A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016



26/12/2011 08:15

Reginaldo Alves alcança a beleza com o Paladino do Pantanal

Grandezas da Literatura

O romance histórico-didático “O Paladino do Pantanal”, trazido em 2001 pelo escritor editor, poeta e professor, hoje (2010) presidente da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras Reginaldo Alves de Araújo, é um toque de percepção daquilo que oscila entre o céu e a terra, um enfeixar das realidades do espinho do chão com as belezas da nossa alma cuja natureza flutuante busca a plenitude. Proteger a natureza.

Veja Mais
Currículo - Guimarães Rocha
Fausto Furlan

Que mais é isso a não ser amar e beijar a si mesmo, a Deus e a todas as coisas resumidas em tudo que é sagrado? Suprema loucura é ofender a vida. Destruir a harmonia de que faze- mos parte signifi ca perigosa doença psicótica, a expressão miserável de um vulgar suicídio.

A toda ação covarde tem que corresponder um ato heróico para que o equilíbrio seja restabelecido. Quero dizer: abnegados saneadores colocam-se em sacrifício para desobstruir caminhos entupidos pelo lixo da irresponsabilidade. Compartilhando naturalmente a faixa vibratória do amor à natureza, quis Reginaldo contemplar a história de Astúrio Ferreira dos Santos, nascido em Nioaque, a quem chama “O Paladino do Pantanal”.

Graças à necessidade de contexto, dá-nos ensinamentos técnicos sobre o poderoso santuário. Usos e curas. Espiritualidade. Do que suscita preocupações entre os que inutilmente temem os fenômenos naturais como as impressionantes enchentes do paraíso, surpreende só mais um dos infi nitos momentos lindos da abastança eterna. Abundância, brotos e renovações incessantes.

Vai, porém, carinhoso, também ao enredo de trabalho vigoroso, pureza sentimental e valores morais da família do protagonista. A narrativa abrange os episódios da formação humana do Paladino, culminando com o seu histórico na fundação e à frente de organizações de ação e resistência como o Comitê de Defesa do Pantanal; e Fundação para a Conservação da Natureza de Mato Grosso do Sul (entidades criadas ao fim da década de 1970). Depois (anos 90), dirigindo a Associação dos Pescadores Amadores e Defensores do Meio Ambiente.

Olhou com cuidado, mas sem medo, e transformou em letras um olhar de censura ao desmazelo governamental diante das profanações dos templos naturais. Mobilizou a sociedade pela preservação do Pantanal. Surpreendeu-se, mas por conquista, com repentinos apoios oficiais às suas iniciativas. Reconhecido na honestidade de seus propósitos, foi mandado à militância como autoridade investida de cargos oficiais de Estado.

Astúrio! Seu pai, o pioneiro gaúcho Fideles Ferreira dos Santos, tangido para esta terra pelas bênçãos de Deus, foi vigoroso peão domador de cavalos, administrador e irmão da vida natural; amou a família num tempo em que as famílias se amavam mais e a solidariedade surgia espontânea. — Astúrio foi também domador, mas de espíritos renitentes na insânia, conivência ou indiferença perante a degenerescência ambiental. Sabe discernir o predador do artesão pescador que necessita ex- trair do rio o seu sustento reverenciando a água e os demais sublimes elementos naturais e amando as barrancas.

Arriscou a vida. Predadores traiçoeiros quiseram matá-lo, como se a vida pudesse ter fi m ou parar por obra da estupidez gananciosa. É vitorioso por criar a cultura ambientalista agora já arraigada neste Estado, mas ainda a ser mais bem praticada, pelo menos por três vertentes: erosão e queimadas (combate) e agrotóxicos (controle).

Quebrou decisões poderosas que implantariam usinas de álcool no paraíso. Sua inspiração de sempre se renova com a frase ao final do livro, no poema de Adão Eudóxio Ribeiro de Oliveira: “Seja no templo qual for, /Eis você na casa de Deus”. Reginaldo Alves de Araújo ocupa a cadeira 21 da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras, anteriormente honrada por Paulo Coelho Machado (em memória), patrono Arlindo de Andrade Gomes.

Escreveu uma dezena de livros, constrói o mundo literário do Estado, é amigo ombro a ombro com o escritor, dirige e colabora com entidades diversas dedicadas à riqueza do pensamento, da palavra e da ação artístico-cultural. Os feitos e fatos constantes do seu vasto currículo levaram-no ao título de Cidadão Sul-Mato-Grossense em 2006 pela Assembleia Legislativa.

Currículo - Guimarães Rocha
Guimarães Rocha (Antonio Alves Guimarães) é poeta escritor, membro da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. Nasceu em Quixeramobim, Ceará. Viveu em ...
Fausto Furlan
Nosso agradecimento ao artista Fausto Furlan, pintor, ilustrador das imagens dos poetas e escritores homenageados.(Pintor e cenógrafo, Fausto Furlan,...
Reconhecimento
A ABOIMS se orgulha de possuir em seu quadro de associados figura tão eloqüente quanto você. Guerreiro tenaz, ingressou na nossa gloriosa Policia Mil...
Uma construção que nos faz tocar estrelas
Esta obra de Guimarães Rocha é uma sondagem reveladora.Um arranha-céu ornamentado por uma constelação de ilimitados valores. A literatura, um choque ...



Através da arte de escrever e sensibilidade que lhe é peculiar,o escritor Reginaldo Alves,traduziu o desejo,a coragem e a dignidade de um ser humano que ousou sair em defesa do Pantanal Sul-Mato-Grossense em época que a democracia ainda acontecia de forma velada no País.Tenho a honra de ter acompanhado esses fatos e poder dizer:Obrigada caríssimo Reginaldo Alves,Asturio F.dos Santos e outros.
 
Nosimar Ferreira dos Santos Rosa em 26/12/2011 10:28:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions