A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


10/02/2012 11:00

Amplavisão

Manoel Afonso

MEMÓRIA O PMDB ganhou pela primeira vez as eleições para a prefeitura da capital em 1966, aproveitando-se do instituto da sublegenda com Plínio B. Martins e Artur D’Avila Filho. Venceu Plínio, com Hélio Mandetta de vice.

DANTE FILHO resumiu bem: o governador neutralizou a oposição; goza de alta popularidade e faz uma administração acima da média, enfeixando em suas mãos a política estadual de maneira hegemônica.

PARECIDOS André lembra Pedrossian, que diferem de Zeca, Marcelo e Wilson; impedindo os chamados governos paralelos nas secretarias e órgãos oficiais, combatendo a pratica da política varejista, preferindo atuar no atacado.

NO PASSADO alguns segmentos do Governo atendiam mais ao projeto/interesses pessoais dos chefes, quebrando assim a homogeneidade da administração. Era a campanha eleitoral antecipada, provando inclusive ciumeira.

A COMPARAÇÃO encontra sentido. André acompanha de perto o desempenho de auxiliares e tem a rara capacidade de armazenar dados/números em sua memória. Além disso, sua disposição física de cumprir agenda é invejável.

ADVERSÁRIOS reconhecem o mérito gerencial do ‘italiano’ revelado na prefeitura. Apesar das boas performances de Juvêncio e Lúdio, o seu desempenho arrojado acabou se impondo como referencial aos olhos da opinião pública.

PORTANTO, o discurso da ‘oxigenação’ do PT para por fim ao mando do PMDB enfrenta dois problemas: o saldo positivo dos prefeitos peemedebistas e a insustentável imagem gerencial de Vander, formatada no Governo Zeca.

O DISCURSO passa pela pessoalidade do candidato No saguão da AL questionou-se: “Caberá ao Delcídio e Zeca tentar convencer o eleitor? Mas eles não são candidatos! É o discurso de Vander que terá de empolgar, convencer.

“PADRINHOS’ ajudam, mas não decidem a sorte do afilhado-candidato em qualquer situação. Exceções existem, mas há que se levar em conta o conjunto circunstancial. E na eleição prefeitural pesa mais o candidato, menos o partido.

CANDIDATO deve ter tranqüilidade. É como orador falando em público esquivando-se de uma abelha. Perde o raciocínio, se embaralha! É difícil passar credibilidade e defendendo-se de acusações/escândalos do noticiário.

HOJE Vander tem algumas ‘abelhas’ rondando-o. A Justiça é lenta, mas ele já demonstra tensão/insegurança quando questionado. Experiente de campanhas, ele sabe muito bem: em campanha eleitoral, até os ‘muros falam’.

QUANDO o PT defende várias candidaturas à prefeito da capital, acaba confessando suas limitações e aposta no arco de alianças no 2º turno. Aí terá que pisar em cristais na campanha para evitar atritos com possíveis futuros aliados.

VEJA BEM: A língua solta (denuncismo) foi a principal arma do PT para chegar onde chegou. O Zeca que o diga! Evidente: isso se aplica a todos os pleitos/cidades. O desafio: como disputar o 1º turno com o ‘freio de mão puxado’?

HÁ RISCO de começar a campanha de ‘saia justa’. O adversário principal pode disparar e ganhar já no 1º turno. E mudar o discurso/postura no meio de uma campanha é complicado, cheira incoerência e desespero.

‘SOB CONTROLE’ Nos corredores da AL fala-se que Dagoberto apenas faz jogo de cena enquanto espera a decisão sobre a aplicação da “Ficha Limpa’. E mais: sem estrutura para tocar campanha espera momento certo para jogar a toalha.

ANTONIO JOÃO Continua blefando? Ignorou a memória da opinião pública e reviu seus conceitos sobre o PT e Zeca. Quem diria! Mas não vai a lugar algum. Pode no máximo construir sua candidatura a deputado federal.

BERNAL Inspirado naquela candidatura de Dagoberto para se reeleger em 2014? Diz que não. No fundo, no fundo, não tem nada a perder. Mas o convite para candidato a vice seria bem vindo. Vai jogando o velho jogo: ‘bate e assopra’.

SIAMESES Também os candidatos (e donos) dos partidos nanicos adotam o discurso da renovação político-administrativa. Mas o atual momento da vida pública brasileira, manchada por corrupção, deixa-nos céticos e incrédulos.

E AGORA? Em 2001, ACM era o governador e Jacques Wagner deputado federal, que a exemplo de Lula (em campanha), fez discurso apoiando a greve dos policiais militares e defendendo sua legalidade devido aos baixos salários.

AS CONTRADIÇÕES são visíveis em vários pontos da administração. O recente episódio da concessão dos aeroportos obriga-nos a reportar a postura do PT contra a privatização de FHC. O que era pecado foi ‘abençoado’.

NO DESPEJO dos invasores (Pinheirinho) em São José dos Campos, o PT criticou Alckmin. Dilma desceu do trono, ignorou o direito de propriedade (Constituição) e botou a boca no trombone. Pura demagogia eleitoreira.

PREVISÃO Com Tita eleito prefeito de Paranaíba, Jocelito Krug teria chances maiores de chegar à AL em 2014. A região ficaria ‘aberta’, facilitando entendimentos com vereadores e lideranças das cidades. A conferir.

“O que a vida quer da gente é coragem”. (Guimarães Rosa)

PMDB de MS também fragilizado pela Lava Jato
OS IGUAIS A citação ou denúncia envolvendo cardeais do PMDB em esquemas de corrupção colocam o partido em pé de igualdade do PT em termos de credibil...
Clamor popular contra impunidade do policial matador
IMPUNIDADE O conjunto de manobras para beneficiar Ricardo Hy Um Su Moon, o policial rodoviário federal assassino do empresário Adriano Correia do Nas...
Marquinhos e Reinaldo juntos nas eleições de 2018?
DESMAMA Há quem pregue: o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), deveria imitar seu colega do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), acaba...
Algo mudou, só os políticos não percebem
NA MOSCA As centrais sindicais estão 'pê da cara' pelo risco de ficarem sem o velho dinheiro carimbado do imposto sindical. Essa CLT octogenária, ran...



Quando o colunista fala dos partidos "nanicos" faz com preconceito, como se neste caso todos tivessem a mesma conduta, sem considerar a formação política destes, é fato que alguns costumeiramente se rendem ao "encanto da sereia", grande parte porque o eleitor tem exatamente a cabeça do titular da coluna, faz política de mesa de bar, mas, na hora "H" foge do debate se vendendo por migalhas, pena!
 
Carlos Eduardo em 16/02/2012 08:57:19
Admiro o presente colunista, só que na minha opinião, a imprensa deve ser livre mas jamais parcial, para se ter confiança em relação aos leitores.Já que este falou de acusações contra o candidato da oposição, eu também como leitor assíduo me vejo no direito de q este comente sobre a ñ autorização do legislativo para q o STJ investigue o governador atual. Sou um cidadão a favor da democracia
 
david trajano ribeiro araujo em 14/02/2012 07:06:02
Pode parecer absurdo mas peço ao(s) líder(es) do PMDB que não lance candidato a prefeitura da big city. Obrigado pelo trabalho, mas penso que é hora de alternar, capiche!!! Entendo que o PT no Estado fez pouco, mas o PMDB faz também. Já na prefeitura não tem como saber. Vamos aproveitar que o governo federal está de petechico e fazer o casamento. Não dando certo, ai sim voltam com esse grupo. OK?
 
André Fry Dobes em 11/02/2012 09:25:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions