A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016



30/11/2011 07:15

Américo Calheiros e a poesia da divina cor

Grandezas da Literatura

O ser humano com a capacidade de sentir e raciocinar, abstrair e transcender pelo pensamento, por estar irresistivelmente sujeito à evolução intelectual e moral tinha que chegar, com o tempo, a constatar que o mais importante da vida é a essência das coisas. Assim, mesmo compreendendo as exterioridades de tudo que existe — também como algo sagrado e reverenciável, concluirá, aguçando a percepção na busca do tesouro sempre escondido, que a realidade e a natureza, a beleza ou degeneração, residem, observáveis, intensamente mais no íntimo, na interioridade e não apenas em aparências.

Veja Mais
Currículo - Guimarães Rocha
Fausto Furlan

A cor da pele condicionando discriminação faz parte da estupidez. O mínimo de crescimento humano real é o bastante para se libertar do fantasma da cor que obstrui o reconhecimento e a aceitação dos semelhantes. O livro Da Cor da Sua Pele, de Américo Calheiros, lançado em 1999 tem um grito ardente e multifacetado, dirigido a toda cor.

Américo Ferreira Calheiros ocupa a cadeira número sete da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras, substituindo o padre Félix Zavattaro (em memória) e tendo por patrono José Barnabé de Mesquita. Professor escritor, formado em Letras, poeta teatrólogo, hoje é presidente da Fundação de Cultura do Estado de Mato Grosso do Sul. Criou o Grupo Teatral Amador Campo-Grandense (Gutac), implantando o teatro como veículo de educação na rede municipal de Ensino; foi presidente da Fundação Municipal de Cultura Esporte e Lazer, Campo Grande. Publicou também: “Sem Versos”; “Memória de Jornal”; “A Nuvem que Choveu”; e, neste mês (dezembro), “Na virada da esquina” (crônicas) e “Poesia pra que te quero”.

O livro Da Cor da Sua Pele é um espaço de reflexão, uma viagem com amor e dor, humor. Estuda e questiona as tragédias e degenerescências advindas do preconceito. Motiva e desafia a negritude para superar a opressão e ganhar individualidade. Faz uma festa condensada na divina cor.

No poema “Mãe África Sou Seu Filho”, saúda o continente com a reverência de um bom crente nos orixás: — Eparrê, (...) /Pantera acuada (!). A África é o berço da humanidade, a ciência teria confirmado ali a origem do homem moderno. Em “Anjos Negros” define “Espíritos da África /Almas do Brasil”, fazendo-lhes justiça em nome da verdade de que “fizeram” o país.

Com a construção Força Negra, desafia: “Tira a canga /Ganga Zumba”. Canga é a sujeição pela força (escravidão). Ganga Zumba (na língua banto, título de Grande Senhor) foi o primeiro líder notável no Quilombo (que significa povoação) dos Palmares; acreditou num falso tratado de paz prometido pelo mundo branco. Depois, Zumbi (em banto, Senhor da Guerra), o último grande herói guerreiro de Palmares (Alagoas), resistiu ferozmente à tirania. Dia Nacional da Consciência Negra é 20 de novembro no Brasil, em lembrança de Zumbi, morto nessa data em 1695.

Calheiros identifica a generosidade tão divulgada nos negros, especialmente os mais velhos. Em Preto Velho, sintetiza: “Nego véio não nega /Faz a consulta de graça (...) /Reza a reza da esperança”. Negros armados com a força bruta. Capoeira resistência. Negros armados com o coração.

Saravá (quer dizer: Salve! — e indica força, natureza, movimento). A palavra, temida pelos que hostilizam com ódio irracional os cultos afro-brasileiros, é usada serenamente pelo autor. Saravá: “Saravá todas as luzes” — “Saravá todos os altares” — “Saravá Oxalá / Que é um só /Pai de todos os santos /Chefe de todas as nações /Luz de todos os olhares”.

Dia virá, a questão negra será ultrapassada do sentido da memória ultrajada, ferida vergonhosa na história, cicatriz. Estudaremos os desatinos em nome de raça, como se estudam aberrações cometidas pelo poder cego e rude em recuadas eras, casos remotos superados pela humanização.

Currículo - Guimarães Rocha
Guimarães Rocha (Antonio Alves Guimarães) é poeta escritor, membro da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. Nasceu em Quixeramobim, Ceará. Viveu em ...
Fausto Furlan
Nosso agradecimento ao artista Fausto Furlan, pintor, ilustrador das imagens dos poetas e escritores homenageados.(Pintor e cenógrafo, Fausto Furlan,...
Reconhecimento
A ABOIMS se orgulha de possuir em seu quadro de associados figura tão eloqüente quanto você. Guerreiro tenaz, ingressou na nossa gloriosa Policia Mil...
Uma construção que nos faz tocar estrelas
Esta obra de Guimarães Rocha é uma sondagem reveladora.Um arranha-céu ornamentado por uma constelação de ilimitados valores. A literatura, um choque ...



Mais um belíssimo texto produzido por este maravilhoso escritor e uma justa homenagem a esse militante da educação e da cultura, mas sobretudo, na própria obra do homenagiado citada uma por Guimaraes Rocha, uma homenagem a toda uma etinia, a toda uma negritude. Parabéns G. R e espero que um dia tu publique estes texto em uma unica obra para sempres estarmos retomando-os.
 
Antonio Barbosa da Silva em 30/11/2011 06:11:28
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions