A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


16/03/2012 10:31

Amplavisão

Manoel Afonso

JÁ ESCREVI: disputar eleição não é ir ao ‘pic nic’, onde bastam poucos amigos ou a família. Esse ‘fogo de palha’ de candidaturas sem respaldo/estrutura financeira devem virar, (como em 2008) cinzas ainda nestas ‘águas de março’.

CONTRASTES O discurso de sustentação de algumas candidaturas não ecoam nos bastidores. Lá, a metodologia de análise da viabilidade é outra. Política de emoção nem pensar! Não há espaço para delírios no contexto atual.

DISCURSAR não basta! É preciso acenar com projetos palpáveis e nome de notória capacidade gerencial na administração pública. Governo não é extensão de partido comandado por parentes/funcionários/dependentes. É bem mais...

NO SAGUÃO da AL questionou-se: a candidatura de Azambuja preocupa mais seus próprios companheiros com cargos no Governo/Prefeitura do que os aliados do PMDB? Essa candidatura beneficiaria o PT e o próprio Azambuja.

DELCÍDIO/MARQUINHOS O primeiro quer audiência no Senado para discutir a situação de empresa (Celpa) do grupo Rede, dona da Enersul. O segundo, atento aos critérios adotados para os reajustes da tarifa em nosso Estado.

A LIÇÃO Igual a Collor e Dilma, Jânio se achava o tal e (1961) sem consulta prévia mandou ao Senado o nome de Ermírio de Moraes (pai) para embaixador na Alemanha. Mas o empresário foi rejeitado pelos pares da Casa.

O TRÔCO Magoado, Ermírio disputou em 62 o Senado pelo PTB de Pernambuco e bancou a candidatura de Miguel Arraes contra o conservador João Cleofas. Venceram e a diferença pró Arraes foi só de 6 mil votos (1% do eleitorado).

IRONIA da política. Não tivesse o Senado rejeitado a indicação do empresário (financiador da campanha de Jânio), Arraes não teria virado governador e sua trajetória seria outra. Portanto, respeitar a força do Senado faz bem.

A DERROTA de Dilma no Senado é fruto da inabilidade de negociar politicamente. Ora bolas! Será que ela não sabia que neste sistema de presidencialismo de coalizão vigora a barganha, ou seja, o velho toma lá da cá?

CABEÇA QUENTE Será que o TSE revogará sua recente resolução deixando fora destas eleições 21 mil candidatos com contas reprovadas em pleito anterior? O pedido de revogação unindo 18 partidos mostra a gravidade do caso.

A MATÉRIA é complexa. Mais um ingrediente venenoso neste contexto pré-eleitoral incendiado pelo “Ficha Limpa’. Muitos que se postam como candidatos agora, tiveram suas contas reprovadas e tem motivos para perder o sono.

A LISTA dos políticos no MS sob esse risco não foi divulgada ainda, mas acredita-se que tenha um número razoável. Se o TSE não rever sua própria decisão poderemos ter reviravolta no quadro eleitoral de muitas cidades.

EXPLICANDO: O TSE fala em aprovação das contas do candidato na última eleição. Já os partidos defendem que a simples apresentação da contas resolveria o caso, independentemente do julgamento do mérito. Mas será mesmo?

PERGUNTO: você já viu a apresentação de contas de candidato? Na maioria das vezes peca-se por três motivos: a incrível burocracia, o despreparo do candidato (assessoria) e a mania de acreditar na tradicional impunidade eleitoral.

ARREMATE Quando o candidato vence, cuida com esmero da apresentação das contas. Se perde, desmotiva, jura que jamais irá participar de outra eleição; não cuida como devia da cruel prestação de contas na justiça eleitoral.

‘OPOSIÇÃO’ Continua sem uma cabeça maior e programa alternativo; não monitora os desvios da administração. Enquanto isso Dilma vai anestesiando os oposicionistas através de liberação de verbas, cargos e favores diversos.

HOJE o Planalto teme mais seus sedentos e experientes caciques das siglas aliadas do que propriamente os partidos da oposição. É aí que se abre a gaveta do balcão de negócios para solucionar crises e viabilizar o Governo.

NA INTERNET Cresce a oferta de publicações sobre marketing político eleitoral, planejamento de campanha, liderança, motivação de equipe, arrecadação e prestação de contas. Com certeza não faltarão clientes, desejosos de poder.

A PROPAGANDA desse material lembra a estratégia de sedução adotada por alguns cursos de línguas estrangeiras. Passa-se a ideia de que em pouco tempo a pessoa possa superar barreiras. Mas da teoria à pratica a distância é enorme.

SILÊNCIO Já disse: perto dos argentinos somos um ‘povo banana’. Não se ouve um pio nas universidades e ruas contra a corrupção, fraudes, nepotismo, escândalos e vícios no Governo denunciados constantemente pela imprensa.

O GOVERNO atua em duas frentes: em sintonia com as centrais/sindicatos aquietou os trabalhadores e se aproveitou da alienação da juventude domando a diretoria da UNE com verbas e outros benefícios aos seus dirigentes.

OS PETISTAS ‘curtem o poder’. Muita propaganda e nada de reformas; o ajuste fiscal idem, a carga tributária incompatível com a concorrência chinesa. Só exportamos matéria prima. Nossa industria resistirá ao massacre até quando?

Tancredo Neves: “Não se faz política sem vítimas”.

PMDB de MS também fragilizado pela Lava Jato
OS IGUAIS A citação ou denúncia envolvendo cardeais do PMDB em esquemas de corrupção colocam o partido em pé de igualdade do PT em termos de credibil...
Clamor popular contra impunidade do policial matador
IMPUNIDADE O conjunto de manobras para beneficiar Ricardo Hy Um Su Moon, o policial rodoviário federal assassino do empresário Adriano Correia do Nas...
Marquinhos e Reinaldo juntos nas eleições de 2018?
DESMAMA Há quem pregue: o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), deveria imitar seu colega do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), acaba...
Algo mudou, só os políticos não percebem
NA MOSCA As centrais sindicais estão 'pê da cara' pelo risco de ficarem sem o velho dinheiro carimbado do imposto sindical. Essa CLT octogenária, ran...



Tem procedência a preocupação do Sen. Delcidio e do Dep. Marquinhos. Aliás, a privatização da Enersul pode ser considerado um equívoco de natureza grave. A alegação na época, seria de que a nova concessionária teria condições de investimentos de vulto, e, com tarifas atraentes. O tempo passou, a empresa obteve emprestimos do BNDES, a tarifa se elevou, e a receita saiu do Estado, o emprego sumiu.
 
bene rodrigues costa em 17/03/2012 09:51:35
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions