A notícia da terra a um clique de você.
 
02/11/2013 08:52

Pobres no Brasil, pobres nos EUA, pobres em todo lugar

Mário Sérgio Lorenzetto
Pobres no Brasil, pobres nos EUA, pobres em todo lugar

Mantendo a desigualdade entre desiguais

Veja Mais
O Brasil voltou aos mesmos ideais de 1920
Os governantes que ouvem os cidadãos

A linha da pobreza é medida de acordo com o seguinte parâmetro: US$ 1,2 dólar por dia e quem recebe menos do que esta quantia é considerado abaixo da linha da pobreza. No Brasil, estima-se que 16 milhões de pessoas se encontravam abaixo desse patamar distribuídos da seguinte forma: 16% no Norte, 3% no Centro-Oeste, 60% no Nordeste, 17% no Sudeste, 4% no Sul. Os dados são do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) relativos a 2010.

Pelo menos 23 milhões de famílias (100 milhões de pessoas) estão registradas no Cadúnico (Cadastro Único) do governo federal, que procura monitorar as políticas públicas de combate à miséria. Do total, 22 milhões de pessoas são beneficiárias do Bolsa Família – concorda-se aqui com as críticas do senador Cristovam Buarque (um de seus idealizadores) quanto à mudança do nome de Bolsa Escola e a desvinculação da obrigação da matrícula escolar na passagem do governo de Fernando Henrique Cardoso para o de Luiz Inácio Lula da Silva, mas não quanto ao programa social em si.

Pobres no Brasil, pobres nos EUA, pobres em todo lugar

Pobreza estará no cerne dos debates eleitorais à presidência

Enquanto no Brasil esse será, provavelmente, um tema central nos futuros debates eleitorais para a presidência, nos EUA, cerca de 46 milhões de pessoas – 15% da população – são computados como pobres e aproximadamente 48 milhões recebem “foodstamps” – uma espécie de “vale alimentação” fornecido pelo governo –, que custam US$ 80 bilhões de por ano ao governo.

Os conservadores estão procurando reformular este programa – não custa lembrar que os Republicanos têm a maioria da câmara e os democratas a maioria do Senado, não sendo observado o fenômeno do “presidencialismo de coalizão” como no Brasil. A proposta dos republicanos é a de vincular os “foodstamps” a algum trabalho, além do teste do uso de drogas. A polêmica está no fato de que justamente as pessoas desempregadas e marginalizadas são as que mais necessitam ajuda do governo – apesar de haver severa crítica aos postos de trabalho de baixa qualidade que foram gerados nos últimos tempos nos Estados Unidos. De acordo com a ONG “FeedingAmerica” as pessoas têm impressões erradas sobre a fome nos Estados Unidos, e esta estaria relacionada com famílias trabalhadoras pobres e com pessoas nas zonas rurais.

Os republicanos querem, além disso, cortar pela metade o programa nos próximos 10 anos – US$ 40 bilhões. Se a proposta for aprovada na Câmara, há expectativa de resistência no Senado. De acordo com o professor de Direito (Georgetown University) Peter Edelman, muitas coisas foram feitas para combater a pobreza nos Estados Unidos, como a Seguridade Social, os “foodstamps” e o crédito fiscal sobre a renda, além de programas que hoje mantêm 40 milhões de pessoas fora da pobreza. A pobreza seria quase o dobro do que é hoje sem essas medidas, segundo estimativa do Centro para Prioridades de Política e Orçamento.

Pobres no Brasil, pobres nos EUA, pobres em todo lugar

Fim da pobreza é resultado de avaliação ampla, oferta de emprego e educação

Entende-se como solução para tirar pessoas da pobreza, a produção de mais empregos com salários justos, os quais são escassos tanto nos EUA como no Brasil. A necessidade de bons empregos para todos vai além do momento de crise econômica. É necessária a implantação de uma política de pleno emprego, além do investimento na educação.

Mesmo nos EUA, a pobreza ainda é um grande desafio. Cerca de 104 milhões de pessoas – um terço da população – tem renda abaixo do dobro de linha da pobreza e lutam para fechar a conta do mês. Metade dos empregos paga US$ 34 mil por ano, um quarto menos de US$ 23 mil anuais. A pobreza em famílias com filhos chefiadas por mães solteiras excede 40%. Seis milhões de pessoas apenas têm os cupons de alimentos como fonte de renda.

Se a proposta dos Republicanos parece temerária por gerar um círculo vicioso, pois os pobres continuariam pobres sem qualquer oportunidade nem mesmo para construir suas vidas, no caso do Brasil é tempo de refletir sobre as políticas contra a pobreza e acredita-se que vincular o Bolsa Família à educação seria uma boa aposta nas futuras gerações.

Pobres no Brasil, pobres nos EUA, pobres em todo lugar
Pobres no Brasil, pobres nos EUA, pobres em todo lugar

A popularização das viagens espaciais: da ficção para o factível

Qualquer filme de ficção científica, por mais antigo que seja, já colocava o homem viajando no espaço como se isso fosse uma coisa “normal”. As obras, 2001: Uma Odisseia no Espaço; Alien: o oitavo passageiro; Guerra nas estrelas (Star Wars); Jornada nas estrelas (Star Trek); O quinto elemento e Solaris, para citar somente algumas, fizeram parecer que era só ir ali, buscar sua espaçonave e salvar o mundo da ameaça alienígena. Para além do embate que foi criado entre “respeito às leis da física” e “entretenimento” nos referidos filmes, na vida real viajar para o espaço não é tão simples. Muitos dos filmes ainda estavam inspirados pela corrida do homem na conquista do espaço, uma vez que a Guerra Fria não permitia uma terceira Guerra Mundial.

Nos últimos tempos, os filmes envolvendo viagens ao espaço mudaram, tendo inclusive o recente “Elysium” usado da distinção entre pobres – moradores da Terra – e ricos –moradores da estação espacial Elysium– para realizar uma espécie de crítica às desigualdades sociais. Wall-E é uma graciosa animação da Disney para criticar a sociedade de consumo – a mesma Disney que é símbolo máximo da própria sociedade de consumo. O sonho que todos os filmes citados “vendem” é o mesmo, o da conquista espacial.

Pobres no Brasil, pobres nos EUA, pobres em todo lugar

Empresas privadas investem em incursões pelo espaço para breve

Já sabemos que no espaço os tiros de laser das armas não seriam escutados, mas e se você quiser fazer uma viagem hoje, para o espaço que não seja pela NASA, considerando que Astronauta é uma profissão para poucos, será que é possível? Esta é a proposta de algumas empresas privadas que estão procurando desenvolver tecnologias para que mais pessoas consigam pelo menos sobrevoar a Terra para além da altitude de um avião normal.

Pelo menos três companhias estão desenvolvendo formas de realizar este sobrevoo de altas altitudes. A empresa World View propõe levar os passageiros até a estratosfera, onde geralmente balões meteorológicos se encontram. O preço previsto pela World View, que estuda iniciar as atividades em 2015, é de US$ 75 mil. Os gerentes desta companhia são os mesmos do projeto InspirationMars, que pretende levar duas até 2018 para sobrevoarem o planeta vermelho.

O sobrevoo pela Terra tem previsão de durar 4 horas. A cabine deve ter o tamanho de um jato privado e promete ser muito confortável, com a promessa de que será possível dar voltas pela cabine, incluindo ir até o bar e pegar um drink.

 

Pobres no Brasil, pobres nos EUA, pobres em todo lugar

Corrida aos ingressos já começou. Saiba os preços e, quem sabe... programe-se

As outras duas empresas que fazem sobrevoos Virgin Galactic e XCOR Aerospace levam os passageiros em foguetes e já venderam centenas de ingressos, e prometem iniciar as atividades já em 2014. A diferença entre os tipos de viagem começa pelo preço: pela Virgin são US$ 250 mil e pela XCOR: 95 mil. Outra diferença é a forma do voo, enquanto no foguete a aventura é se tornar um astronauta, mas a visibilidade tem tempo reduzido. Para a World View, a tentativa é conciliar conforto e maior tempo de sobrevoo. O maior problema é que você não chegaria, de fato, no espaço. O balão subirá até 30 km, não chegaria até os 100 km, altitude necessária para atingir aquilo que é considerado o início do espaço.

De qualquer forma, é alto o suficiente para ver a curvatura da Terra e para o Céu escurecer do azul para o preto. Segundo os donos da empresa, a viagem se assemelha com a feita por Felix Baumgartnet, o audacioso austríaco que pulou no ano passado de uma altitude de aproximadamente 40 km, mas com mais conforto e com uma volta mais tranquila para a Terra. Mesmo não alcançando o espaço, a viagem será tratada como uma atividade espacial, pelo fato da cápsula ser feita para operar em condições espaciais. Alguém se candidata?

Pobres no Brasil, pobres nos EUA, pobres em todo lugar



Sou de Campo Grande e atualmente moro em Paris-FR, vim tentar a vida por aqui e a primeira coisa com que me deparei por aqui foi a falta de desigualdade social que existe por aqui, aqui foi a primeira vez que vi um medico negro na minha vida, todos aqui tem direito a um transporte de primeiro mundo, saude e alimentaçao sao coisas ao meu ver inalcançáveis para o brasil de hoje, na minha opiniao quem cria a desigualdade no brasil é o governo, isso é obvio, mas quem a mantem é a ignorancia que ha muito templo foi plantada em nossa sociedade.
 
Ewandro Rodrigues em 02/11/2013 13:55:22
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.