A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


21/04/2014 08:35

Geração X: "geração do CDI"

(*) Emanuel Gutierrez Steffen

Os brasileiros com idade na casa dos 40 anos (a tal da "geração X") é conhecido no mercado financeiro como a geração do over night, ou a geração do CDI. A "geração X" viveu a segunda metade dos anos 60, época em que o Brasil passava pelo Regime Militar, bem como a década de 70, quando passou a sofrer censura pela ditadura. Mais tarde, lá pelos anos 80, a nação presenciava as "Diretas Já"; a geração X, ou seja, aqueles nascidos entre 1965 e 1983 passaram por diversos acontecimentos políticos e sociais como, por exemplo, o impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, a queda do muro de Berlim e o aparecimento da AIDS. Além do mais, trata-se de uma geração que passou a ter contato com a internet e as novas tecnologias, e a pagar suas contas com cruzeiro, cruzado e cruzado novo. São profissionais que adquiriram o hábito de trabalhar mais para ganhar dinheiro, para ter reservas em momentos de crise, além de se mostrarem apegados a títulos e cargos.

Veja Mais
Os investimentos e seus custos
Como os atletas perdem milhões

Como mostra a história, durante quase 20 anos (do final da década de 80 ao início dos anos 2000) nunca se ganhou tanto dinheiro aplicando simplesmente em títulos pós-fixados do governo federal, em CDBs de bancos de primeira linha ou qualquer produto que pagasse a variação da taxa Selic ou do CDI, produtos “quase” sem risco. Durante esse período taxas de “juros reais” de às vezes mais de 20% eram realidade. O que se vivia era primeiro um momento de descontrole inflacionário no final do governo Sarney, e depois nos governos do Collor/ Itamar Franco, até que o plano Real foi implementado quando o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ainda era ministro da fazenda do Itamar. Estruturar um plano para acabar com a inflação que convivíamos desde o começo dos anos 80 exigia que o governo mantevesse as taxas de juros real (os juros que são pagos além da inflação) em patamares bem elevados e por bastante tempo. Isso acabou por criar um "vício” de investimentos nesta geração: era só aplicar nos juros e ir dormir. Ganhava-se dinheiro muito fácil.

Com a maturação da estabilidade econômica o governo pôde finalmente começar a abaixar os juros, aliás nenhum outro governo do mundo conseguiria sobreviver por muito tempo pagando as taxas de juros que pagávamos aqui. E com a queda dos juros veio o grande problema para esta geração de investidores. "E agora? Como vou investir meu dinheiro para preparar a aposentadoria, ou a reserva para pagar a faculdade do meu filho." Quando o mercado ajuda, como era o caso da era do CDI, ou do período de 2003 até 2008 em que a Bolsa subiu de 10 mil a 70 mil pontos, realmente era muito fácil para essas empresas. Como tudo na vida o mercado financeiro é feito de ciclos, e a partir de 2008 a bonança de juros altos e de Bolsa em ascensão acabou. Aí é que aparece o valor de uma assessoria de investimentos responsável. Em ciclos de altas qualquer corretora é boa. Em ciclos de baixa ou mesmo com mercados estáveis o investidor tem que fazer a lição de casa. E é exatamente nesse ambiente é que a "geração do CDI" sofre. Ela não está tão acostumada a pesquisar, ir atrás de informações sobre produtos, taxas de administração e tudo aquilo que pode influenciar na rentabilidade de seus investimentos.

Para finalizar, lembre-se: 1% ao ano capitalizado durante 30 anos dá uma diferença de 34% lá na frente. Ou se você aplicar seu dinheiro 1% melhor do que simplesmente ir nos produtos tradicionais que seu gerente de agência tenta te vender toda vez que sobra um pouco na sua conta corrente, fará um a enorme diferença no seu poder de compra quando você estiver prestes a se aposentar. E então amigo leitor o que achou? Deixe seu comentário logo abaixo. Até a próxima!

Fonte de Informações: http://blog.rico.com.vc/

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen– Criador do portal www.manualinvest.com

Os investimentos e seus custos
Taxas. Está aí uma palavra que ninguém gosta, mas que tem que aturar. Elas estão em todo o lugar, e mesmo quando não estão visíveis, pode ter certeza...
Como os atletas perdem milhões
Recentemente, um amigo me enviou um artigo de revista que continha alguns exemplos divertidos dos gastos fora de controle de atletas profissionais. C...
Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions