A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


08/02/2016 08:11

Gastou mais do que devia? Veja quando o empréstimo bancário pode valer a pena

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Contrair um empréstimo bancário pode se transformar em uma grande bola de neve de dívidas. Mas, quando o salário é insuficiente para cobrir as despesas mensais e as dívidas vão se acumulando diante dos altos juros, esta pode ser uma boa opção.

Veja Mais
Como os atletas perdem milhões
Qual é a melhor hora para comprar?

“O melhor é ficar longe de dívidas, mas nem sempre é possível. Muitas pessoas não resistem às tentações do crédito fácil, ou são levadas a uma situação de endividamento por outros motivos como doenças, acidentes, desemprego ou mesmo pelo simples descontrole do orçamento. Então, o jeito é usar a inteligência e preparar uma estratégia para se livrar do endividamento”, diz Álvaro Modernell, especialista em educação financeira.

Antes de tomar qualquer decisão, a recomendação é de que o endividado conheça sua situação financeira, e em especial, entenda o que o levou à situação de assumir uma dívida acima de sua capacidade de pagamento.

A primeira dica é acabar com as dívidas pequenas, aquelas que com pequeno esforço é possível pagá-las, como uma pequena prestação atrasada, um dinheiro emprestado de um parente, a conta do mercadinho do bairro e por aí vai. Dessa forma, você diminui a quantidade de credores e foca a atenção nos problemas mais complicados.

O próximo passo é priorizar as prestações das contas vencidas, aquelas que estão com juros, multas punitivas ou que podem resultar em prejuízos ao nome. Nesse momento, vale a pena tentar negociar.

Para isso, entre em contato com o credor e exponha sua situação financeira e o quanto pode pagar, sugerindo alternativas que mostram que você está disposto a quitar a dívida. Vale ressaltar a importância de avaliar se a nova mensalidade cabe no seu bolso, já que não adianta fazer um acordo, pagar uma ou duas parcelas, e depois voltar a ser inadimplente.

Depois, é hora de eliminar as dívidas mais caras. Mas, atenção: dívidas mais caras nem sempre são as de maior valor, e sim aquelas cujas taxas de juros são mais altas. Por causa dos juros compostos, as dívidas com taxas altas ficam cada vez mais elevadas. Dessa forma, a pessoa paga uma parte do que deve, mas o saldo da dívida continua crescendo e parece que não tem fim. Quem possui dívidas caras em atraso e está pagando juros altos pode tentar uma renegociação com o banco, substituindo essas linhas de crédito por linhas mais baratas, como empréstimos pessoais e empréstimos consignados.

Outra opção é fazer a portabilidade de uma dívida de um banco para outro sem custo, caso o novo banco ofereça condições mais vantajosas, tanto em termos de custo de manutenção de conta e tarifas quanto de juros e custo efetivo total da dívida.

A decisão de assumir um novo empréstimo para pagamento de dívida anterior deve sempre ser precedida de uma avaliação. É preciso ter cuidado para que o devedor não acabe apenas postergando um problema de descontrole financeiro, por meio de um processo de substituição de dívidas velhas por novas.

Confira algumas dicas para pagar a dívida do cartão de crédito com o empréstimo pessoal:

- Solicite um valor de empréstimo apenas para o pagamento da fatura do cartão de crédito. Não caia na tentação do dinheiro fácil e pegue mais do que você pode pagar;

- Pague todas as dívidas com o cartão e, se possível, também adiante algumas parcelas que não estejam atrasadas. Desta forma vai sobrar mais dinheiro para o pagamento das parcelas do empréstimo;

- Faça uma simulação do empréstimo com diversos cenários diferentes de parcelamento. Tente não parcelar em muitas vezes, pois o custo efetivo total do empréstimo será maior;

- Evite utilizar o cartão de crédito até terminar de pagar o empréstimo. Assim, você não corre o risco de ficar devendo novamente.

Lembre-se: nada disso surtirá efeito se você não cortar os gastos e reduzir as despesas. “Trabalhe mais. Faça horas extras. Busque remuneração adicional. Tem que trabalhar nos dois lados da equação: cortar despesas e aumentar receitas. Quanto mais eficiência numa ponta menos sacrifício será necessário na outra”, ressalta Modernell.

Fonte: Isabella Abreu/dinheirama.com.br
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen, criador do portal www.mayel.com.br

Como os atletas perdem milhões
Recentemente, um amigo me enviou um artigo de revista que continha alguns exemplos divertidos dos gastos fora de controle de atletas profissionais. C...
Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions