A notícia da terra a um clique de você.
 
22/05/2016 10:55

O negócio milionário do corpo

Mário Sérgio Lorenzetto
O negócio milionário do corpo

As dietas e os exercícios físicos, apenas uma parte do negócio do corpo, vem, nos últimos anos, rendendo imensas fortunas no mundo. Acreditamos que ter o aspecto considerado ideal pode garantir mais sucesso e felicidade. Existem estudos que demonstram que até há alguma verdade nisto, mas essa é uma verdade frágil. Raramente o corpo perfeito traz felicidade e sucesso, mas o inverso é mais próximo da verdade - corpos fora da moda também não trazem a tão almejada felicidade. Vivemos em uma época em que o corpo é um negócio multimilionário, mas que continua associado a futilidades. Querer cuidar do corpo vem adoecendo o cérebro, virou uma obsessão. Há uma paranoia coletiva no ar.
Seria bom para todos nós aceitarmos que cuidar do corpo, querer corresponder aos parâmetros de cada época sobre aquilo que é perfeição, ou aceitar os defeitos, e não querer nada disso. São várias formas da realidade, a perfeição é subjetiva e todos os corpos são reais. É verdade que existe - e continuará a existir - espaço para os negócios do corpo, mas talvez com preços mais acessíveis e sem criar uma "camisa de força", sem transformar aqueles que estão com sobrepeso em culpados, quase criminosos.

Veja Mais
Os governantes que ouvem os cidadãos
Prefeituras iniciam decretos de calamidade financeira

O negócio milionário do corpo

Bebês de vários países estão dormindo em caixas.

Essa é uma tradição finlandesa que remonta aos anos 30 do século passado. Acreditem, naquela época, a atual milionária Finlândia era um país pobre. Tinha uma taxa de mortalidade infantil de 65 crianças por cada 1.000 que nascia. No caminho para o estado de bem-estar, pelo qual o país é conhecido agora, seu governo decidiu apoiar um projeto singelo e de baixo custo: distribuir às famílias uma caixa com materiais de primeira necessidade. Inicialmente, eram tecidos e lençóis. Também havia um gorro para proteger as crianças do frio inclemente, além de pijama, sapatinho, fraldas de pano e babadores (tudo em cores neutras). Atualmente, são fraldas e colchonetes. A caixa era o berço. Só havia uma exigência para ganhar a caixa - levar os bebês para serem acompanhados em uma clinica de saúde. Atualmente, a taxa de mortalidade infantil da Finlândia é uma das mais baixas do mundo - 2,5 por 1.000 nascidos.
Há três anos, uma reportagem da BBC sobre essas caixas foi lida por milhões de pessoas e tornou-se viral na internet. Agora, a ideia finlandesa está sendo disseminada pelo mundo. Estão presentes nos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, México, África do Sul e Índia. Em agosto do ano passado, o governo mexicano criou um programa - "Cunas CDMX" (cunas significa berço) - visa distribuir 10 mil caixas só na cidade do México. Na Índia o programa é denominado "Barakat Bundle" (barakat significa benção) e a caixa, além das roupinhas e lençóis, tem um mosquiteiro. Há crianças que nascem no chão. Que pegam tétano por causa de infecção no cordão umbilical. As caixas oferecem um entorno aquecido, limpo e com elementos terapêuticos em seus primeiros momentos de vida.

O negócio milionário do corpo

Um breve instante. Por um momento todos felizes.

Pode ser o Natal ou o Carnaval. Mas há em nosso tempo e em qualquer lugar. Tempos de exposições cruas de nossos conflitos. Em que se denunciam os absurdos e velhacarias nas quais se move nossa vida política. Os transtornos sociais provocados pelas injustiças cometidas por um poderoso mais ou menos imbecil. E apesar de tudo isso, como em alguns momentos a vida pode ser bela, para todos, para os ricos e para os pobres, para as vítimas e para os algozes, quando se ama, se dança, se canta. Por um momento. Um breve instante. Por algumas horas, na embriaguez e no gozo da festa, fugir da rotina, da servidão e misérias cotidianas. Todos felizes.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.