A notícia da terra a um clique de você.
 
15/09/2015 08:10

Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente

Mário Sérgio Lorenzetto
Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente

O lixo que virou "presente". Uma história de esperteza.

Veja Mais
Os governantes que ouvem os cidadãos
Prefeituras iniciam decretos de calamidade financeira

Em uma das greves dos garis de Nova York a coleta do lixo foi paralisada por duas semanas. A cidade ficou entupida de lixo. As pessoas foram proibidas de colocar o lixo nas calçadas ou em terrenos. Tinham de guardar o lixo dentro de suas casas e apartamentos. Uma ideia fétida e perniciosa à saúde. Um sujeito criou uma alternativa para se desfazer de seu lixo. Comprou várias caixas de papelão, papel de presente e fitas de embrulho. Embalou seu lixo nas caixas, revestiu-as com o papel e amarrou com as fitas elegantes. Colocou as caixas no porta-malas do seu carro e foi até uma esquina bem movimentada. Depositou as caixas no chão e foi a um bar. Tomou um refrigerante, comeu um sanduíche e ficou observando o destino das caixas. As pessoas passavam, olhavam as caixas com curiosidade...Surgiram alguns "espertalhões" e levaram as caixas para suas casas. Uma história da esperteza que envolve o lixo...

Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente
Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente

A Universidade Federal está sendo governada pelo comando de greve.

A maioria dos cursos da Universidade Federal solicitaram ao comando de greve para concluir o ano letivo dos alunos que estão terminando seus cursos. São alunos que passaram em residências médicas, em concursos públicos e testes em empresas. Aguardam tão somente o diploma para dar início à vida como trabalhadores. Todavia, o comando de greve reluta em permitir tal "liberalidade" com receio de um retorno em massa dos professores às salas de aulas. A decisão do comando de greve vale carreiras dos alunos. Por outro lado, o governo federal, com as dificuldades da crise econômica, não cede terreno nas negociações salariais. As propostas de reajuste não repõem nem mesmo as perdas com a inflação. A conta é simples: o governo é pré-falimentar, os professores não conseguem negociar reajustes justos e os alunos estão sendo sacrificados. O comando de greve "administra" a Universidade.

Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente
Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente

Preparando para a saída da crise.

A mineira MRV é a maior construtora de apartamentos do país. A empresa vem trabalhando com a construção de apartamentos mais baratos que teria vendas estáveis. O cenário de preocupação com o futuro de economia, por outro lado, tem ajudado a reduzir preços de terrenos, de materiais e melhorado a negociação com fornecedores. Os planos da empresa são de investimentos nos próximos dez anos. Como estão bem capitalizados, se preparam para a saída da crise.

Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente
Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente

Amigos da onça aumentam a população dos felinos.

"Queremos contribuir para retirar a onça da lista das espécies ameaçadas de extinção". Essa é uma das ideias do projeto "Cana Conviver - Protegendo a Biodiversidade", uma parceria da Unica com o ICMBio. As duas entidades, a dos produtores de cana e a conservacionista, se uniram, por enquanto só em São Paulo, para mostrar a fazendeiros e peões que a onça ocupa papel fundamental na organização das espécies que vivem nas matas, campos e plantações. A onça está no topo da cadeia alimentar e por isso ajuda a controlar a população de capivaras e cobras. As capivaras são roedores vorazes que podem provocar uma perda anual de até 3% nas lavouras. Pelo menos em São Paulo a população de onças está crescendo, ou melhor dizendo, se recompondo aos poucos. Há dois cuidados fundamentais na relação homem-onça: se encontrar uma onça pela frente mantenha distância e permita que o animal siga seu caminho, não entrar em pânico e se afastar lentamente. Se encontrar uma ninhada, não toque ou retire os animais do ninho, a mãe costuma resgatar os filhotes só a noite.

Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente
Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente

Memórias sem sapato ou da submissão.

O Brasil sempre se curvou aos desígnios dos países centrais em determinado momento - Portugal, Inglaterra, EUA, China. Em 31 de janeiro de 2002 ocorreu um dos momentos mais trágico-anedótico da nossa longa história de submissão. O Ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, tirou os sapatos para ser revistado quando chegava em Miami. Esse comportamento de tirar os sapatos, depois reiterado nos aeroportos de Washington e Nova York, durante visita oficial, poderia ser considerado uma simples anedota, mas espelha nosso "modus operandi" frente aos países dominantes. Não existia qualquer discórdia entre o Brasil e os Estados Unidos, o único momento de tensão de nosso país com os EUA ocorreu quando o governo brasileiro discordou do governo Bush com sua política antiterrorista adotada após o 11 de setembro de 2001. A memória sem sapato marca que FHC se posicionou contrariamente à política sugerida por seu ministro. Celso Lafer queria que o Brasil participasse da intervenção no Iraque com base em uma pretensa "solidariedade". Ficou sem sapato e sem tropa.

Em uma das greves de garis de Nova York, morador transformou lixo em presente



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.