A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


02/10/2013 08:11

Use o dinheiro para “comprar felicidade”

Emanuel Gutierrez Steffen (*)

A escritora Elizabeth Dunn, professora de Psicologia na University of British Columbia, no Canadá, e Michael Norton, palestrante da área de marketing na Harvard Business School, nos Estados Unidos, escreveram o livro “Happy money: the science of smarter spending” (em tradução livre “Dinheiro feliz: a ciência de como gastar melhor”), que acaba de ser lançado nos Estados Unidos (sem versão em português). O livro traz uma abordagem diferente sobre dinheiro, controle do orçamento, estilo de vida, e felicidade. Conheça a seguir um pouco mais das ideias deste livro.

Veja Mais
Analfabetismo financeiro segue alto na era da informação
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?

Discussões que envolvem dinheiro e felicidade costumam ser acaloradas e render muito “pano pra manga”. Em meio a tudo isso pesquisas realizadas sobre o tema chegam para fomenta-lo ainda mais. Como exemplo, temos o caso da pesquisa britânica que concluiu que amigos trazem mais felicidade do que dinheiro. E ainda, a conclusão de especialistas em economia comportamental, que dizem que o que deixa uma pessoa feliz não é ela “ganhar bem”, mas sim, ela “ganhar melhor” do que os vizinhos.

O livro diz que as escolhas que as pessoas fazem em relação aos seus gastos desencadeiam uma série de efeitos biológicos e emocionais. Fazer viagens, pagar integralmente um produto antes de usá-lo e ajudar os outros são, segundo eles, formas de usar o dinheiro para ser mais feliz. Segundo os autores, o dinheiro, em qualquer quantidade, pode “comprar felicidade”. Para isso, basta que ele seja bem usado. Confira mais alguns conselhos deste livro, que podem ser muito úteis em sua vida:

1 - Compre experiências. Muita gente sonha em ter a casa própria, mas pesquisas recentes sugerem que coisas materiais trazem menos felicidade do que experiências, como viagens, concertos e jantares;

2 - Limite seu acesso a coisas de que gosta. Muitos moradores de Londres nunca visitaram o Big Ben. A explicação é simples: quando algo está disponível sempre, as pessoas tendem a dar menor valor. Limitar nosso acesso a coisas das quais gostamos nos faz mais felizes;

3 - Compre tempo. Terceirizar tarefas que consideramos chatas, como a faxina da casa, é um gasto que pode fazer as pessoas mais felizes. Quando as pessoas focam o tempo e não o dinheiro, elas conseguem fazem escolhas que trazem maior bem-estar;

4 - Pague agora, consuma depois. Financiamentos e cartões de crédito encorajam muita gente a consumir coisas hoje e pagar a conta depois. A sugestão dos autores do livro é que essa lógica seja invertida, já que adiar o consumo faz com que as pessoas tenham o prazer da espera (o que gera maior sensação de apego e alegria). Além disso, tendemos a exagerar menos nos gastos quando pagamos antes;

5 - Invista nos outros. No Canadá, uma filha presenteia a mãe com um lenço de seda. Em Uganda, uma jovem compra um remédio para tratar a malária de uma amiga. Os dois casos têm algo em comum: a felicidade da pessoa que faz a doação. Segundo os autores do livro, pesquisas mostram que gastar dinheiro com outras pessoas traz mais felicidade do que gastar conosco. E você leitor, o que achou das ideias deste livro? Concorda que é possível “comprar felicidade” focando em experiências? Até a próxima.

(*) Com informações de Uol Economia/Dinheirama.

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen– Criador do portal www.manualinvest.com

Analfabetismo financeiro segue alto na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...
Não supervalorize coisas
Um experimento social muito famoso, executado em diversos países e no Brasil, relaciona dois grupos de indivíduos: o primeiro grupo ganha um objeto e...
O brasileiro nasce, cresce, põe o nome no Serasa e morre?
A pergunta do título é, na verdade, uma piada (de mau gosto) antiga que circula no Brasil. Com as taxas de juros que praticamos aqui, é muito fácil s...



O dinheiro não dá felicidade. Mas paga tudo o que ela gasta.
Millôr Fernandes
 
Valquiria Estival em 03/10/2013 12:52:32
Quem falou que dinheiro não traz Felicidade.....não trabalha pra ver o quão triste vc vai ficar..
O dinheiro não traz a felicidade. Manda buscar
Millôr Fernandes
 
Valquiria Estival em 03/10/2013 12:49:25
Concordo com quase tudo. Só não concordo com "terceirizar tarefas de casa com a faxina é um gasto que pode fazer as pessoas mais felizes." Isso faz é com que as pessoas fiquem mais preguiçosas e com menos dinheiro pra gastar com coisas legais como produtos legais, viagens, etc. Geralmente quem terceiriza faxina, terceiriza quase tudo. É meio ilusório esse mundo. Mas com o resto concordo. Ter experiências é melhor do que ter coisas.
 
Paulo Miranda em 02/10/2013 15:43:31
Título do livro anotado, Emanuel. Ótima sugestão.
Muito boa sua coluna, com excelente abordagem sobre esse tema (finanças pessoais), tão negligenciado pela maioria da população brasileira, em prejuízo próprio.
Mas sugiro que os artigos permaneçam mais tempo publicados, com atualizações mais espaçadas (Mensal, talvez, ou no mínimo qunizenal), de forma a alcançar inclusive os leitores que "pinçam assuntos rapidamente".
Bom trabalho e boas idéias.
 
Julio Cesar Machado em 02/10/2013 15:10:31
verdade.tenho feito isso e um pouco mais e me sinto muito feliz.pessoas que fazem isso existe na vida do outro.
 
erenice santos p lopes em 02/10/2013 14:04:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions