A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


11/07/2014 08:23

Como dar 'dinheiro' de presente para seu filho

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Manda a tradição que o presente para crianças é associado ao hábito de comprar brinquedos, engordando o faturamento dos varejistas. Mas há outra maneira de presentear uma criança: planejando seu futuro. Escolher um produto financeiro que proporcione benefícios para ela e ensiná-la o valor do dinheiro não são tarefas das mais fáceis, mas pode ser um belo presente.

Veja Mais
Qual é a melhor hora para comprar?
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação

Aquilo que seria um ‘presentão’ para um adulto pode não fazer muito sentido para a criança, explica o educador financeiro André Massaro. “Crianças têm certa dificuldade em entender o valor de coisas intangíveis. Para algumas delas, ganhar um investimento de R$ 1 mil é pior do que ganhar um carrinho de R$ 10”.Ao receber o presente financeiro, explica Massaro, a criança pode ter a estranha sensação de que nada ganhou ou de que recebeu um ‘presente de grego’. “É interessante, ao presentar com um investimento, também dar a ela alguma coisa ‘concreta’ e tangível como um brinquedo”, recomenda.Dar dinheiro sem critérios para uma criança ou jovem, da mesma forma, não ajuda em absolutamente nada e ainda contribui para criar uma personalidade consumista, na visão do educador financeiro e presidente da Dsop Educação Financeira, Reinaldo Domingos. "Por outro lado, ao ensinar o valor do dinheiro, abre-se a oportunidade de inserir novos hábitos e mostrar que é possível buscar realização pessoal com seu controle", explica.

Por não cobrar taxas nem impostos, a caderneta de poupança é o instrumento mais simples para introduzir a criança no universo bancário. Formar uma poupança para o filho com um capital modesto é uma boa oportunidade não apenas para ensiná-la o mecanismo de poupar, mas também para introduzir o conceito de juros, geralmente complexo até para adultos.Uma forma simples é utilizar a analogia do tradicional cofrinho, orienta Domingos. O primeiro passo é chamar a criança para uma conversa e apresentar a caderneta para ela. Em seguida, deve-se compará-la ao cofrinho onde as moedas são depositadas regularmente, com a diferença de que, na poupança, todos os meses algumas moedas a mais são colocadas pelo banco como recompensa por ter deixado o dinheiro guardado, explica o especialista. Mostrar o extrato da aplicação é outra forma de ensinar como se acumula capital.

Há diversos produtos de previdência infantil no mercado para o longo prazo. Este é um presente para ser desfrutado depois de muitos anos, seja com uma viagem ao exterior, uma faculdade ou o primeiro carro. É importante definir o objetivo desde cedo – já no nascimento, se possível –, e quanto antes for iniciado o investimento, maior o patrimônio acumulado.Procurar taxas de administração mais baixas é fundamental para garantir a rentabilidade. “Quando a criança tiver maturidade para entender, é preciso apresentar este benefício e contar que o dinheiro foi guardado todo mês”, explica Domingos.Para o educador financeiro Mauro Calil, deve-se reinvestir os juros provenientes da aplicação até alcançar o objetivo final. Se um pai depositar mensalmente R$ 100 em um plano de previdência para o filho desde seu nascimento – supondo uma rentabilidade de 6% ao ano (valor aproximado da poupança), ao completar 23 anos, ele terá acumulado uma reserva de R$ 58,2 mil. Outra hipótese é o filho manter a aplicação para sua aposentadoria até os 50 anos, cuja reserva acumulada será de R$ 359.625,39.

Comprar ações de empresas listadas na Bolsa para uma criança é a opção menos conservadora de investimento e exige sangue frio dos pais, embora seja apontada como boa opção de longo prazo. Quanto maiores as chances de ganhos, maior o risco de perdas neste investimento.“Aposte em empresas e setores que crescem. No longo prazo, companhias sólidas costumam resultar em bons ganhos para o investidor”, recomenda o consultor Calil. Este tipo de investimento, contudo, exige disposição ao risco e conhecimento do mercado. “Os pais que investem neste instrumento devem acompanhar periodicamente o investimento e observar seu desempenho para tomar as decisões corretas”, diz.

Informações IGeconomia
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Criador do portal www.manualinvest.com

Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...
Não supervalorize coisas
Um experimento social muito famoso, executado em diversos países e no Brasil, relaciona dois grupos de indivíduos: o primeiro grupo ganha um objeto e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions