A notícia da terra a um clique de você.
 
01/04/2016 08:22

Conheça Malak, uma criança refugiada da Síria, e comova-se

Mário Sérgio Lorenzetto
Conheça Malak, uma criança refugiada da Síria, e comova-se

A Unicef, organismo da ONU, calcula que 8 milhões de crianças sírias, dentro e fora do país, precisam de apoio humanitário. A história de Malak é real. Tal como a de Ivine, apresentada nesta coluna ontem e a de Mustafá, que será apresentada amanhã. Comova-se com os sentimentos das crianças.

Veja Mais
Os governantes que ouvem os cidadãos
Prefeituras iniciam decretos de calamidade financeira

Conheça Malak, uma criança refugiada da Síria, e comova-se

Mentir requer mais esforço do cérebro do que falar a verdade.

O comportamento de mentir evoluiu em função das vantagens de sobrevivência e de reprodução, que nossos antepassados mais remotos obtiveram ao enganar os outros. A mentira não pertence apenas aos humanos, ela está na natureza. Animais e plantas se disfarçam para evitar predadores, ou para enganar suas presas. Mentir é um comportamento muito mais corriqueiro do que imaginamos.
Em uma das pesquisas sobre esse assunto, os participantes mentiam pelo menos uma vez a cada oito minutos. Mas um estudo utilizando ressonância magnética procurou mapear os circuitos neurais envolvidos na mentira, e descobriu que quando os participantes mentiam aumentava a atividade dos neurônios das regiões do córtex e do cíngulo. Portanto, mentir não é para preguiçosos, requer mais processamento e esforço do cérebro do que falar a verdade.
Também mediram o tempo de reação dos indivíduos que mentem e verificaram que uma resposta sincera levava meio segundo, enquanto as respostas mentirosas requeriam maior processamento cerebral , levando o dobro do tempo, mais de um segundo.

Conheça Malak, uma criança refugiada da Síria, e comova-se

Como envelhecer com uma mente ágil?

Muitos idosos com medo dos lapsos de memória, lentidão no raciocínio e outras perdas decorrentes do envelhecimento cerebral, passaram a usar parte do tempo com jogos para o cérebro (brain games). O Centro para longevidade de Stanford, na Califórnia, foi um dos primeiros a reagir. Divulgou um documento oficializando a falta de comprovação da eficácia dos jogos. A declaração assinada por uma equipe de neurocientistas e especialistas em cognição, afirma que esse tipo de estratégia ignora o fato de que um único meio de exercitar determinada habilidade não garante que o ganho seja levado a outras situações da vida.
Hoje, não há dúvidas de que o cérebro continua plástico (assim como os músculos, o cérebro adapta-se aos estímulos que recebe) em qualquer idade e quanto mais se exercita, mais se afastam as chances de grandes perdas cognitivas. Qualquer atividade que exija concentração é mais indicada que o sedentarismo mental. Mas o envelhecimento cerebral é complexo e soluções rápidas e milagrosas, por mais inofensivas que pareçam, soam exageradas e ilusórias. É como imaginar que palavras-cruzadas podem evitar ou reduzir os danos do Alzheimer.
Os cientistas alegam que o tempo que se passa jogando ou fazendo palavras cruzadas é, de fato, melhor do que estar sentado em frente à TV, mas seus benefícios são menores dos que os trazidos por atividades cotidianas mais amplas como por exemplo: brincar com os netos, em seguida, viajar, continuando com a prática de esportes competitivos, ao mesmo tempo que participa de encontros sociais e ainda aprendendo novas habilidades como o artesanato ou um idioma estrangeiro qualquer. Esse exemplo é de um conjunto de atividades cerebrais com resultados mais sólidos e duradouros. Uma mente sem desafios é como um corpo sedentário. As conexões cerebrais funcionam na lógica do "use ou perca". O que não é praticado, o cérebro descarta.

Conheça Malak, uma criança refugiada da Síria, e comova-se

A lista dos celulares que não poderão usar o WhatsApp.

O WhatsApp é o maior fenômeno da comunicação em todo o mundo ocidental. Mais de um bilhão de pessoas o está usando neste momento. Transmite mais de 42 bilhões de mensagens e 250 milhões de vídeos todos os dias. Um dos segredos de seu tamanho descomunal está no fato de que ele surgiu para ser compatível com celulares de todas as marcas e plataformas. Mas, ao final de 2016 muitos aparelhos não receberão mais o WhatsApp, são eles: BlackBerry, Nokia S40, Nokia S60, os celulares com plataforma Android 2.1 e 2.2, além do Windows Phone 7.1.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.