A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


14/02/2014 17:04

‘ Londres, vice de Delcídio?’

Manoel Afonso

CALMA Escolher qual rumo tomar numa eleição não é como escolher o destino das férias. É coisa séria; implica em consequências incomensuráveis. Portanto não se deixe levar pelas aparências e alguns fatos expostos no dia a dia da mídia.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

ATENÇÃO: Algumas datas devem ser observadas no contexto eleitoral e que ditarão o movimento das forças políticas envolvidas no processo. Por esse calendário, o jogo está zerado, ninguém é de ninguém oficialmente. Só flertes e acenos.

A PRIMEIRA data significativa é de 5 de Abril, quando André anunciará sua decisão de concorrer ou não ao Senado. Esse fato será o divisor de águas do processo, pois disso dependem várias candidaturas, composições e coligações partidárias.

ANUNCIADA a decisão pelo governador, estarão abertas as portas, janelas e porteiras partidárias até as respectivas convenções – entre 15 a 30 de junho. Teremos assim quase 3 meses, (a contar de 5 de abril) para se definir os rumos e nomes.

EFERVESCENTE Assim deve ser chamado esse período onde realmente candidaturas e coligações serão sacramentadas – antes nos bastidores - e depois nas convenções, cujo registro da ata poderá ocorrer até 5 de julho na Justiça Eleitoral.

DETALHE Esse prazo entre a realização da convenção e a efetiva entrega para registro da ata na Justiça Eleitoral é valiosa, pois é usado para os últimos ajustes na escolha de nomes. Até última hora tudo pode acontecer. Se pode!

EVIDENTE que os políticos já trabalham com perspectivas e sinalizam vontades nem sempre viáveis – quer pelas resoluções partidárias nacionais ou pela falta de ambiente receptivo, também visto como incoerente aos olhos da opinião pública.

PERSONAGENS: André, Delcídio, Nelsinho, Londres, Schimidt, Murilo e Azambuja compõem o cenário. Uns com maior, outros com menor peso, dependendo do caminho escolhido, serão os fieis da balança, beneficiados ou prejudicados.

ANDRÉ O mais tranquilo dos candidatos ao senado. Com o anunciado apoio a Dilma, independentemente da candidatura de Nelsinho, pode liberar inclusive Giroto para vice de Delcídio, tendo-se em vista que o PR é aliado do PT em nível nacional.

LONDRES Poderia ser ele o vice de Delcídio. Experiente, transita bem no Cone Sul, voz presente em Dourados e sem rejeição com a ala de Zeca do PT. Teria papel de articulador político para agregar forças e aparar arestas no governo.

SCHIMIDT Ainda espera pela resposta do juiz Odilon para que seja o candidato ao governo pelo PDT. Mas Dagoberto diz publicamente que está comprometido com André. A previsão é que o PDT deva ser apenas acompanhante.

MURILO Agregaria a região Sul que sonha em eleger um governador? Surpreendeu como candidato ao Senado: perdeu em Dourados, bateu Moka na capital. Pode se juntar a Azambuja e construir o palanque local de Eduardo Campos e Aécio.

AZAMBUJA Impedido de juntar-se ao PT poderia se unir a Nelsinho ou até a Murilo pregando a renovação. A ideia é interessante com respaldo no que se desenha em nível nacional pelo PSDB e PSB. Dois caminhos perfeitamente viáveis.

A PROPÓSITO Selada a aliança Murilo e Azambuja, a candidatura de Londres como vice de Delcídio ganharia força, pois iria se contrapor à essa chapa exatamente na sua base mais forte situada na Grande Dourados e o Cone Sul. Concorda?

NELSINHO O vexame de Bernal passa a ajudá-lo diante das comparações inevitáveis. Tem a seu favor o bom desempenho do PMDB nas eleições estaduais, mas precisa se aproximar mais de André, dos deputados, prefeitos e vereadores.

DELCÍDIO Só ele pode salvar o PT da derrota. Mas precisa atrair partidos com eleitores de outro perfil e ao mesmo tempo distanciar-se de Bernal, que ficou leproso politicamente - hoje uma figura desinteressante para qualquer candidato.

QUESTÕES: As alterações no cenário político, social e financeiro refletirão até que ponto na sucessão estadual? A contundência e indignação de Aécio e Eduardo Campos podem radicalizar e transformar as eleições em plebiscito anti-PT?

ACUADO Embora no poder, o PT sofre desgastes de toda ordem. A condenação dos mensaleiros inibiu o discurso da moralidade e as comparações entre os gastos da Copa e a carência na Saúde e em outras áreas prioritárias serão inevitáveis.

CRÍTICAS De todos os nomes, apenas Azambuja criticaria o Planalto de forma mais contundente. Mas teria o escopo para transmitir e convencer? Nessa hora valem a experiência, o carisma, a imagem, o discurso e o embasamento cultural.

