A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


16/10/2015 08:02

Carros: o maior erro na hora da compra.

Emanuel Steffen*

A hora de definir qual carro comprar normalmente envolve uma série de decisões importantes que têm grandes impactos futuros, principalmente financeiros. Se essa escolha se basear em um critério equivocado, há sérios riscos de arrependimentos e frustrações que podem custar caro.

Veja Mais
Qual é a melhor hora para comprar?
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação

Indo direto ao ponto: o maior erro que alguém pode cometer na hora da aquisição é basear-se apenas no preço de compra como critério preponderante para selecionar o carro.É claro que é aconselhável definir qual é o montante máximo que você está disposto a pagar pelo seu veículo. Porém, esse fator não deve ser o elemento-chave para a escolha. Vamos ver alguns exemplos para esclarecer melhor.Imagine as seguintes situações envolvendo casos de outra área: suponha que você, leitor, se dirija a uma loja de calçados para a compra de algo para a partida de futebol com os amigos.

Evidentemente, você comprará uma chuteira, não um sapato social. Agora imagine uma mulher que pretenda caminhar por trilhas. Ela certamente não irá comprar um sapato de salto alto para essa finalidade.Esses casos ilustram como é importante priorizar a análise das necessidades em primeiro plano. No caso dos carros, infelizmente, as pessoas acabam se esquecendo disso e surgem dúvidas que podem ser consideradas absurdas.É comum, na minha atividade de consultor automotivo pessoal, observar clientes e conhecidos que, podendo gastar algo em torno de R$ 70 a 80 mil, ficam em dúvida em relação a carros completamente diferentes.Por exemplo, nessa faixa, há pessoas que cogitam a compra de um hatch médio (como o Focus), um sedan médio (como o Corolla), uma caminhonete flexível de entrada (como a L200 Triton) ou um pequeno SUV (como o Tracker).Se incluirmos os usados, a gama fica ainda maior, podendo incluir SUVs maiores (como a CR-V), caminhonetes a diesel (como a Hilux) ou sedans de marcas premium (como carros da BMW e Mercedes), além de automóveis de nicho (como o Mini).

Nessa pequena lista do parágrafo acima podemos ver que são veículos com propostas e características absurdamente distintas. Portanto, fica evidente que usar o preço de compra como parâmetro não é o melhor caminho.Para evitar situações como essas, no meu livro digital, “Como Escolher o seu Carro Ideal”, eu apresento um método com o roteiro completo envolvendo os passos essenciais para uma compra consciente.E o primeiro aspecto é justamente a verificação das necessidades, partindo da ideia de que incialmente é preciso saber do que se precisa. Em seguida, defendo a análise da qualidade do carro e sua segurança.

Somente no quarto momento é que deve ser analisada a questão financeira.Aliás, a escolha de um carro com base no preço de compra esconde um risco maior: o esquecimento de toda a Estrutura de Preços dos Carros no Brasil. Basicamente, ela se baseia na ideia de que o custo-benefício e o planejamento financeiro envolvendo um carro deve levar em conta todos os impactos financeiros desde a compra, passando pelo período de propriedade e terminando somente no momento da venda.

Na prática: um sedan médio e uma caminhonete costumam apresentar impactos muito diferentes ao longo do tempo, mesmo que tenham preços de aquisição parecidos. Afinal, a caminhonete tende a apresentar manutenção mais cara, maiores gastos com consumo e seguro, maiores despesas com estacionamento, pneus e lavagens etc.Outra situação bastante comum, também resultante do foco excessivo no preço de compra, envolve as dúvidas entre a compra de uma versão top de um segmento inferior (como um sedan compacto) ou a versão de entrada do segmento superior (como um sedan médio). Vamos supor que a primeira custe perto dos R$ 58 e a outra um pouco acima dos R$ 60 mil.

Veja que essa dúvida não deveria existir. Afinal, se estivessem claras as necessidades e prioridades do consumidor, ele compararia carros do segmento adequado ao seu perfil.Adicionalmente, outro caso envolvendo a errônea priorização do preço de compra ocorre no segmento dos usados. Como defendo, o foco para uma boa compra de usados deve ser relacionado ao estado de conservação, deixando o preço como fator secundário.Para ilustrar, de nada adianta pagar um preço, digamos, R$ 4 mil abaixo da tabela se depois de um mês será necessário trocar os 4 pneus e a realizar uma revisão completa. Nesse caso, o “barato sairá caro”.

Conclusão: Evite, a todo custo, pensar desta forma: “Tenho tantos mil reais; e agora, qual carro compro? ”.Primeiramente, entenda quais são suas necessidades e compare carros do segmento tendo por base a qualidade e segurança oferecidas. Em seguida, defina o limite de quanto pode gastar na compra e procure as melhores alternativas para o seu perfil.Esse tem sido o método que procuro seguir em relação aos clientes que atendo, de modo personalizado. O nível de satisfação tem sido bem interessante, principalmente porque é apresentada uma visão bem diferente do que as pessoas estão acostumadas pelo discurso padrão da mídia, do marketing e dos vendedores.Lembre-se de que, como consumidor, você precisa estar atento para as atitudes essenciais para uma compra inteligente. Portanto, saiba exatamente qual é o tipo de carro que você quer comprar e, com consciência automotiva e financeira, defina a opção que será melhor para você e sua família.Muito obrigado, e até a próxima!

Fonte:Leandro Mattera /dinheirama.com.br

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

 

Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...
Não supervalorize coisas
Um experimento social muito famoso, executado em diversos países e no Brasil, relaciona dois grupos de indivíduos: o primeiro grupo ganha um objeto e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions