A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016



28/11/2011 07:15

A poesia cantante de Adair José de Aguiar

Grandezas da Literatura

O universo e as leis gerais são, há milhares de anos, resumidos em puro amor, por estudiosos, intuitivos, religiosos, pensadores de todo naipe. Estranhar-se não há, que poetas transpirem, vivam e morram de amor. O amor é mágico, miraculoso. Desafia a matemática. É algo que se multiplica quanto mais é dado. Quanto mais se divide, e a cada nova entrega mais se tem o amor, por causa disso, no coração.

Veja Mais
Currículo - Guimarães Rocha
Fausto Furlan

“Sonetos & Sonatas”, de Adair José de Aguiar, é uma canção de amor. Livro publicado em 2006, 172 páginas, traz sonetos no modo italiano e a universal música poética. Os versos cantam e dançam; o leitor mergulha em variados sabores e cores, vive o amor e a dor, saudade, alegria e prantos, fl ores gritantes da espiritualidade.

Adair José de Aguiar, nascido em Cruz Alta, Rio Grande do Sul, poeta escritor, cordelista, advogado professor, também formado em Filosofia e Letras, ocupa a cadeira nº 26 da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras, patrono Pedro Medeiros. Reside em Indaial, Santa Catarina, onde é Cidadão Honorário. Publicou, além de “Sonetos & Sonatas” as obras “Sarabico e Tico-Tico”, “Migalhas de Poemas”, “Minha Terra”, “Poemas para Indaial”, “Laís”, “Alma Gaúcha”, “Carreteiro da Saudade” e várias outras.

Canta a poesia com o encaixe inovador de palavras, saindo do convencional. Criativo e tradicional - sublima a mulher: no soneto “A Desconhecida”, escreve que “Todos os dias é assim, cedinho, /Ela, em silêncio, cruza o meu caminho, /Como uma santa que fugiu do altar”. Ama uma goteira: “Mas, no abandono que meu peito abriga, /Por vezes, sonho com meu lar ruinoso, /Sinto saudades da goteira antiga”.

Canta a paisagem urbana, amores e sofreres. “Era um cenário plácido de dia, /De muita paz, de tépida harmonia /Por entre os ramos das bonitas fl ores. — Mas ao cair a escuridão deserta, /O lado vil do ser humano esperta /E vem, na Praça, soluçar as dores”.

O autor tem parceria com a saudade. Saudade das ruas, praças, desamores, cidades; é nostálgico dos anoiteceres na fazenda, do enternecer da passarada, terra, e a tudo isso homenageia. Sabe, portanto, do miraculoso Dom de Deus: em Amor Infinito, “Amor divino e de misericórdia /Que, dividido para a humanidade, /É todo inteiro para cada um”. Também observa a tristeza humana desistente: “Boêmio, sem destino, passa e vai, sozinho /Cigano da ilusão, querido ou mal-fadado, /alvoroçando cães nas curvas do caminho”.

O amoroso guarda certo sabor gostosamente sofrido ao abrigar com carinho na memória uma desilusão. Na construção “Castigo”: “Tudo estraguei por ela e o meu castigo /É tê-la viva e doloridamente, /Nesta lembrança a soluçar comigo”. E em “Cinzas”: “Se foi de fl ores que vivi outrora, /Agora vivo de saudade em flor”. Depois, abismado em sentimentos no “Desentendimento”: “Ela se foi e não terá meu pranto, /Levou meu coração. Deixou, no entanto, /A imensa dor desta cruel saudade!”. E ainda, com “Dois Lados”: “Nem só a dor causa pranto, /também se chora de amor”.

Um homem coração. Tem a força de dizer em “Esforço vão”: “Nunca terei dureza de rochedo, /Serei um homem simples e com medo, /Um dominado pelo coração”. Vivido sóbrio e realista no item “Inconfessável”: “O mundo gosta é dos que são felizes, /Repele veemente os infelizes, /Não quer saber de dores, nem de ais... — Estas chagas da alma tão profundas /Irão a muitos parecer imundas /Se as disseres, sofrerás bem mais...”.

Todo poeta tem que saber pedir licença à morte. Na composição “O Ferreiro”, Adair chora: “Tanto bati, que ele ficou torto, / Destemperou-se e está sem solução, /É ferro velho, um coração já morto”. E vai, com “O Regresso”: “Voltei. Eu vim para ouvir a saudade, /Única voz audível, no abandono /Do lar, em que morreu a mocidade”.

O ato de morrer tem o nome de traição nos “Olhos azuis”: “Este meu sonho azul desses teus olhos /É mais um pesadelo do que um sonho, /Em vez de praias, são tredos escolhos. — Pedras azuis, brilhantes, mas geladas, /Um turbilhão azul, meu Deus, medonho, / Onde esperanças foram sepultadas”. A hombridade lúcida abraça, desassombrada, a “Prece”: “Sofri, na vida, mais de mil desterros, / Desilusões de amores malogrados. /Vivi o inferno dos desesperados, / Morri e presenciei os meus enterros”.

Adair, a misericórdia te espera no tempo, com um olhar flamejante que merecem os poetas jamais perdedores dos amores perdidos.

Currículo - Guimarães Rocha
Guimarães Rocha (Antonio Alves Guimarães) é poeta escritor, membro da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. Nasceu em Quixeramobim, Ceará. Viveu em ...
Fausto Furlan
Nosso agradecimento ao artista Fausto Furlan, pintor, ilustrador das imagens dos poetas e escritores homenageados.(Pintor e cenógrafo, Fausto Furlan,...
Reconhecimento
A ABOIMS se orgulha de possuir em seu quadro de associados figura tão eloqüente quanto você. Guerreiro tenaz, ingressou na nossa gloriosa Policia Mil...
Uma construção que nos faz tocar estrelas
Esta obra de Guimarães Rocha é uma sondagem reveladora.Um arranha-céu ornamentado por uma constelação de ilimitados valores. A literatura, um choque ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions