A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


27/12/2013 14:30

‘2014: falta o diferente’

Manoel Afonso

OS IGUAIS Dilma, Aécio, Eduardo Campos e Marina. Os discursos deles se parecem com poucas variações sobre esse ou aquele tema. É como uma receita desenvolvida por vários cozinheiros onde as diferenças ficam apenas no tempero.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

A PERGUNTA Qual seria até aqui a grande proposta dos quatro concorrentes capaz de mexer com a opinião pública, como Collor conseguiu aquela vez? Não só Dilma, como os demais primam pela falta de ousadia, pela mesmice e conservadorismo.

PRIORIDADES Estabilidade da moeda, emprego, superávit da balança, manter os programas de transferência de renda e garantir a existência de uma nova classe social que consome, com carteira assinada e é claro com direito a voto.

DESAFIOS O mensalão, as reformas eleitoral e tributária não tem merecido discursos fortes de todos eles. Optam pela mobilidade social, segurança, infraestrutura, logística e saúde. Aos opositores, falta-lhes contundência nos discursos.

LEITURA Apesar dos pesares, o brasileiro se mostra mais feliz (e mais obeso). Convive com a inflação e se integrou a sociedade de consumo com crédito para casa própria e carro inclusive. Não será fácil seduzi-lo com qualquer promessa.

CONCLUSÃO Ao eleitor mediano não interessa discutir quem é o pai das mudanças que o beneficia. Pouco importa se foi Itamar, FHC ou Lula. Para ele o país caminha no rumo certo e uma mudança drástica no rumo seria temerária.

PREVISÃO: Teremos uma campanha eleitoral morna, sem grandes embates que possam tocar o eleitor. Além da pálida oposição, há de se levar em conta a capacidade do Planalto em acomodar tantos aliados, não importando o custo disso.

RECOMENDO: No livro ‘Os Argentinos’, Ariel Palacios, correspondente da Globo News na Argentina desde 1996, conta um pouco de tudo sobre o vizinho país, com observações interessantes e desmitificando alguns de nossos conceitos .

INFLUÊNCIA 51% dos argentinos são descendentes de italianos e 4;3% da população da capital descendem de africanos, significativos no passado, reduzidos com as baixas na Guerra da Independência, nos conflitos civis e pela febre amarela.

BOVINOS Com 40 milhões de habitantes e um rebanho bovino de 62 milhões de cabeças, consomem 5% da carne produzida no mundo. Mas as primeiras vacas que lá chegaram (1955) eram portuguesas, via Santa Catarina e Assunção.

CONCEITOS: “O argentino é aquele que para cada solução...tem um problema”. “Ser agentino é ser triste. Ser argentino é estar longe” (Júlio Cortazar). O escritor argentino Marco Denevi define os irmãos como “inseguros fantasiados de solenes”.

SAUDADES: Em 1910 os argentinos detinham 50% do PIB da A. Latina e 30 mil de seus ricos moravam em Paris, cidade pela qual eram apaixonados. Conta-se que em suas viagens levavam suas vacas nos transatlânticos para garantir o leite freco.

FOLCLORE: No governo de Trioyen (1922) a situação econômica era tal que seus assessores – para evitar que ele soubesse das notícias ruins, imprimiam para ele exclusivamente a edição de um só exemplar apenas com notícias boas.

O CARA! Após a morte de Peron, o astrólogo e mordomo do palácio José Lopes Rega ‘El Brujo’ virou – por ordem de Isabelita – o poderoso ministro do Bem-Estar Social, ordenando a depuração de ministérios e perseguição à esquerda peronista.

MENEM Gostava da noite, o rei dos galanteios não perdoou nem Madonna. Sempre maquiado, seu cabeleireiro era figura imprescindível no dia a dia; aliás no avião presidencial (o Tango 10) havia uma cadeira de barbearia de uso exclusivo.

FERNANDO DE LA RUA governou o país por 2 anos e 10 dias e saiu da Casa Rosa fugindo de helicóptero. Comparado ao Teodoro, farmacêutico sem graça, marido da Dona Flor de Jorge Amado; “meticuloso e sóbrio até causar exasperação.”

OS KIRCHNERS Se Nestor, desajeitado, mal vestido, estrábico, narigudo e língua presa, ganhou o apelido de ‘O Pinguim’, Cristina, admiradora de Evita Peron, a segunda presidente mais rica da América do Sul, tem a marca da vaidade.

O PEDIDO Na crise de 2002 o jornalista Ariel Palacios, após dar dinheiro e comida a um morador de rua (ex-empresário), ouviu: “Obrigado por isto. Mas poderia me trazer um livro para ler? Assim me sentiria de novo um ser humano”.

CHARME Buenos Aires possui 12.500 quarteirões e 8.970 bares e cafés. A cada 4 quarteirões existem três bares. É tradição que os clientes tenham jornais grátis para ler e podem ficar o tempo que quiser, mesmo só consumindo água mineral.

TABUS Em 1946 os eleitores da capital foram proibidos de votar em candidatos gays e em 1951 a admissão deles ao Exercito foi vetada. Em 1999, criticando a proibição, o Gal Martin Balza disparou: “Não vamos ter uma divisão de costureiras a cavalo”.

‘RIVALIDADE’ Os argentinos fazem melhores piadas de argentinos do que os brasileiros. Os argentinos heterossexuais amam as brasileiras. “Os brasileiros amam detestar a Argentina...e os argentinos odeiam ter que amar tanto o Brasil”.

EM ALTA FHC e Lula tem prestígio entre os argentinos e o sociólogo ainda é muito convidado para palestras. Dilma também tem bom conceito e leva vantagem quando comparada com o estilo vaidoso demais da atual presidente Cristina.

“Argentinos: chega de realidades! Agora nós queremos promessas”. (pichação/ B. Aires))

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions