A notícia da terra a um clique de você.
 
20/11/2016 09:00

Semana de conscientização sobre o uso de antibióticos

Mário Sérgio Lorenzetto
Semana de conscientização sobre o uso de antibióticos

De certa maneira, o problema da resistência dos antibióticos é comparável ao das mudanças climáticas: é resultado da conduta pouco responsável dos humanos e pode ter consequências drásticas. Todavia, como no caso das mudanças climáticas, temos o conhecimento e as ferramentas necessárias para enfrentar as bactérias que nos atacam. Como prova disso, há quatro frentes fundamentais na guerra contra as bactérias resistentes. Os avanços prometem bons resultados. Mas isso só ocorrerá no futuro.
No momento, o clima é de pavor. Desde 1987 não descobriram nenhum novo antibiótico. Pelo contrário, quase semanalmente surgem novas bactérias resistentes. Se o final da guerra fosse hoje, as bactérias resistentes levariam vantagem. Mas não existe uma "data final" para o término desse embate.
Há quatro frentes fundamentais para combater as bactérias resistentes:
Fagos: um centro de pesquisa da Geórgia guarda milhares de fatos. - vírus que atacam bactérias - e acaba de elaborar convênio para desenvolvimento de outros novos fatos com três universidades da Grã Bretanha. O problema é que a indústria farmacêutica não vê ganhos expressivos com os fagos. Há uma tendência de este medicamento ser de baixíssimo custo ou grátis.
Bactérias do meio ambiente: os cientistas acreditam que muitos dos futuros antibióticos já existem, bastaria encontrá-los na natureza, em plantas e animais que aprenderam a se defender das bactérias ao longo da evolução humana. Essa corrente de pesquisadores está meio parada, após anos de pesquisas, não encontraram um só novo antibiótico.
Transplante de bactérias de nosso corpo: essa linha de pesquisas já teve seu apogeu. Há bem poucos anos centenas de cientistas estudaram a possibilidade de "transplantar" bactérias que fazem parte de nosso corpo, em perfeita colaboração, para atacar as "bactérias vilãs". Ainda que não "cheire" bem para narizes, a principal ideia era transplantar bactérias de nosso intestino.
Organismos marinhos: o mar - microalgas, esponjas, bactérias das profundezas - é uma fonte inesgotável de conhecimento. Até agora, foi pouco explorado para descobrir novos antibióticos. É uma fonte de grande esperança para os cientistas. E aí se encontra novamente com as mudanças climáticas. O mar vem sofrendo, mais que a terra, com os efeitos das mudanças do clima. Recentemente, corais japoneses que eram pesquisados para encontrar antibióticos novos morreram devido às mudanças do clima.
Mas, somente com a conscientização de todos para que não usem de maneira indevida os antibióticos existentes, poderemos vencer essa guerra. O mundo todo procura essa conscientização. É claro que o Brasil só pensa em brigas e foi enviado para o planeta "salve-se quem puder".

Veja Mais
O Brasil voltou aos mesmos ideais de 1920
Os governantes que ouvem os cidadãos

Semana de conscientização sobre o uso de antibióticos

Fazendo as contas: sabe quanto poupa um pai que realiza tarefas domésticas?

Há 50 anos, um "bom pai" era aquele que levava a carne para casa para a esposa os cozinhar. Hoje, os lares são diferentes. O envolvimento dos homens nas tarefas domésticas e na educação dos filhos é algo comum e está crescendo. Mas quanto vale para uma família ter um pai presente? Os próprios homens subvalorizam a importância e o valor das tarefas que desempenham em casa. Tal qual desvalorizavam, há 50 anos, o valor das tarefas realizadas pelas mulheres. Fazer essas contas não é fácil. Só é possível termos médias salariais que são muito variáveis de acordo com a região do país e até mesmo em uma mesma cidade.
Se o pai ou a mãe tivesse de contratar um profissional qualificado para desempenhar cada tarefa, estes seriam os valores médios mensais que teriam de pagar (com impostos):

Semana de conscientização sobre o uso de antibióticos
Semana de conscientização sobre o uso de antibióticos

Erros que cometemos ao carregar a bateria do celular.

Teu amigo disse que não deve carregar o celular até que a bateria descarregue por completo. Outro, afirma que sempre deve carregar a bateria do celular ou tablete até que atinja 100%. Um terceiro o atemoriza que ao comprar um celular deve carregá-lo totalmente ou o estragará. Esses amigos não entendem tanto sobre bateria como você acredita.
A "Battery University", o centro de informações sobre baterias criada pela empresa Cadex, que desenha e fabrica muitos carregadores e analisadores de bateria para uma infinidade de celulares e tablets é quem corrige os mitos e erros:
1. As baterias de lítio não precisam ser carregadas completamente. E mais segundo a Cadex, não é recomendável essa prática.
2. Há quem diga que nada acontece quando você deixa o celular carregando a noite toda. Todavia, não deve deixar carregando o aparelho após ter lhe dado carga completa. Quando continua ligado à tomada após a caga 100%, gera tensão e compromete a segurança do aparelho.
3. Não use o aparelho quando está conectado na rede elétrica. Isso é denominado "carga parasitária", que produz mini-ciclos, que por sua vez, eleva a tensão na bateria e confunde o carregador.
4. Uma má notícia: não carregue o aparelho quando está ligado. Desligue-o. Isso permite que a bateria chegue ao umbral de tensão estabelecido pela fábrica, bem como o ponto de saturação de corrente sem obstáculo.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.