GASTOS Nem todos os leitores tem ideia do custo de uma candidatura. Não se faz uma campanha para a AL com menos de R$2 milhões e estima-se em R$10 milhões o valor para chegar a Câmara Federal. Para o Senado então, uma loucura.

‘MISTÉRIO’ É velho o ditado: “dinheiro de colchão não ganha eleição”. Os políticos profissionais não admitem gastar recursos do patrimônio pessoal e se viram para captar recursos junto a empresas beneficiadas por suas ações administrativas.

PERGUNTAS no saguão da Assembleia Legislativa: “ Será que Murilo estaria disposto a gastar parte de seu admirável patrimônio, a exemplo de Azambuja com suas fazendas de soja?” Os mais íntimos de ambos juram: jamais!

Eu quase de nada sei. Mas desconfio de muita coisa.” (Guimarães Rosa)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



a tempos que esta acertado PT E PMBD vao caminhar junto aqui em ms só nao ver quem nao quer mas tenho certeza que dourados vai fazer diferença esta eleiçoes .
 
jose roberto em 21/02/2014 07:13:02
Engraçado! o povo só sabe meter o pau nos candidatos antigos. Para contrariar colocaram o Bernal, e olha só o que ta virando a prefeitura de Campo Grande. Eu tb acho legal renovar, ter novas idéias, mas o povo precisa pensar muito antes de votar, pois votar em qualquer um não é um bom negócio para o nosso Estado, nós precisamos de idéias inovativas, gente séria, mas tb gente experiente e que sabe realmente governar um Estado. Por gente nova somente para protestar? acho uma idiotice, as coisas tem de ser muito bem balanceadas, pois nosso Estado não é uma brincadeira, como o Bernal esta fazendo, e este foi eleito em peso pelo povo que não pensa nas consequencias, dai vira esse circo.
 
João Dantas em 20/02/2014 11:25:42
muito interessante o comentario de manoel afonso nosso candidato e nelsinho governador
 
PAULO VIEIRA em 19/02/2014 10:55:40
Londres vice do Delcídio!!!???? Seria o fim da carreira política do Londres. Para o Delcídio tanto faz perder (de novo), pois tem mais quatro anos de mandato como senador.-
 
Osmar Felinto de Mello em 18/02/2014 11:23:01
la em dourados tem um pré candidato que é o ze roberto do psol se depender de nós ele se elege por que tem demostrado bastante coragem nas utimas eleiçoes e bom projetos.
 
antonio carlos de itapora em 18/02/2014 06:53:14
Vou às sessões da Assembleia regularmente e nunca vejo o Londres em plenário. E mesmo assim ainda quer ser vice do Delcídio? É bom que vai, assim afunda logo esse PT.
 
luiz carlos em 17/02/2014 22:11:14
A grande realidade do nosso estado é a carência de novos candidatos comprometido com o povo, precisamos sim de renovar AL, para que haja pessoas com pensamentos novos e comprometidos. O que precisa é acabar com os coronelismo na política, não a possibilidade de deixar um candidato tanto tempo no poder, veja e analise os projetos, leis e emendas, o primeiro e segundo mandato até que fazem alguma coisa, mas depois só encher linguiças!!!
 
Marcio Misuguti em 17/02/2014 12:27:14
A grande verdade que a mídia em sua maioria comprometida com políticos diz e comentam o que eles querem. de todos esses políticos profissionais que querem se reeleger só existe um que merece respeito. O Azambuja é um homem de palavra, honrado, ficha limpa o resto, tudo farinha do mesmo saco.
 
natan silva em 16/02/2014 14:51:49
o eleitor já cansou da velhas raposa da politica e pode ter grande supresa pura ai com os partido que ainda nao esteve no poder vamos fazer diferente eleitor chega de mesmismo temos o psol quem tem dado o exmplo no congresso nacional ou será que a tecnologia evoluiu e cabeça do eleitor ao já temos pré candidato a deputados governador e até senador pola pra frente e ceremos vencedor .
 
josé roberto em 16/02/2014 07:20:11
Os nomes dos pesos pesados de nossa política já estão em evidência há algum tempo. As tratativas por enquanto, apenas nos bastidores. Candidatos à governador, senador, deputados federais, deputados estaduais estão na mídia; a disputa promete ser acirrada, na minha modesta opinião, o único candidato que está com a mão na taça é o governador Andre, mesmo dizendo que não sabe se candidata, veja bem, ele tem base, tem apoio, e, principalmente uma idade na qual nenhum político bem sucedido abdicaria do poder. Portanto, o tempo saberá quem está com a razão.
 
bene rodrigues costa em 15/02/2014 11:26:12
PERSONAGENS: André, Delcídio, Nelsinho, Londres, Schimidt, Murilo e Azambuja compõem o cenário. Esqueceram de Jerson Domingos, Jamil Name nomes que pesam na balança. Faz muito tempo que não se governa Mato Grosso do Sul sem o lendário Jamil Name.
 
josé ivan de almeida em 14/02/2014 19:17:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions