A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


13/01/2012 11:00

Amplavisão

Manoel Afonso

‘O CANDIDATO’ A postura do candidato republicano Mitt Romeney enseja-nos mergulhar na construção de uma candidatura majoritária - em qualquer nível - em regimes que sejam democráticos como Brasil e USA.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

NO CASO de Romeney ele aproveita o vácuo de lideranças no seu partido e as decepções/dúvidas que cercam a administração de Obama. Aliás, ambos representam exatamente a crise de liderança política vivida pelos americanos.

IMAGINE a estrutura e assessoria envolvendo a candidatura deste porte. Cada gesto e palavras são milimetricamente estudados. Não há espaço para ‘improvisos’ (“made in Lula”) que possam motivar críticas e questionamentos na mídia.

O EXECUTIVO tem ‘charme’; atrai pela caneta e o Diário Oficial. Esse olhar vale ‘de Terenos até a Casa Branca’. Excluída apenas a ‘ distância’ entre ambas, o caminho a percorrer pelos pretendentes exige, no mínimo, posturas diferenciadas.

AS ELEIÇÕES reduzem o universo/ fomentam o imaginário popular. Se o americano questiona a poligamia da religião (mórmon) de Mitt Romeney, nosso eleitor interiorano não é diferente: disseca ‘até a alma’ dos pré-candidatos.

ESTEREÓTIPOS variam. Tancredo e Collor eram opostos em tudo. Cada qual com seu lado atraente. Assim como Kennedy, FHC, Bill Clinton, Tony Blair, Margareth Thatcher,, Maluf, Erundina, ACM, Pedrossian e Lúdio .

MUDAR o personagem do candidato é errado. Nem todos têm o sorriso do Tony Blair, tocam piano como o Maluf ou sax como Bill Clynton. Antônio Ermírio foi 10: perdeu mantendo o estilo; não se violentou e valorizou a própria imagem.

A IMAGEM está associada a reputação, caráter e trajetória pessoal. Veja: a fama de canalha acompanhou o ex-deputado Sergio Naya até a sepultura, enquanto o ex-senador Jeferson Perez (AM) deixou-nos um legado de honradez.

ESTIGMA é a condenação – antecipada – pela opinião pública. Impossível se livrar dele. Na vida pública Maluf e Artuzi servem de referências: carregarão esse fardo para sempre, mesmo que sejam absolvidos pela Justiça.

O ELEITOR é critico, mas é passional e conivente. Pode isso? É seu dever ouvir, questionar, comparar e observar os políticos e candidatos. Não pode apenas preservar apenas a cesta básica, mas a dignidade de sua família.

AVANÇOS Um deles é a propagação das escolas profissionalizantes federais, onde o deputado Biffi tem sido o grande batalhador. Com elas nossos jovens terão maiores chances no mercado de trabalho, cada vez mais exigente.

REPETECO A polícia finge que prende; o contraventor finge que é preso. Ironias à parte, o jogo do bicho é tido como uma instituição séria, onde ‘vale o escrito’. Agora, cabe ao Governo achar uma fórmula de legalizá-lo.

O GOVERNO é o ‘rei do jogo’. Não tem sentido jogar os bicheiros na clandestinidade. O recente episódio no Rio de Janeiro mostra isso. Ora! Será que o Governo não ouve as vozes das ruas – favoráveis à legalização da ‘contravenção’?

E PODE? Estaria ou não configurada a propaganda antecipada de Antônio João com sua foto no anúncio do PSD em ônibus urbanos da capital? Ele se diz candidato, mas a propaganda só é permitida após as convenções partidárias.

RECONHECE o TSE como propaganda quem divulga, mesmo dissimulada, a candidatura ainda que ela não seja oficial. E olhe que o empresário já teve problemas com a Justiça Eleitoral pelos mesmos motivos. Não aprendeu?

