A notícia da terra a um clique de você.
 
15/07/2015 07:50

Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir

Mário Sérgio Lorenzetto
Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir

Para onde irá o dinheiro do brasileiro.

Veja Mais
Prefeituras iniciam decretos de calamidade financeira
O ronco da barriga é o fator decisivo

A empresa de consultoria Nielsen acaba de divulgar uma nova pesquisa. Mostra que o brasileiro está pouco propenso a consumir e mais preocupado com o futuro. O número de brasileiros que acreditavam estar vivendo em um país com recessão aumentou de 73% para 85%. E, na lista das principais preocupações para os próximos meses, a economia assumiu a liderança. A Saúde, que estava em primeiro lugar, caiu para o terceiro, ficando atrás também de tarifas mais caras, como de energia elétrica e água. Nas respostas à pergunta sobre o que fazer com os recursos que ficam no bolso depois de realizados os gastos essenciais, os entrevistados podiam apontar quantos itens desejassem. A maior mudança detectada foi no quesito quitar dívidas. O percentual de brasileiros que apontou esse objetivo avançou 5 pontos percentuais em 12 meses, ficando em 42%.

Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir
Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir
Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir

Sem dinheiro no cofre, 6 Estados colocaram à venda estradas, portos e aeroportos.

Privatizar ou conceder? Na prática, alguns governos estaduais estão colocando à venda parte de sua infraestrutura. Há escassez de recursos e estão adotando medidas de ajuste. Estão deixando de pagar a dívida com a União para honrar o salário dos servidores, cortando secretarias, demitindo cargos comissionados e revisando incentivos fiscais.

Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir
Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir
Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir

O dinheiro está voando para a Índia.

O investidor estrangeiro tem batido em retirada de países emergentes que lidam com desaceleração econômica, inflação alta ou déficit público. Os fundos de ações de países como Brasil, México, China e Rússia vêm perdendo capital. Na contramão está a Índia, que atraiu US$ 8 bilhões para fundos de ações. Os especialistas em mercados de capitais dizem que os investidores estão animados com o governo pró-mercado do primeiro-ministro Narendra Modi, que prometeu vários ajustes e vem cumprindo as metas. E tem mais da Índia, a economia indiana deve crescer 7,5% em 2015, segundo o FMI, superando a China. A maior alocação de dinheiro foi em ações do setor financeiro e de tecnologia.

Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir
Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir

Cuidado com os gráficos que fazem correlações espúrias.

Há um clichê conhecido: "Correlação não implica causalidade". No entanto, quando vemos linhas se inclinando juntas, barras subindo juntas, ou pontos aglomerados em um gráfico, os dados praticamente imploram para que atribuamos uma razão. Queremos acreditar que exista uma razão que explique as linhas de um gráfico. Estatisticamente não podemos e não devemos ter esse entendimento. Os gráficos que mostram uma correlação estreita usam muitas vezes um truque visual simples para estabelecer alguma relação. Um doutor em direito pela Harvard, Tyler Vigen, mostrou (e brincou) com essa ideia em seu site. Por exemplo, mostrou que pelo gráfico haveria uma correlação entre o consumo de margarina e a taxa de divórcios. Há outro gráfico apropriado para risos que também descortina o erro - quanto maiores as vendas de iPhones, mais pessoas morrem ao cair da escada. Um terceiro também é muito elucidativo: se formos ao estádio torcer por nosso time, perderemos peso. Em suma, cuidado com os gráficos que mostram que ao comer maçã você não terá câncer e outros tantos que fazem correlações espúrias. Desconfie.

Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir
Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir

A maior fazenda de orgânicos do Brasil.

O negócio de produtos orgânicos é realizado no país apenas por pequenas fazendas. Pequenas? Nem tanto. A Fazenda da Toca tem 1.470 hectares. Ela está localizada em Itirapina, interior paulista. A fazenda é uma escola. Não raro são agendadas visitas de estudantes de agronomia e professores. "Sem defensivos agrícolas" e "tudo está conectado" são as premissas da fazenda de Pedro Paulo Diniz (um dos filhos de Abílio Diniz).

Da porteira para dentro, tudo que se vê são sinais que mesclam o bucólico com o moderno. As casinhas coloridas e os playgrounds são um "must". 52 famílias trabalham, moram e estudam na fazenda, porque, tudo está conectado. A Fazenda da Toca tem jeitão "natureba", mas também é uma fazenda-empresa. Produz 29 itens diferentes, vendidos para seis redes de supermercados. Tem uma receita prevista para este ano de R$ 30 milhões, mas os animais são tratados apenas com fitoterápicos. Os aviários são espaçosos, com aberturas para que as galinhas entrem e saiam livremente. O manejo do gado é humanizado e existem muitas árvores nos pastos rotacionados, mas quando vai tirar o leite há altíssima tecnologia envolvida. Cada vaca que entra na sala de ordenha é conhecida. Sabem quanto dá de leite, se esteve doente e produzem de 3 mil a 5 mil litros de leite diariamente. Brevemente outros 1.000 hectares serão incorporados à Fazenda da Toca, é uma área que pertence à família e está no término do arrendamento para a Suzano para o plantio de eucalipto. Só em pesquisa a fazenda investirá R$ 1 milhão em 2015.

Pesquisa mostra que os brasileiros estão pouco propensos a consumir



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.