A notícia da terra a um clique de você.
 
14/12/2014 08:06

Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade

Mário Sérgio Lorenzetto
Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade

Maus modos que se eternizam

Veja Mais
Diga sim à vida. O aborto é inaceitável
EUA: a homeopatia terá de informar que não funciona

Palavrões e caretas são a rebelião contra os códigos sociais. São dois costumes que evoluíram em paralelo às boas maneiras que permanecem no nosso dia a dia.

Nos palácios ou nos barracos das favelas, é preciso conter a língua. Os palavrões muitas vezes não se dirigem a pessoa alguma, exprimem apenas uma emoção. Seus domínios de predileção são o mundo religioso, o sexual e o escatológico. Alguns teólogos medievais chegaram a considerá-lo como o oitavo pecado capital. Eram usuais: "Por mil macacos"!, "Pelas chagas de Jesus"! e " Ao diabo a lua e aquele que a criou"!

Naquela época estavam sob especial vigilância as imprecações dos pobres e dos mendigos, as obscenidades dos atores e dos saltimbancos, mas também as palavras perigosas dos heréticos. Em meados do século XVII, existiam penalidades para coibir o aumento exagerado dos palavrões. Podiam ir de uma multa variável conforme a condição social do “boca suja” e chegava ao absurdo da extirpação de sua língua. Só restava um remédio - disfarçar os palavrões: "Eu renego Deus"! tornou-se o inofensivo "Arrenego", que ainda hoje é popular em muitas regiões do país. Mas é praticamente impossível viver sem eles.

Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade
Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade

Tratado de civilidade e a falta do que fazer

Erasmo de Roterdã, tido por muitos como um grande pensador, escreveu um tratado de civilidade, que oporia a animalidade à civilidade, para combater as caretas. Hoje, parece com falta do que fazer. De conformidade com Erasmo, o rosto deveria ser o lugar da harmonia que um lento polimento social e cultural tornaria contido, liso, sem rugas e sem expressão. Ele dizia que "É indecente dar toda espécie de aspectos a sua fisionomia", explicou o professor de bons modos Erasmo, "como franzir o nariz, enrugar a fronte, erguer as sobrancelhas, torcer os lábios, abrir e fechar bruscamente a boca". Mas em todos os momentos da história humana a careta faz parte da vida, os olhares tortos

ocorrem o tempo todo, os meio-sorrisos continuam denunciadores e os trejeitos de alguns devotos continuam a ser atos de hipocrisia.

A careta é a da criança, que esmaga os dedos em uma brincadeira, mas também é sacralizada quando Einstein mostra a língua diante dos fotógrafos. Será que as caretas não são a expressão de uma rebelião contra as normas estabelecidas, símbolo da verdadeira liberdade? Se assim for, nada mais normal e aceitável que uma fashionista de fama como a Corinthiana Gloria Kalil xingar o juiz em uma partida de seu time.

Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade
Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade

Anjos caem na armadilha da vaidade

Existia uma característica que era válida para todas as aldeias indígenas brasileiras independente de sua língua ou lugar onde vivia - a vaidade dos homens em detrimento da vaidade das mulheres. Os enfeites produzidos com penas, ossos e madeiras e tinturas cobriam seus corpos e o delas era descoberto de tudo - elas eram peladas para o conceito indígena. Não usavam cocares, poucos ou nenhum colar e pulseira, e raras pinturas corporais. Eles eram "vestidos", podiam até ter o pênis a mostra, mas usavam muitos enfeites nas cabeças, no pescoço, nas pernas e braços. Via de regra, o corpo era totalmente ocupado por pinturas. O mundo fashion indígena era masculino, a moda pertencia aos homens.

Para os europeus que por aqui aportaram era uma festa com muitas mulheres à disposição e mulheres totalmente peladas. A curiosidade e vaidade tomou conta dos primeiros encontros entre os indígenas e os europeus. Os dois lados se mostraram muito curiosos com as imensas diferenças de suas vestes. Um relato europeu mostra a tentativa de entendimento das vestes indígenas: com a cabeça tomada pelo fanatismo religioso, um europeu explica que tinha encontrado o paraíso, pois ele estava cheio de anjos com suas "asas e corpo cheios de penas". Nada mais eram que índios "vestidos" com penas pregadas e amarradas em vários pontos de seus corpos. As trocas iniciais eram de produtos para a vaidade - miçangas, boinas, camisas...e os índios pagavam com alimentos e mão-de-obra.

Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade
Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade

Ferro para os índios ou ferro nos índios

Mas esse período foi curto. As trocas rapidamente passaram a ser realizadas com os instrumentos que prometiam sonhos para os indígenas - instrumentos de ferro. Facas, machados, serrotes passaram a ser trocados pelos alimentos e a mão-de-obra. Uma imensa

transformação no modo de vida indígena. Saia a faca de osso e entrava a de ferro. A diferença entre os dois materiais é muito grande. Essa é a grande promessa trazida pelos europeus para o Brasil. Uma vida melhor se instalava nos sonhos indígenas pois os instrumentos de ferro funcionavam melhor que os de ossos, pedras e madeiras.

Mas as facas de ferro passaram a subir de preço extraordinariamente na troca por uma árvore derrubada ou pelos alimentos ou pelas mulheres. As populações indígenas se empobreceram e se tornaram famintas. Começaram a procurar outros lugares, outros europeus para realizar trocas em melhores condições. Muitas se tornaram nômades em busca dos instrumentos de ferro.

Essa é a primeira promessa não cumprida pelos europeus. A primeira. Outras viriam. Não cumprir promessas está no âmago, no cerne brasileiro.

Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade
Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade

Medicamento pode apagar memórias ruins

Alguns veteranos de guerra, vítimas de assalto e de acidentes poderão comemorar dentro de alguns anos um novo medicamento – apagará de seu cérebro todo o trauma sofrido. Todos somos prisioneiros da memória de algum acontecimento traumático. É o poder extraordinário que a dor tem de deixar uma impressão no cérebro. Enquanto alguns cientistas trabalham para resolver o enigma da perda da memória na demência, outros abordam o problema de como escapar das lembranças dolorosas que dominam nosso cotidiano.

Oito anos atrás o neurocientista Todd Sacktor, de Nova York, injetou um composto denominado ZIP no cérebro de um rato e, após duas horas, testou o rato e observou que um determinado medo, anteriormente percebível e mensurável, fora apagado de seu cérebro. Faça isso em um veterano de combate incapacitado e estará a caminho de um Prêmio Nobel, ou de uma mina de ouro bilionária. Provavelmente, será o “medicamento do século”.

Acredita-se que o agente envolvido na preservação da memória seja uma proteína. De acordo com o experimento de Sacktor, essa proteína já é conhecida e recebe a denominação de PKMzeta. Essa PKMzeta é a responsável pela manutenção das lembranças. E qual a proteína que mantém a lembrança dolorosa?

Palavrões e caretas desafiam a hipocrisia na história da luta pela liberdade



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.