluna, espero que releve o mal entendido, quanto a parte da intelectualidade podemos conversar, talvez eu não tenha um curriculum tão vasto quanto que o senhor diz ter, mas depois dos 40 a vida exige bem mais que intelectualidade avassaladora!
Um abraço e vamos a luta
Cesar Moura
 
cesar moura em 26/11/2013 16:54:12
Caros Roberto Frazão e Cesar Moura, para ser Diretor de "Formação do Sindicato" da forma como Cesar se colocou dá a impressão que tem um capacidade intelectual avassaladora. O sindicato não parece estar de bem com os profissionais pelas críticas ásperas que tem recebido. Sobre o Cesar Moura sei de onde é. Tacuru. Ligado a partidos políticos e que muito pouco tempo tem para se dedicar a "formação" no Sindicato. Sim, sou eu mesmo. Filiado ao PT até hoje e amigo pessoal do ex-governador e hoje Vereador Zeca do PT. A minha formação intelectual devo muito ao Zeca. Diplomado em Jornalismo, Pós-Graduado em Docência do Ensino Superior e atualmente Mestrando em Ciência da Comunicação do Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Estou a disposição dos amigos Lúcio Maciel e Ricardo Oritz.
 
Ramão Cabreira em 26/11/2013 13:58:32
Arlindo Gaspar. Estou de Volta a Campo Grande para tocar um projeto meu, bem longe do rádio. Sou sócio-proprietário de um veículo de comunicação impresso e mídia digital. Não volto para o rádio em Campo Grande porque não vivo com a miséria salarial, indignidade profissional e a ruindade geral, com algumas boas exceções. Quanto a minha reputação, o Sr. tem algo a declarar aqui ou em Juízo? Se tiver fique a vontade que terei o maior prazer em aciona-lo. Ainda com relação a minha reputação, pessoas com capacidade no meio radiofônico me concedem o privilégio de ter-me em alta consideração. Não quero obriga-lo a se lembrar de mim. Estive fora por 10 anos. E venho debater aqui para deixar a opinião de quem tem experiência e pode contribuir para o debate.
 
Ely Leal em 26/11/2013 12:07:55
Arlindo e Ronaldo, muito boas suas observações. De fato há pouca condição para o sindicato efetivamente representar a categoria. A arrecadação mensal da entidade é irrisória. Mal paga suas despesas operacionais, que são várias: salário da secretária, encargos, aluguel, telefone, energia, água, internet, o cafézinho, correios, etc, etc, como qualquer "empresinha". O sindicato reúne sim os empregados para discutir os acordos coletivos de trabalho, onde há, em muitos, benefícios como plano médico, auxílio-alimentação, anuênio...Concordo que o principal problema é a falta de interesse dos profissionais em se dedicar ao sindicato, atuando em favor de uma categoria que não se filia à sua entidade. Que cobra, que critica, mas que não faz nada pra ajudar. Mal dos "comunicólogos". Abraços.
 
Lúcio Maciel em 26/11/2013 11:37:42
Rachei de rir lendo esses comentários, incrível como pessoas que se dizem profissionais da comunicação cometerem tantos erros de português, principalmente se tratando de concordância e tempo verbal, que vergonha para a categoria!!!
 
Rose Ávila em 26/11/2013 11:06:42
"EUREKA!" agora acho que sei porque alguns supostos "radialistas ou locutores de rádio" como queiram, vem aqui esbravejando que é profissional e que tem 20, 30, 40, 100 anos de profissão e a maioria dos ouvintes nunca ouviram falar deles, está claríssimo, são locutores do programa "hora do Brasil", programa que todos sabem que existe, mas, ninguém houve.
 
Antonio Mazeica em 26/11/2013 10:26:09
Os comentários na sua coluna Reinaldo-na pauta rádio-mostra o quanto essa categoria é (des)unida.Se vê(lê) profissionais das antigas se farpeando todo dia,alguns querendo nos obrigar a fazer uma retrospectiva mental para q sejam lembrados.O Eli Leal lembro dele, era um bom locutor,mas me pergunto?Que cargas d'água o trouxe de volta a C.G,se tivesse uma reputação tão boa quanto a sua qualidade comunicando(anos 80 e 90 era bom),estaria na ativa ou está estudando propostas?Quanto ao Sind.dos radialistas(tenho bons amigos na área)oq se comenta é a total falta de apoio a classe.Não se promove reuniões,não tem assessoria jurídica,sem sede própria.O Lúcio é uma boa pessoa,o Ortiz tbém,mas eles não tem a gana de um sindicalista,falta vontade,comprometimento.Radialistas se respeitem e se unam! .
 