RADICAIS do Governo, que idolatram a Ditadura de Fidel e rejeitaram a Constituição, querem levar a Comissão da Verdade para rumos inoportunos. Na vida é preciso saber ‘virar a página’. O país tem novas prioridades.

BOLA CHEIA Na edição anterior falei do reconhecimento pela revista Veja da atuação do Giroto e Fábio Trad. Mas cometi um deslize e omiti o fato de Moka ter sido apontado como 3º senador mais atuante. Fica o nosso registro.

‘O PARTO’ A sucessão definitiva de Marcelo Miranda no Dnit não será resolvida a curto prazo. As circunstâncias nebulosas indicam: os interesses políticos colidem com a capacitação profissional/ perfil que o cargo exige.

É PÚBLICA a disputa entre PT/PMDB pelo cargo. Lembram? Até o Teruel, que não é engenheiro do ramo, foi lembrado. Sem ilusões, nos bastidores, os cardeais dos dois partidos articulam para emplacar o superintendente definitivo.

SÓ ESPERANDO Com candidato definido, o PT assiste de camarote a batalha de bastidores dos aliados de André e Nelsinho. Sonha em ser beneficiado pela eventual insatisfação de algum adversário. Mas não é bem assim.

OS ADVERSÁRIOS do PT têm como contemplar facilmente os partidos na administração. Prefeitura e Parque dos Poderes estão mais pertos e são mais acessíveis do que o burocrático Palácio do Planalto.

OS PETISTAS daqui tem encontrado imensas dificuldades em Brasília para emplacar nomeações que contemplem companheiros e aliados. Quantos deles estão aí no sereno esperando uma boquinha? O João Grandão foi último felizardo.

“Eu não mudei ideologicamente. A vida é que muda” (Lula)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



MANOEL EU GOSTARIA QUE VC FALACE POR QUE QUE SO AQUI QUE OS PROFESSORES NAO PODE TER MAIS TEMPO PARA PREPARAR AS AULAS LA NO MATO GROSSO TEM E O ESTADO NAO QUEBROU ; ANTES DE MAIS NADA EU QUERO TE PARABENIZAR PELA COLUNA E DIZER QUE TODA SEXTA A COLUNA AMPLAVISAO E A PRIMEIRA COISA QUE OLHAMOS NO CASSILANDIA JORNAL OU EM QUALQUER JORNAL QUE TEM ESTA COLUNA MUITO OBRIGADO POR SER ESSE BRILANTE JOR
 
Carlos Alberto Cabral da silva em 20/01/2012 02:12:30
Sr. Manoel Afonso, gosto mto de seus artigos e me divirto muitas vezes com seus "comenários" muitas vezes perspicaz. Obrigada. Gostaria de saber se tem alguma noticia sobre a questão dessa monopolização que o governador André Puccinelli, está fazendo com os funcionários públicos, através do B.B. Nós ficamos no meio dessa questão, sem respostas adquadas, a mercê desse tipo de política.Q nos diz?
 
gloria m. silva em 17/01/2012 01:29:20
O eleitor é crítico sim, porém, uma minoria, talvez uns 30 ou 40 por cento. O brasileiro gosta de discutir política apenas por ocasião das eleições; ele não acompanha o trabalho dos parlamentares, muitas veses, siquer sabe o nome dos vereadores, dos deputados estaduais e federais que nos representam, por tal motivo, parlamentares sérios, são injustiçados ao buscar suas reeleições, falta hábito.
 
bene rodrigues da costa em 16/01/2012 10:24:28
Sr.Manoel Afonso,não sei se o Sr. não encontra tempo necessário para escrever mais amiúde a AMPLAVISÃO.Mas,por favor,tente.Esta coluna é muito interessante.Fornece prazer e informação ao ser lida.Continue,sempre.Obrigado.
 
Ronaldo Ancél Alves em 16/01/2012 10:19:53
Esse manoel afonso se supera a cada coluna!!!
 
jose de abreu em 14/01/2012 01:31:51
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions