A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


04/10/2013 08:28

Quanto é o suficiente?

Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Uma pesquisa de economistas e estatísticos feita com 450 mil americanos, publicada pela revista científica PNAS, mostrando que “para ser feliz, o importante não é ser rico, mas sim, não ser pobre”. O ganho mensal para essa suposta tranqüilidade giraria em torno de R$ 11,3 mil. Qualquer valor acima desse não mudaria muito o grau de felicidade. Será?

Após atingirem esse piso salarial, outros itens que também trariam a felicidade seriam: “Ser religioso”;“Possuir plano de saúde”;“Felicidade de ter filhos”. Ou seja, no caso da pesquisa acima, 450 mil americanos acreditam que ao receber mensalmente quase R$ 12 mil (valor convertido a partir do dólar, moeda usada na pesquisa) sua a felicidade atingiria um patamar estável. Contextualizado o estudo para o Brasil acredito que seja difícil estipular um piso salarial em que a felicidade é garantida. Muitos de nós com certeza conhecemos pessoas nos dois extremos da renda, e que possuem atitudes e sentimentos em relação à vida que também são opostos, ou seja, alguns com pouca renda e felizes, e outros com muita renda mas insatisfeitos com suas vidas.

Uma verdade notória é que a maioria das pessoas acaba “medindo” a felicidade através do “carro do ano”, da “bela casa”, ou possuir um produto “Apple” de última geração. Muitos brasileiros (muitos de nós, na verdade) vêem no consumo a fonte da verdadeira felicidade, e para obtê-la á “qualquer preço”, acabam lançando mão do crédito no cartão, do cheque especial, do financiamento á longo prazo, e etc. Resultado: Alto comprometimento do orçamento com dívidas, inadimplência, e por fim SPC & SERASA. O pior é que muito deste esforço é realizada não apenas para suprir necessidades legitimas e imediatas, mas sim, para manter um status social, andar na moda e passar uma imagem (falsa) á terceiros.

É obvio que ganhar um (muito) bom salário traz benefícios e mais qualidade de vida, mas a discussão é: O quanto preciso receber para ser supostamente mais feliz? O conceito de riqueza sofre as influências da subjetividade, sendo assim, o que pode ser considerado como suficiente para a felicidade para uns, pode não ser para outros. Mas e você amigo leitor. Concorda com o valor da pesquisa? Você acredita que é possível estabelecer um valor de salário determinado para conseguir a felicidade estável? Existe felicidade estável? Responder a perguntas como estas pode ser o primeiro passo para a busca da liberdade financeira, ou na escolha de um plano de aposentaria, ou mesmo de um projeto de vida. Quanto é o suficiente para você?

(*) Com informações Dinheirama.

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas conseqüências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Criador do portal www.manualinvest.com 

Educação em foco VI - Como escolher a pós-graduação ideal
Mestrado, doutorado, MBA, especializações. Opções não faltam para quem está pensando em fazer uma pós-graduação. Mas como saber qual opção é a mais i...
Educação em foco V - Como escolher a pré-escola
Que critérios usar para escolher a melhor Educação Infantil? Para ajudá-lo na tomada da decisão levantamos 15 questões que precisam ser observadas an...
Educação em foco IV - Como escolher uma autoescola
A autoescola exerce papel fundamental na formação de um condutor que seja capaz de realizar os testes do Detran, ser aprovado e ter condições para sa...
Educação em foco III - Escolher uma escola de idiomas
Se você vê a aprendizagem de uma nova língua, seja para si mesmo ou para algum dependente, não como um gasto desnecessário, mas como uma oportunidade...



Acredito que não exista um patamar de felicidade, proporcional à determinado valor de renda. Existem famílias ricas extremamente infelizes, justamente em razão de valorização exacerbada do ter em detrimento do ser, enquanto há famílias com padrão de vida modesto, mas onde o clima familiar é de união, harmonia e felicidade. Isso é muito relativo.
O dinheiro, quando bem empregado, traz muitos benefícios, conforto, facilidades, mas ser feliz é muito mais uma postura diante da vida, com muito dinheiro, com o suficiente ou com pouco.
De qualquer forma, interessante o texto, em especial o seu terceiro parágrafo!
 
Bruno Costa em 04/10/2013 14:13:14
Por motivo desconhecido o autor da materia decide que para Brasil as conclusões não valem, isso baseado no "fato" de dizer conhecer pobre feliz e rico infeliz. No entanto, conclusões cientificas não se basea em fatos isolados mas em pesquisa. Por enquanto, contrario a Emanuel, acredito que aqui em Brasil poderiamos chegar à mesma conclusão: de existir sim um patamar de renda acima da qual a grande maioria das pessoas é feliz, independente da renda ser um pouco ou muito maior que esta renda indicada. Assim só resta a pergunta: e então quanto seria esta renda na situação Brasileira?
 
Marcos da Silva em 04/10/2013 12:02:56
Muito bom os artigos de "Finanças e Investimentos", sempre com uma curiosidade ou dica que tem sempre como ser aproveitadas no cotidiano. Parabéns Emanuel
 
BRUNO VIEIRA GONÇALVES em 04/10/2013 10:56:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions