A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016



15/11/2011 08:15

O amor se recusou a ser antigo em Júlio Guimarães

Grandezas da Literatura

O modo de amar venerador, solícito e sofredor é tratado por muitos como pertencente a uma época ultrapassada, antiquada. Como se fosse possível estabelecer um método moderno de amar. As psicologias e novas dissimulações sociais criaram “elegâncias” que descartam, por exemplo, a sinceridade da intenção pura; praticamente condenam a inocência das palavras e chegam a debochar da mesura e do cavalheirismo. Mas o amor é atemporal e tem o eterno sabor que nos mostra Júlio Alfredo Guimarães em suas obras reflexas do intenso viver de um chamado “amante à moda antiga”. Não dizemos, aqui, amante apenas no sentido de par romântico; a pureza e simplicidade do coração antecedem, acompanham e deixam esteira aos atos de Júlio Guimarães (03/8/1913, Salvador, BA-02/10/2002, Campo Grande, MS) pela família, crianças, amigos, pátria.

Veja Mais
Currículo - Guimarães Rocha
Fausto Furlan

Júlio Alfredo Guimarães, poeta escritor, coronel reformado do Exército Brasileiro, ocupou na Academia Sul-Mato-Grossense de Letras (sócio-fundador) a cadeira 12 – hoje ocupada por Orlando Antunes Batista, patrono marechal Cândido Mariano da Silva Rondon. Membro da Academia Municipalista de Letras do Brasil; fundador do Lions Clube de Campo Grande Norte. Sócio Benemérito da Associação de Novos Escritores de MS. Escreveu e publicou, dentre outros, os livros de poesia “Rondon e a Natureza” (1965), “Refúgio d’Alma” (1969), “Mensagem de Amor e Paz” (1977) e “O livro das Mães” (2001, antologia que organizou e de que participou). Foi colaborador em diversos jornais e revistas.

Em “Rondon e a Natureza”, Júlio Guimarães entoa a glória do “Bandeirante do Século 20”. Recebe por prefácio as apreciações do poeta escritor professor Adair José de Aguiar e também de Ulysses Serra (escritor poeta, primeiro fundador da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras), que o elogia: “(o poema) é cadência, é musicalidade, é luz e cor na beleza dos seus versos. É bronzeado como o bororo, o pareci e o xavante. Tem o vermelho do urucum do índio e o verde da clorofila das árvores tropicais das nossas matas. Murmurejam nele os regatos e rios por onde Rondon passou e recendem fl ores e frutos. (...)”.

No livro “Refúgio d’Alma”, o autor sacramenta o seu estilo distinguido pela preponderância do sentimento e da inspiração sobre a métrica e a rima. Para ele, “(...) As palavras difíceis, as frases raras/ A métrica forçada, as rimas caras, (...)” mudam o sentido dos versos e destroem a poesia. Apresenta fortes verdades simples como no poema “Amigos”: “(...) O que é vendido tem valor marcado, /E o valor do que é dado ninguém sabe... (...)”; e no item “O amor e o desejo”: “Quem deseja tem as mãos e os olhos cravados na terra, /Quem ama tem os olhos e as mãos voltados para o céu. (...)”. E do mesmo livro, no item “Guerra e Paz”: “O ideal ninguém mata /Corre como uma cascata /De um coração para outro (...)”.

Nessa obra (Refúgio d’Alma) Júlio patriota ainda faz odes a Campo Grande, Mato Grosso do Sul e Brasil amado. E sobre o marechal Rondon, que “desbravou os sertões brasileiros”: “Ele uniu/ com o sangue de seu corpo /E o suor de seu rosto /A civilização, a natureza hostil /Por centenas de vezes /Viu a morte de perto /Porém isso jamais /O conseguiu parar /Pois não temia a morte. /Seu medo era matar.”. “(...) Ele morreu de pé /Como árvore da serra /Espalhando raízes pela terra /Que ele tanto amou (...)”.

O amigo Júlio Guimarães trazia sempre nas expressões um caudal de sentimentos. Ama a família, imortaliza a esposa Aparecida Salomão Guimarães. Em “O livro das Mães”, no que levanta por epígrafe que “Num coração de mãe o amor tem reflexos de Deus”, organiza antologia no tema e aí registra poemas seus erguidos à mamãe Julia Coelho Guimarães. “Guardo em mim teu sorriso de alegria /E a lágrima de dor que te amargava, /Pois sorrias feliz, quando eu sorria, /E choravas em prantos se eu chorava...”. “O mais sublime de todos os amores, /O amor de mãe é o que tem mais graças, /Num misto de alegrias e de dores, (...)”.

Júlio Alfredo Guimarães! Por ser verdade que somos servidos por aquilo que contemplamos, acompanha-lhe o amor a que você serviu. Oramos com o seu poema “A Morte”: “(...) Vai-se o corpo, a matéria fraca e doentia /Mas fica a alma, ficam as ações /E toda vez que lerem os meus versos /Eu viverei em todos corações”.

Currículo - Guimarães Rocha
Guimarães Rocha (Antonio Alves Guimarães) é poeta escritor, membro da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. Nasceu em Quixeramobim, Ceará. Viveu em ...
Fausto Furlan
Nosso agradecimento ao artista Fausto Furlan, pintor, ilustrador das imagens dos poetas e escritores homenageados.(Pintor e cenógrafo, Fausto Furlan,...
Reconhecimento
A ABOIMS se orgulha de possuir em seu quadro de associados figura tão eloqüente quanto você. Guerreiro tenaz, ingressou na nossa gloriosa Policia Mil...
Uma construção que nos faz tocar estrelas
Esta obra de Guimarães Rocha é uma sondagem reveladora.Um arranha-céu ornamentado por uma constelação de ilimitados valores. A literatura, um choque ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions