A notícia da terra a um clique de você.
 
22/03/2016 10:45

Os números da Mãos Limpas italiana

Mário Sérgio Lorenzetto
Os números da Mãos Limpas italiana

Todas as estruturas políticas estão desabando. Tal como ocorreu na Itália, a pátria que nos legou a operação judicial denominada "Mani Puliti", o modelo que vem sendo copiado com afinco por Moro e seus colegas. A gênese e o desenvolvimento das duas crises, Itália e Brasil, são quase idênticos. Saíram de ditaduras, ingressaram em democracia com décadas de estabilidade com considerável progresso econômico, e sofreram uma forte degeneração de seu tecido político. Os partidos adquiriram um protagonismo desmedido nos dois países. Na Itália se falava em "partidocracia" ao invés de democracia. Esses partidos, especialmente o Partido Socialista e a Democracia Cristã, não se entendiam minimamente, constituíram fóruns políticos única e exclusivamente litigiosos. Acabaram gerando saturação na sociedade civil e no meio empresarial. A operação "Mani Puliti" surgiu como fruto dessa colisão política.

Veja Mais
As favelas são propriedade privada dos traficantes
O Brasil voltou aos mesmos ideais de 1920

A operação italiana condenou 4 ex-primeiro-ministros, 438 dirigentes partidários e parlamentares, além de 872 empresários. Também foram investigados 6.059 políticos e empresários e dessas investigações, saíram 2.993 mandados de prisão. O líder socialista, Bettino Craxi, considerado o centro da operação, preferiu autoexilar-se. E ainda, 11 dos condenados acabaram cometendo suicídio. Dois suicidas eram famosos: Gabriele Calhari - presidente da Ente Estatal de Hidrocarbonetos (ENI), a similar de nossa Petrobras, e Raul Gardini - presidente da poderosa Montedison, a maior indústria petroquímica da Itália. Os resultados judiciais foram irregulares.

Muitos foram condenados e muitos foram absolvidos. Mas a "Mani Puliti" aniquilou o sistema político tal como estava configurado. Desapareceram os principais partidos. As urnas ceifaram os votos do Partido Socialista e da Democracia Cristã. Os membros que deles restaram, tiveram de se submeter a uma envergonhada engenharia de criação de novos partidos. O fosso entre os cidadãos e os políticos alargou-se. A desconfiança em relação a todos os políticos enraizou-se profundamente - e passados 25 anos do início da "Mani Puliti", ainda está presente. A Mani Puliti teve enormes méritos, mas o pior de seus legados foi o surgimento, direto dos escombros dos partidos, da figura patética de Silvio Berlusconi. A pergunta a ser feita no Brasil é: quem estará no poder nos próximos meses? Impossível de respondê-la. Existe a possibilidade de que todos os prováveis candidatos ocupem uma cadeira em Curitiba e não em Brasília.

Os números da Mãos Limpas italiana

Penhora de bens de sócio fica mais difícil.

O novo Código de Processo Civil dificultou o acesso ao patrimônio dos sócios de uma empresa em casos de execuções de dívidas. Não será mais permitido, por exemplo, a penhora ou o bloqueio de bens sem que o sócio seja ouvido pelo juiz. Antes, não havia um procedimento a ser seguido. Na prática, era comum que magistrados incluíssem os sócios na divida. Isso ocorria principalmente nas dívidas com o fisco. O empresário dormia com dinheiro na conta e quando acordava não estava mais lá. E muitas vezes ele nem sabia o porquê.

Os números da Mãos Limpas italiana

Mudanças no divórcio de empresários.

Qual a parte do cônjuge em uma empresa quando ocorre o divórcio? Até agora cabia aos sócios dizerem quanto valia a empresa e suas partes (quotas). Essa prática acabou. Com o novo Código do Processo Civil (CPC), o ex-cônjuge pode entrar na justiça inquirindo a empresa sobre o valor e dele discordar. O divórcio de um dos sócios, sem dúvida trará mais dor de cabeça para a empresa. A pendência era resolvida na Vara de Família, geralmente com um acordo entre quem estava divorciando, agora o juiz determinará um perito para verificar o valor das quotas.

Os números da Mãos Limpas italiana

História de superação: uma inglesa que só pisca os olhos conclui curso universitário.

Onze anos após ter sofrido um derrame que imobilizou todo seu corpo, a inglesa Dawn Faizey recebeu seu diploma universitário em Artes. É uma imensa façanha. Não lhe faltou uma incrível capacidade de superação e de força de vontade.

Só permanecer vivo já é uma façanha para quem é acometido pela "Síndrome de locked in" (Síndrome do enclausuramento). A pessoa perde a totalidade dos movimentos, só restando o piscar dos olhos. Estima-se que 90% deles acabam morrendo em menos de 4 meses. Apesar de apresentarem a capacidade intelectual intacta, assim como a visão e a audição, vivem "trancadas" no próprio corpo, sem poder nem mesmo engolir. Isso acontece quando o AVC atinge o tronco cerebral, a parte mais primitiva e vital do encéfalo, que faz a ligação da medula com o cérebro.

A inglesa utiliza o movimento dos olhos para ditar seus pensamentos. Ela está equipada com um computador que decifra suas piscadas. Mesmo com a ajuda desse recurso, foram necessárias várias semanas para que cada exame fosse finalizado, pois a velocidade com que ela registra seus pensamentos se limita a uma média de 50 palavras por hora. Mas a tecnologia melhorará.

Na Universidade de Tenessee estão desenvolvendo um teclado virtual controlado por ondas cerebrais. Uma touca com eletrodos é ligada ao monitor e cada vez que aparece no teclado virtual a letra desejada, o cérebro emite uma resposta captada pelo aparelho. Por enquanto, são necessários 40 segundos para que cada letra seja escolhida.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.