Arlindo Gaspar em 26/11/2013 01:52:34
Falando em locutor esportivo, o narrador Elson Pinheiro, deu mais um show no jogo do palmeiras, estive no estádio e assisti o jogo enfrente da cabine da rádio, o cara é bom mesmo, só vendo para se ter uma noção que a profissão de narrador esportivo não é pra qualquer um, outra coisa, vai um alerta ao narrador, pare de fumar é um cigarro atrás outro e grita gol como ninguém, não sei de onde vem tanto fôlego, a equipe da rádio difusora até a cabine dos caras é diferenciada, ar condicionado frigo- bar, cadeira giratória, porta de bilndéx, éeé! só falta futebol. ABRAÇO A TODOS.
 
edmar do carmo em 25/11/2013 20:56:34
Se o sindicato é criticado por inoperância na capital, imagine a situação aqui no interior. No início de nossas transmissões no Estadual de Futebol de MS, em 2011, encontrei, em uma das jornadas em Campo Grande, um experiente cronista esportivo que naquele momento não empunhava um microfone de rádio, pois transmitia o futebol para um site. Indagado sobre o motivo ele respondeu: “falar em rádio de Campo Grande, de cada dez palavras nove têm de ter erros de português”. Por aqui é pior!!!
 
Ronaldo Regis - Aquidauana/MS em 25/11/2013 20:50:58
E só mais uma coisa para os boboquinhas que ficam aqui falando abobrinha. Em 1988, somente duas pessoas sacrificaram suas carreiras na greve dos Radialistas. Karina Ketty e Eu. Perdemos o emprego e tivemos que ir embora de Campo Grande. Desde lá, critico o Sindicato porque NENHUMA empresa de radiodifusão em Mato Grosso do Sul registra o funcionário como manda a Lei. NENHUMA. Desafio qualquer um a provar o contrário. Portanto o Sindicato, acredito eu, tem duas missões para justificar sua existência. 1º) - Obrigar a classe patronal a cumprir a lei no registro em carteira do profissional. 2º) - Tirar os políticos para-quedistas que ocupam lugar na profissão. O resto é balela! (Ely Leal - DRT 107/MS)
 
Ely Leal em 25/11/2013 17:18:24
Caro Ramão, você não deve me conhecer mesmo, até por que o seu despreparo em comentar o assunto denota sua ausência de conhecimentos, mas somente para esclarecer o sindicato trabalha bem de perto com os trabalhadores em radio e televisão do estado do MS, se acaso o senhor precisar de mais detalhes pergunte a quem trabalha, ou faça nos uma visita antes de levantar ataques a quem está tentando fazer algo.
Cesar Moura
 
cesar moura em 25/11/2013 15:00:18
Sr. Manoel Sobes, o Sintercom tem apenas uma secretária, que, tenho certeza, trata as pessoas com respeito. Não "rodei", meu caro. Pelo contrário, exerço hoje uma função importante em Campo Grande e, devido a isso e a esse momento conturbado que infelizmente a capital vive, achei por bem licenciar-me da presidência do sindicato por 120 dias, conforme o Estatuto prevê. Por fim, o senhor desrespeita os profissionais que de maneira honorífica contribuem com a categoria trabalhando em prol da entidade. Acesse o site do sindicato e veja que todos os nossos diretores são radialistas com DRT, em diversas funções das 94 que compõe a profissão de radialista.
 
Lúcio Maciel em 25/11/2013 12:55:30
Esse Cabreira por acaso não é aquele que respondeu na turminha do Zeca? então Cabreira eu conheço o Cesar Moura e sou amigo dele a muito tempo, quando trabalhou na Grande FM, Transamerica, Band, o cara é um bom amigo tem muito mais experiência que você imagina, conheça as pessoas antes de falar amigo. R.
 
Roberto Frazão em 25/11/2013 10:36:59
Prezado Ramão,
Em primeiro o Sr. Lúcio Maciel rodou, não é mais presidente, e segundo também nunca ouvi falar desse Cesar como radialista, alias, disso o sindicato esta cheio de falsos radialistas e de péssimos funcionários. Grande abraço
 
manoel sobes em 25/11/2013 10:27:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions